Tite, Marcelo e Dorival: técnico pode ganhar jogo?

Tite, Marcelo e Dorival: técnico pode ganhar jogo?

Até meus amigos mais politizados não aguentam mais ouvir falar em crise. Nem eu. Nos últimos dias, notei que estão evitando tratar de política e voltaram a falar de futebol, embora neste campo também não possamos esperar nenhuma maravilha tão cedo. Pelo menos, é um jeito de mudar de assunto para não estragar os papos de fim de tarde no boteco da esquina.

Um tema que provocou muita polêmica esta semana é tão antigo quanto o futebol: técnico pode ganhar jogo? Depende do técnico. Se for o Tite, do Corinthians, o Marcelo Oliveira, do Palmeiras, ou o Dorival Júnior, do Santos, a minha resposta é que pode, sim.

Tite é, de longe, o melhor técnico do futebol brasileiro, e já faz algum tempo. Deveria ter sido chamado para o lugar de Felipão logo após o vexame da Copa no Brasil. Preparou-se para isso, foi estudar nos centros mais desenvolvidos do mundo, voltou mais atualizado e com novas ideias, mas a CBF decidiu insistir com o Dunga,que nunca foi técnico na vida, para deixar tudo como está e não atrapalhar os negócios de Marco Polo e Cia. Ilimitada.

Mesmo perdendo alguns dos seus principais jogadores, tendo que remontar a equipe em pleno campeonato, Tite conseguiu manter o espírito do futebol compacto e continuar competitivo como no ano passado. Não à toa, o Corinthians virou o turno na liderança e é favorito para a conquista do título.

Marcelo e Dorival assumiram o comando de Palmeiras e Santos com o Brasileirão correndo, os dois times muito mal colocados na tabela, rondando a zona de rebaixamento e apresentando um futebol indigente para suas desanimadas torcidas. Em poucas semanas, praticamente com os mesmos elencos e promovendo juvenis, remontaram os times, definiram o esquema tático, encontram um padrão de jogo e devolveram a confiança às torcidas.

Dá gosto de ver estes três times jogando, independentemente dos resultados. Têm tudo para chegar juntos no G4 ao final da disputa, coisa que não acontece com o futebol paulista faz muito tempo.

É exatamente o contrário do que se passa com Vanderlei Luxemburgo, no Cruzeiro, e Juan Carlos Osório, no São Paulo, para provar que, assim como podem ganhar, técnicos também podem perder jogos e derrubar suas equipes.

O meu São Paulo, nas mãos do interino Milton Cruz, após a demissão de Murici, era vice-líder do campeonato quando a sua genial diretoria resolveu buscar Osório, um técnico cheio de diplomas e xavecos, no interior da Colômbia. Pois o tricolor só foi caindo na tabela e hoje ninguém sabe qual é o time titular, o esquema de jogo, o que o técnico quer fazer na próxima partida. Acho que nem ele.  A cada jogo, o técnico muda tudo. Não repetiu a escalação nenhuma vez até agora. Na mesma partida, pode colocar três laterais esquerdos em campo e usar três esquemas diferentes.

Depois de conquistar o bicampeonato brasileiro, o Cruzeiro promoveu o desmanche do time e perdeu seus principais jogadores, mas resolveu demitir o vitorioso Marcelo de Oliveira ao ser eliminado da Libertadores, como se ele fosse o culpado. Sorte do Palmeiras, pois o Cruzeiro trouxe de volta o milongueiro Luxemburgo e os dois clubes inverteram os papéis na tabela. Enquanto o Palmeiras luta para entrar no G4, o Cruzeiro ronda a zona de rebaixamento.

Em defesa de Osório, pode-se dizer que foi enganado pela diretoria do clube que promoveu uma liquidação do elenco após a sua chegada, mas ele também não ajuda. Depois de colocar o lateral esquerdo Carlinhos na ponta direita e zagueiro de área improvisado como centro-avante, só falta escalar Rogério Ceni na ponta esquerda e Alexandre Pato de lateral direito. Ou é um gênio que o mundo não conhecia, ou apenas mais um desses professores pardais que surgem de tempos em tempos querendo reinventar a bola.

No futebol, como na vida, tudo depende das pessoas. Com Tite, Marcelo e Dorival, destaques desta nova geração de técnicos que não inventam nada, mas sabem montar equipes e se fazer respeitados por jogadores e pelas torcidas, podemos ter esperanças de que o futebol brasileiro reconquiste o antigo prestígio dos pentacampeões mundiais.

Em tempo: esqueci de falar do Eduardo Batista, jovem técnico do Sport do Recife, que também vem fazendo uma belíssima campanha neste Brasileirão. É uma prova de que não se precisa gastar rios de dinheiro para montar elencos milionários. Basta saber contratar direito quem vai comandar o time e botar fé no taco de quem está começando.

 

 

 

 

 

 

 

 

9 thoughts on “Tite, Marcelo e Dorival: técnico pode ganhar jogo?

  1. Não só os técnicos ajudam, como também atrapalham e como atrapalham, o problema que eles hoje é que querem ser os protagonistas. Luxemburgo só falta pendurar uma melancia na cabeça e uma jaca no pescoço, tá na Globo no domingão ao vivo??? Aí, começa o espetáculo dessa “nobre senhoria’.

    O Tite, é um festival de cusparada na parte técnica, e o câmera ou diretor de TV, parece que aprecia a porquice.

    O Osório? E o ‘rei das canetinhas coloridas’, um caderninho sem-vergonha de 50 páginas, só fica agachadinho na beira do gramado, qualquer hora dessas derrubam ele literalmente , como aconteceu com o Luxa e o Murici ,tá pior que a prancheta do Joel lá no Rio.

    O Mano Menezes se derem duas tartarugas para ele segurar? deixa escapar três, isso sem falar no seus bilhetinhos na beira da cancha.
    O saudoso Tele, com seus ‘palitinhos mastigados, dizem que ia uma caixinha por jogo.

    O Felipão? Parece um maestro de opera, agora tá mais para ‘bandinha’ de coreto no interior.

    Eu acho, que hoje o que mais atrapalha é a bola, só tem perneta e com assessor de imprensa, meninos marrentos, que no tempo que eu assistia a várzea, muito deles não jogariam nem no cascudão, antigo 2 º quadro .

    Como diz dito popular; ” Já muito ajuda quem não atrapalha. Tite? como corintiano que sou, até agora esse ano??? Fala muito…..fala muito…..fala muito !!!

  2. Não diria que técnico ganha jogo, mas que ele contribui não tenho dúvida. O técnico eu comparo a um gestor de uma empresa……..monta uma estrategia, analisa o material humano que tem e principalmente tem a capacidade de passar a seus subordinados o comprometimento da execução da mesma. (seria igual ao governo…opss é melhor eu me calar rsrsrs).
    Sem dúvida, hoje o Tite, consegue executar esse tripé (estrategia, analise do material humano e comprometimento do grupo)…..quem vem se mostrando também capaz é o Marcelo….o Dorival gosto muito dele, porém é cedo para compará-los a esse dois vitoriosos, pelos clubes que passaram.
    Bem…. O Luxemburgo, “sem mais apresentações”, eu chegaria a compará-lo (ai não aguentei) ao Lula, cheio de bravatas e milongas.
    Quanto ao São Paulo, infelizmente meu caro Kotscho, meu DNA (praiano), dispenso qualquer comentário.
    Uma coisa no futebol se encaixa na política……………….precisamos URGENTEMENTE de renovação, não da para pensarmos mais em Dunga, Kaka, Ronaldinho Gaucho….e na política a mesma coisa, esses que estão aí, não é a solução para o que queremos. Na política temos “o retranqueiro e o outro com espirito de ataque…o ideal é ter ambos”. Na minha modesta opinião temos que ter um novo governo que tenha um pouco do DNA de FHC e um pouco de Lula……não enxergo mais o Brasil e a sociedade satisfeita, sem um pouco desse mix………o exemplo disse esta na governAnta…..se excedeu nas benevolências esquecendo a prudência.

  3. Claro que tecnico ganha jogo! -Olha A Dilma aí, que foi escalada pelo tecnico Lula, e venceu por duas vezes times mais tradicionais, de camisa forte, como o Serra e o Aecio! Olha a tecnica Dilma aí (aqui pode-se usar o substantivo tecnicA, porque o substantivo masculino é com a terminação o, ao contrario do substantivo presidente), que escalou: o Temer para a articulação politica e o Aldemir Bendine para a presidencia da Petrobras; e tudo se normalizou. Tanto se normalizou, que “O Padrão globo de jornalismo, que destinava de 15 a 20 minutos do seus telejornais para falar de corrupção na Petrobras, repetindo sempre os mesmos nomes de acusados, sem apresentar nenhum fato novo; e mais outros 15 minutos para tentar impor uma crise Nacional maior que a da Grecia e ocultando a existencia de uma crise Mundial; nessa semana, provavelmente devido a queda de audiencia, provocada por si mesmo; passou a dedicar 10 minutos para falar da crise Mundial, e apenas 2 minutos para falar da corrupção na lava-jato. -Desculpe a brincadeira Kotscho, mas não podia deixar passar essa, pois afinal não falam sempre em “Jogo politico”? Voltando ao tema. Claro que tecnico ganha jogo. Só não ganha jogo no São Paulo, onde o Rogerio: Escala e contrata; como denunciou o Ney Franco. No entanto, sou da tese de que “Não se pode ensinar o que não se aprendeu”. Por isso os tecnicos brasileiros, não têm o que ensinar aos jogadores; pois os tecnicos atuais do Brasil, sequer jogaram nos times grandes daqui, quanto mais jogaram na europa para aprenderem tatica. Parece bobagem, mas fica nitido quando a gente assiste um jogo entre times brasileiros contra times da Argentina,Uruguai, Colombia e Mexico; pois os times de lá apresentam variações de jogadas e os daqui ficam na dependencia do individualismo dos nossos craques. E a resposta é simples: Na Argentina, No Uruguay, na Colombia e no Mexico; o tecnicos jogaram em times europeus. O Brasil de um modo geral tem mania de “premiar o bandido”. Veja que no futebol, Os maiores vexames que o futebol brasileiro ja sofreu foi protagonizado pelo Celso Roth, no jogo do inter contra o Mazembe; e pelo Felipão no recente 7 a 1 da Alemanha; e mesmo assim, o Celso Roth continua assinando contratos milionarios e o Felipão, ainda “no calor do vexame do Mineirão”, foi contratado com um salario milionário pelo Gremio, que melhorou muito após a saida dele. – Acho até que não precisamos de tecnicos estrangeiros, embora não ache isso um crime ou um pecado mortal, visto que “em varios esportes do Brasil, temos tecnicos estrangeiros e competentes”; mas não podemos mais abrir mão de tecnicos que jogaram na Europa. -Esse tipo de esquema tatico 9-1 do Tite, “está acabando com o nosso futebol”; pois prioriza Zagueiros e volantes. Isso poderia dar certo no São Paulo, onde os tecnicos não confiam na qualidade tecnica do Rogerio, e por isso escalam o time com 3 Zagueiros, 2 laterais e 3 volantes. Os times montados pelo Marcelo Oliveira e Dorival junior, Têm mais a ver com o nosso futebol arte, o futebol dos craques. Já o Ozorio, ele se fez “o problema”, pois caiu na mesmice dos demais tecnicos do São Paulo nesses 18 anos do Rogeiro como titular. Hoje cedo eu li que o Messi mais uma vez foi escolhido o melhor jogador. -Um premio mais que merecido, como todos os outros “varios premios que o Messi ganhou”; que fazem dele um jogador muito valorizado no mundo, onde “mesmo com um passe altíssimo, por volta de 700 milhões de Euros; ainda encontra times candidatos em contrata-lo”. E o mais hilário disso, é que os Argentinos vivem criticando-o, mesmo o Messi tendo sido o melhor jogador da copa de 2014, vestindo a camisa da Seleção Argentina. -Já aqui no Brasil, no São Paulo, O Rogerio Ceni, que derrubou a media anual de titulos do São Paulo, que nunca recebeu nenhuma proposta de outro time, mesmo tendo um passe baixissimo, no valor de Meio mês de salario do Neymar; que nunca foi escolhido o melhor goleiro de campeonato nenhum, e que protagonizou fora de campo uma da piores paginas da historia do São Paulo, em 2001 no episodio da Falsa proposta do Arsenal; tem sempre o seu contrato renovado. -Aqui no futebol do Brasil, quem ganha jogo são os jogadores!

  4. por que falar de assuntos banais em um tempo tao desafiador???? falemos da recessao comprovada…agora os esquerdopatas nao falam nada????
    “olhe que eu volto” diz o falastrao..vamos ver se é macho mesmo…volte…será “destrocado” nas urnas
    PS: nao sou coxinha nem asinha nao…apenas nao gosto de falastroes bocudos..aqui se faz…aqui se paga.

    1. Pelo visto o jornalista jogou a toalha. O país em recessão e ele comentando futebol, mas talvez esteja certo pq falar de política defendendo este governo é missão impossível. Há vcs viram o boneco do lula em São Paulo, que belezura.

    2. Alguns vão me xingar, mas minha independência partidária, me permite falar………não acho certo essa agressão ao Lula chamando-o de ladrão, não há nada, até o presente, que leve a isso.

  5. Caro Kotscho, é claro que técnico NÃO ganha jogo; mas PERDE… Sempre bom lembrar que o técnico mais vencedor do futebol brasileiro em todos os tempos foi o inesquecível Luíz Alonso Peres, o popular Lula, daquele Santos fantástico de Pelé,Coutinho, Zito, Pepe, Dorval, Calvet, Mauro, Mengálvio, Lima e tantos outros craques. Deu pra entender? Lula era conhecido por “distribuir” as camisas no vestiário, antes do início da partida. Na boa… Com um timaço daqueles, o que ele poderia dizer? Quem tinha que se preocupar com o que dizer era o técnico do outro time. Em resumo… Ganha o time que tem os melhores jogadores e o melhor elenco. E, aí sim, precisa tomar cuidado com quem contrata como técnico porque o chamado “Professor” pode por tudo à PERDER…

    PS – Acho que o que se paga para esses profissionais da bola, merece um post à parte… Qualquer um deles, ganhar mais do que R$ 50.000,00 por mês acho um absurdo. E alguns deles ganham isso por semana…

  6. Gilmar, Olavo e Mauro, Dalmo, Zito e Calvet. Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe. Ninguém jamais verá um time e um futebol como o jogado por esses onze craques de ouro. O melhor time de todos os tempos. Não precisava de técnico algum. Com craques, os técnicos são prescindíveis. O São Paulo não tem craque algum, exceto o seu magistral guarda-valas. O Cruzeiro também não, exceto seu regularíssimo goal-keeper. Corinthians, Palmeiras e Santos também não tem craque algum, sequer goleiros razoáveis. Nestes casos, os técnicos podem fazer alguma diferença. Pelo histórico desde a copa do mundo de 2006 na Alemanha, até o mais vergonhosa derrota de todos os tempos na história do futebol mundial em 2014, sem dúvida, os melhores currículos são os de Tite, e de outro que Kotscho olvidou: Murici Ramalho. A novidade – tem de ganhar uma Libertadores, pelo menos – é Marcelo Oliveira. Dorival Júnior ainda tem muita poeira pela frente. Quanto aos craques: o país não dispõe de nem um sequer, digno do nome. Neymar é um ótimo jogador, mas sequer se pode comparar a Romário, Ronaldo e Ronaldinho. Tudo indica que não vamos passar das eliminatórias, exceto na repescagem contra algum time da Oceania, porque Dunga não tem a menor condição de fazer uma equipe medíocre jogar um futebol minimamente razoável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *