Eliana Calmon, a mulher sem medo de falar a verdade

Eliana Calmon, a mulher sem medo de falar a verdade

Tive a oportunidade de participar ao lado de Heródoto Barbeiro de uma das mais importantes entrevistas já apresentadas no nosso Jornal da Record News, transmitida ao vivo pelo R7. Sem medo de falar a verdade, a ex-corregedora geral de Justiça Eliana Calmon, às vésperas de se aposentar no próximo ano, falou com o entusiasmo de quem está iniciando a carreira e não deixou pergunta sem resposta.

Trechos da entrevista em que a doutora Calmon comenta os principais assuntos políticos do dia, como a não cassação do deputado presidiário Natan Donadon e as acusações contra José Antonio Toffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal, foram apresentados no jornal de ontem, mas vale a pena acompanhar a íntegra da nossa conversa com a ex-corregedora, que hoje cuida da Escola da Magistratura, falando da sua luta para limpar e melhorar a nossa Justiça, depois de ter denunciado a existência de “bandidos togados”.

Mesmo sem assumir uma possível candidatura nas eleições do próximo ano, Eliana Calmon admitiu ter sido sondada por vários partidos para disputar um mandato pela Bahia e ficou de pensar. A maior dificuldade, segundo ela, é a falta de dinheiro já que “campanhas eleitorais custam muito caro”.

Acompanhe abaixo a entrevista com Eliana Calmon, mulher de coragem que dignifica o Judiciário brasileiro. Vale a pena.

6 thoughts on “Eliana Calmon, a mulher sem medo de falar a verdade

  1. Caro Kotscho,
    O salário mínimo dos EUA, considerando 4 semanas de 44 horas como aqui (lá o mínimo é de 7,25 dólares por hora e há grande flexibilidade de jornada) equivale aproximadamente a 3 mil reais. Um juiz da suprema corte federal lá recebe aproximadamente 44 mil reais por mês, se considerarmos 13 salários por ano (o total é de 238 mil dólares por ano). Isso dá quase 15 vezes. No Brasil, o salário mínimo é de 678 reais e o do juiz do supremo é de 28.059,28 reais, o que dá mais de 41 vezes. É uma grande diferença, mas confesso que pensei que seria até maior.
    Abraço.

  2. Olha kotscho, eu vejo que “a mulher brasileira”, ainda não está entendendo de Politica. Haja visto que, “Bem antes do mundo falar em: Michele Bachelet e Angela Merkel; 90% dos homens de São Paulo ja elegiam duas prefeitas: Luiza Erundina e Marta Suplicy, que “aparecem bem avaliadas como melhores ‘prefeitos’ de São Paulo”, e até em outros estados, outras mulheres como Roseana Sarney no Maranhão, a Rosinha Garotinho no Rio, a Angela Amin em Santa Catarina e a Ieda Crussel no Rio grande do Sul; ja haviam sido eleitas em cargos executivos no Brasil, também por votos na maioria masculinos. A presidentE da republica Dilma “que bateu recorde de avaliação, ‘que caiu na aprovação como todos os governantes diante das manifestações’, e que ja mostra recuperação; também foi eleita graças aos votos de mais de 70% dos homens brasileiros”. O que é uma pena, porque “as brasileiras não entendiam de futebol”, e agora “dão um show ao comentarem sobre o assunto”. A mulher brasileira precisa “urgentemente se conscientizar da sua importancida no Cenario politico, visto que, é considerada mais culta que o homem brasileiro”. Elas precisam entender que “mais cultas ‘não significa’ mais bem informadas”, e por isso precisam se aprofundar mais no assunto, politica. As brasileiras “precisam participar mais da politica”, até para “corrigir os votos errados que os homens brasileiros, dão, e que acabam elegendo politicos femininos e masculinos, ruins”. Não adianta mais as mulheres, votarem “em politicos, porque os acham bonitos”, afinal o David Beckhan “nunca foi o melhor jogador do mundo”.

  3. Para mim uma excelente mulher pois eu já li diversas entrevistas dela no blog do PHA. Tem pensamentos claros sobre direito e politica e no meu entender é mil vezes melhor que a Marina que quer montar o partido REDE que não vai pegar peixe nenhum se conseguir aprovação. Em se tratando de juizes, seria melhor até que o Excelentíssimo Juiz Joaquim Barbosa, até na na exposição de idéias. Se ela estivesse no lugar dele, o Dominio do Fato seria uma quimera.

  4. “Voz das ruas?”. Voz da imprensa e de quem não sabe das falcatruas aprontadas pelos Procuradores e pelo relator, o justiceiro Joaquim Barbosa. Muito mais cedo do que os incautos pensam a verdadeira história será contada e o STF ficará desmoralizado.

  5. Sinceramente, assisti somente a primeira parte e me decepcionei. A achei populista e midiática, falando em STF antenado com o povo ou algo assim, quando se refere ao mensalão. Não passa pela cabeca de ninguém perguntar a esta senhora sobre o desmembramento do mensalão tucano, negado ao congênere em julgamento do PT, ou as prescrições já ocorrendo no mensalão tucano, ou ao silêncio midiático sobre ele, ou ao silêncio “STFéfico”em relação ao processo do deputado paulo Maluf, flagrado com milhões e milhões de dólares em paraísos fiscais bem antes do mensalão, impossibilitado de pisar fora do brasil por ordem internacional de prisão, e jamais julgado por esse mesmo STF “antenado com o povo”. A verdade é a seguinte: corrupto é quem a grande média diz que é, e gente como Eliana Calmon e seus congêneres vai de carona. Demais corruptos que a mídia esconde JAMAIS são importunados nem pelo povo, nem pelos procuradores, nem por gente como Eliana Calmon, Celso de Mello, Roberto Gurgel e etc. Quem decide quem é investigado e quem não é, quem é condenado e quem não é a mídia. Ponto final. Eliana Calmon só se volta contra os “bandidos de toga” porque a mídia focou neles, e lhe incensou. Só por isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *