Perdemos, mas nossa República começou em 1984

Perdemos, mas nossa República começou em 1984

 

Agora, que todo mundo já chama golpe de golpe e não fala mais em “Revolução Democrática de 1964”; agora, que se conta em prosa, verso e imagens como a Campanha das Diretas Já mobilizou o país inteiro na luta pela volta da democracia, nas maiores manifestações cívicas da nossa História, não consigo esquecer daquela madrugada de 26 de abril de 1984, no Congresso Nacional, quando faltaram apenas 22 votos para a aprovação da Emenda Dante de Oliveira.

Eu estava lá e fiquei até o final, torcendo pela vitória e chorei junto com todo mundo, depois de atravessar o Brasil ao lado dos comandantes da campanha, tendo à frente o grande Dr. Ulysses, dos artistas e dos representantes da sociedade civil, que se uniram para dar um basta aos militares. Perdemos, mas ganhamos: no ano seguinte, acabou a ditadura com a eleição ainda indireta do civil Tancredo Neves, que morreu antes de tomar posse.

Foram 21 anos de um grito preso na garganta pedindo liberdade, que explodiu nas ruas e, como bem definiu o jornalista e escritor Laurentino Gomes, autor de “1989”,  tivemos ali a verdadeira Proclamação da República, quase um século após uma ação militar, com participação de civis, derrubar o último imperador.

Agora, em 1984, era o contrário: eram os civis que acabavam com o regime militar, sem nenhum apoio fardado, apesar da omissão, durante boa parte da campanha, da maioria da  chamada grande imprensa, que está tentando reescrever a sua própria história, trinta anos depois.

Pela primeira vez, o povo brasileiro, que tinha assistido de longe e bestificado ao Grito da Independência, em 1822, e à Proclamação da República, 67 anos depois, assumia o papel de protagonista. Pois foi a partir da derrota de 26 de abril que o Brasil se tornou uma Nação dona do seu próprio destino, conquistando a democracia sem precisar dar um único tiro, com uma grande festa que se espalhou pelas ruas e praças para terminar naquilo que chamei de “a mais sombria madrugada”, no último capítulo do meu livro “Explode um Novo Brasil _ Diário da Campanha das Diretas”, sob o título “Galerias explodem e não deixam a luta terminar”, que foii lançado poucos dias depois pela Editora Brasiliense.

O texto, publicado originalmente na “Folha”, começava assim:

Alguns deputados choravam, outros se prostravam em silêncio. Ao ser anunciado o resultado da votação da Emenda Dante de Oliveira, pouco depois das duas horas da manhã, a grande festa que todo o povo brasileiro esperava corria o risco de se transformar num grande velório.

Mais uma vez, porém, este povo reagiu. Em vez de ficarem lamentando os 22 votos que faltaram para que o Brasil voltasse a ser uma democracia, os homens e as mulheres que lotavam as galerias bradaram seu grito de guerra: “um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos eleger o presidente do Brasil”.

E terminava assim, com maiúsculas e tudo:

“Ontem, foi fogo segurar aquela barra. Mas, hoje, já está tudo bem de novo, nós não perdemos, nós ganhamos, você vai ver”, disse-me a deputada federal e atriz Beth Mendes (PT-SP). De fato, nem as nuvens escuras e a chuva do fim de tarde em Brasília, depois destes dias de sol, foram capazes de apagar a chama. Num apartamento da W-3, ainda resistia, apesar de tudo, uma faixa em que se podia ler, simplesmente: BRASIL.

É muito bom poder reproduzir estas palavras trinta anos depois, sem ter que mudar nenhuma vírgula. Beth Mendes tinha razão.

 

10 thoughts on “Perdemos, mas nossa República começou em 1984

  1. Kotscho, nossa Republica começou em 2002, quando a vontade popular, sobrepujando o poder manipulador do Capital nacional e multinacional, elegeu Presidente um digno representante do inustiçado e sofrido povo Brasileiro. E nossa Democracia só será verdadeiramente inaugurada quando aniquilarmos o poder corruptor do PIG (Partido da Imprensa Golpista) e colocarmos na cadeia os “Bandidos de Toga” citados, aqui mesmo no Balaio, pela Ministra Eliana Calmon. Bom fim de semana a todos !!! (E parabéns ao Dias, H Menon e Enio que, com estupendos comentários em posts anteriores, calaram a bocas dos imbecis de sempre aqui do Balaio)

    1. …falou tudo que eu ia falar, só acrescento que, se o nosso PT, deixar o poder sem ter livrado a nossa boa gente das garras desta máfia que chamamos de PIG, tudo o mais que tiver feito não será nada.

  2. Pois é, Kotscho! Eu e alguns colegas saímos do trabalho e fomos direto para a Cinelandia, onde ouvimos pelo rádio o final da votação da Emenda das Diretas. Choramos todos e caminhamos até o Amarelinho, terminando a noite num porre monumental. A derrota da emenda não impediu a continuidade da agitação política em busca das Diretas Já. A luta continuou e o objetivo foi alcançado, ainda que pelos tortuosos caminhos da nossa política. E, pelo jeito, a luta continua. A cada conquista efetivada, uma nova se impõe e … não acaba nunca.

    Abçs.

  3. Eu era muito pequeno em 1985, mas vendo a historia, sinto que a vitoria e a morte antes de tomar posse do Tancredo Neves do PMDB, avô do Aecio Neves do PSDB; Deram à posse do vice presidente José Sarney do PFL (hoje DEMO), um gosto, UM SENTIMENTO semelhante ao da copa de 1994, tendo o Parreira como tecnico da seleção; numa base montada pelo Lazzaroni, depois de duas seleções BELISSIMAS montada pelo Telê Santana; não terem conquistado o titulo. Naquela seleção de 1994 no entanto, tinha um lider que praticamente ganhou a copa sozinho, chamado Romario, que: SE CONVOCOU, SE ESCALOU e JOGOU MUITO. Daquela turma de politicos das diretas de 1984, sobrou apenas o Lula, que não tão decisivo como o Romario na copa de 1994, mas ja se destacava como um jovem lider, no meio de tantos outros lideres de verdade, e NÃO FABRICADOS PELA MIDIA, como: Franco Montoro, Mario Covas, Ulisses Guimarães, Miguel Arraes, Leonel Brizolla e Pedro Simon. Sim, o senador Pedro Simon do PMDB, felizmente ainda está vivo, mas não o vejo mais como um lider INDIGNADO, mas sim como um moderador. O fato é que a historia está aí, que foi contada de FORMA TIMIDA pela midia conservadora e direcionada; mas a historia nunca será apagada, visto que nem essa midia, que era a midia daquela epoca, não conseguiu apaga-la. Hoje ESTÁ MUITO MAIS FACIL para se informar E VOTAR MELHOR, do que era antes, na epoca do meu pai, que me disse, que entravam nas salas de votação e se deparavam com pelo menos 2 soldados do exercito. A midia hoje, que NÃO FABRICOU O TANCREDO NEVES, não consegue mais fabricar sequer um prefeito, quanto mais UM PRESIDENTE. O poder agora É DO POVO, como queriam o pessoal do movimento diretas ja!

  4. Caro Kotscho
    República ??? Que República no mundo se consolida com uma aberração como essa —> “Não existem provas contra o réu,mas a literatura jurídica me permite condenar” Rosa Weber, condenando José Dirceu – “Não vejo provas no processo, portanto não tenho como condenar sem ao menos uma única prova” Rosa Weber, absolvendo Collor. — Estamos muito longe de nos considerarmos uma República com um PODER Judiciário indigno e vendido a uma mídia hipócrita, cretina, podre e golpista como essa nossa infestada de fantasmas da Ditadura Militar, Civil e Assassina que ainda inos assombram a cada dia e cada noite, cada vez mais. É assustador !!! É repugnante !!! MAS A LUTA NÃO VAI PARAR, ela continua até o fim !!! ATÉ O FIM DELES !!! .

  5. Kotscho e amigos, alguns trechos dos romances de Victor-Marie Hugo (1802 —1885) são impossíveis de ler apenas uma vez. Há uma passagem na monumental obra “Os trabalhadores do mar” (Les Travailleurs de la Mer) em que o grande gênio descreve o interior de uma caverna num rochedo em alto mar. O capítulo chama-se “O abismo . . . .”. Bem, não me lembro. E porque é impossivel ler apenas uma vez ? Porque o arrebatamento é indescritível. E para acreditar que um ser humano possa ser tão extraordinário como V Hugo. O mesmo vale para Charles Dickens, mas meu preferido é o Francês. Respeitadas as devidas proporções, acontece o mesmo com a maioria dos comentários do Enio B Filho (como esse ultimo) e com tantos outros do Dias, Everaldo, Pardalzinho, Mr Chance, H Menon, etc . . . Um dia, Kotscho, voce vai revelar o segredo pra reunir tantos craques neste teu Balaio. Tenham um ótimo domingo. /// Em tempo: Luiz Carlos Velho, volte ao Balaio, meu fíii. Invente uma desculpa qualquer que a gente aceita. Bater no Fannelder tá pior que bater em bêbedo e Petistas não compactuam com covardia ou injustiça. Abração, Velho !!!

  6. Kotscho e amigo, voltando ao comentário do Enio, imaginem que a ministra, alegando falta de provas, absolvesse Dirceu e condenasse Collor !!! Seria uma contradição abjeta com a qual não compactuariamos, por mais que o sentimento de vingança (edição fraudulenta do debate Lula x Collor no JN, calunias, difamações, etc . . .) ensejasse prazer indescritível a muitos, especialmente se levarmos em conta que Dirceu (e Genoino) sacrificou a juventude combatendo a ditadura, enquanto o clã de Collor era favorecido por apoiá-la !!! Kotscho, Enio e amigos, deixa-me estarrecido que os imprestáveis que subornam seus iguais em todos as esferas de poder (especialmente no 4º) não percebam que injustiças desse quilate só acirram os animos da ampla maioria do povo brasileiro que responderá nas urnas a todos esses insultos a nossos corações e mentes !!! Dilma (e Lula, claro !!) só precisa mostrar a preocupação de seu governo com a Educação (royalties do pre-sal) e com o Bem Estar (programas sociais) do povo brasileiro e conclamá-lo a responder nas urnas os insultos. Vai ser uma vitória avassaladora !!! Só não esqueçam de mandar convites pra segunda posse de Dilma (e Padilha) a todos os Petralhas do Balaio do Kotscho.

  7. Me desculpem a sinceridade mas eu nunca acreditei nestas açôes daqueles politicos das diretas já. Para mim tudo não passou de um atenuantes para o descontentamento popular, da falta de esperança do nosso povo. Nossa gente até parecia como um time batido e abatido em camoo, nâo acreditavam mais em nada e para ele tanto fazia ficar militar ou trocar de regime, até monarquia servia. Os militares cujos oficias em sua maioria advindos de classes mais pobres e que representavam a grande esperança popular, foi uma grande decepção. Naquele tempo ficou no nascedouro a esperança de se fazer uma ampla reforma agrária que deteria um exercito de pessoas que não achando oportunidades, deixaram o campo e vieram engrossar as cidades num contigente de desempregados sem qualquer qualificação profissional a não ser cuidar da terra, da plantação e dos animais dos fazendeiros, era uma gente acuada pela fome, que nas fazendas trabalhavam por um prato de comida e onde ter que dormir prá não ficar no relento, esta é a pura verdade. O resultado hoje se vê com cidades abarrotadas de favelados que se acostumaram com as dádivas dos prefeitos e governsdores, compram casas populares sem condiçóes de quitar a dívida, vende-a depois e voltam para seus pontos de origem, compram um ranchinho prá não pagar aluguel e vão viver do bolsa familia. Se tivessemos feito a reforma agrária naqueles tempos, hoje não teríamos uma São Paulo intransitável, não teríamos uma inflação nos preços de alimentos e até a segurança seria muito melhor e isto sem citar calamidades na educação, na saúde porque quem era do campo, lá ficaria. Portanto, se não estamos numa condição pior, temos que agradecer aos tres governos do PT e da nossa sorte de os tê-los na hora certa quando as chances no mundo nos favoreceu com nossas exportaçôes e houve um surto desenvolvimentista.

  8. Caro jornalista, estava na Praça da Sé, custei a acreditar no placar, mas sei que choramos juntos, alguns rezamos de mãos dadas, nos conhecemos naqueles instantes, mas juramos que o nosso ideal não estava sepultado, fui para casa com a alma aliviada, pois vi um grande numero de pessoas naquele momento de vários pontos da cidade, do interior de várias etnias, mantivemos o convívio naquele momento, parecia que há tempo nos conhecíamos. Ganharemos mais essa, pois na verdade a república inicia em 1984 como escreves, mas verdadeiramente organiza-se, em 2002, quando o Operário chega ao poder para descontentamento da burguesia, da grande e falsa mídia, daqueles que se acham classe média e escolarizados, e o império norte americanos, sim o Operário chegou ao poder e muito mudou, hoje eles detestam pois o mesmo começou a dar aos pobres e ao povo dignidade etc., estou na luta, nunca desisti, apesar da saúde abalada e o peso dos 58 anos, mas preciso lutar , deixar para os meus filhos lição de coerência e trabalho, vamos de novo, chegaremos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *