Após as vitórias, protestos nas ruas continuam. Até quando?

Após as vitórias, protestos nas ruas continuam. Até quando?

BH serve de palco para destruição durante jogo do Brasil. Foto: José Augusto Filho / Divulgação

Chegando ao final da semana em que o governo, o legislativo e  o judiciário fizeram até horas extras para atender de uma vez só a todas as reivindicações do povo nas ruas _ e até outras que nem estavam nos cartazes _ os protestos continuam em todo o país e já estão marcadas as próximas manifestações.

Só nesta quarta-feira, dia de jogo do Brasil contra o Uruguai, tivemos 26 manifestações de protesto, dos 50 mil que saíram às ruas em Belo Horizonte e foram até o Mineirão, aos 150 que marcharam no Rio de Janeiro.

Para hoje, estão previstas outras manifestações  em 18 cidades brasileiras (12 delas capitais) e o Rio já está preparando diversos protestos para domingo, dia da final do Brasil contra Espanha ou Itália.

A rápida reação das autoridades constituídas dos três poderes deu uma vitória atrás da outras aos manifestantes, da redução das tarifas das passagens de ônibus (a reivindicação inicial que deflagrou o movimento) e dos pedágios, à queda da PEC 37, passando por mais verbas para educação, mobilidade urbana e saúde, além de uma série de medidas de combate à corrupção, que terminou com o STF pedindo a imediata prisão de um deputado federal no exercício do mandato, fato inédito desde a redemocratização do país. A Câmara aprovou até o fim da votação secreta nos processos de cassação de parlamentares.

É claro que escolas, hospitais e transportes públicos não vão ficar no padrão Fifa de um dia para o outro, nem todos os corruptos sairão de circulação por decreto, nem os estádios já construídos serão demolidos e o dinheiro gasto devolvido aos cofres públicos, mas o fato é que foram tomadas providências concretas, reclamadas há muitos anos, para atender às principais demandas da população levadas às ruas durante todo o mês de junho.

Por isso me pergunto qual é agora a motivação que continua alimentando os protestos pacíficos e os atos de vandalismo sem dia para acabar? Se os objetivos imediatos já foram alcançados, o próximo passo para mudar o cenário político do país, dentro do regime democrático em que vivemos, só poderá ser dado nas eleições marcadas para outubro de 2014, ou nas urnas do plebiscito sobre a reforma política que a presidente Dilma Rousseff quer promover ainda este ano. Ou o objetivo final é ficar nas ruas até derrubar o governo, fechar o Congresso, dissolver os partidos e devolver o poder aos militares, como alguns manifestantes já estão pedindo?

Dilma pretende enviar sua proposta ao Congresso já na próxima terça-feira, mas a cada dia vejo mais difícil a aprovação da reforma política dentro do prazo legal, até dia 3 de outubro, tantos são os obstáculos colocados por parlamentares e juristas, para que possa valer já nas eleições do próximo ano. Algumas reações registradas nos jornais desta quinta-feira mostram como será difícil o caminho a ser percorrido:

“Aval para o plebiscito?  Jamais! A última vez que a presidente Dilma falou em reforma política foi na sua posse, aqui no Congresso. E plebiscito é uma decisão do Congresso. Queremos falar e ser ouvidos ” (Aloysio Nunes, líder do PSDB no Senado).

“A base deve incluir se quer a continuidade do presidencialismo ou parlamentarismo. Vamos ouvir o que a presidente tem a dizer” (Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara).

“Precisa quase de um livro para fazer um plebiscito” (Francisco Dornelles, do PP, que integra a base aliada).

“É impraticável um plebiscito sobre temas tão complexos”” (senador Aécio Neves, presidente do PSDB e pré-candidato ao lugar de Dilma).

“O plebiscito é menos confiável porque é menos provável que o teor da vontade popular seja totalmente acatado depois no Congresso” (jurista Ayres Brito, ex-presidente do STF).

“No plebiscito, se for uma pergunta muito específica, corre o risco de a pessoa não entender o que está sendo perguntado” (professor Gustavo Binembojm, da Faculdade de Direito da UERJ).

“A manipulação do plebiscito _ Este tipo de consulta popular é inadequado para temas complexos como uma reforma política. Só favorece o partido que tem máquina e eleitores fiéis, o PT” (editorial do jornal “O Globo”).

Sem o apoio da sua base aliada (até a bancada do PT anda se queixando de Dilma em suas reuniões), atacada por líderes da oposição no parlamento e na mídia, e contestada por juristas de renome, a proposta de Dilma sobre reforma política, assim como outras medidas por ela anunciadas no pacto de cinco pontos, atravessam um calvário, sem que ninguém saia em sua defesa, a não ser um ou dois ministros do governo.

Por isso mesmo, é arriscado fazer qualquer previsão sobre o que pode acontecer nos próximos dias, semanas e nos 18 meses de mandato que Dilma ainda tem pela frente.

 

Em tempo (às15h40): li agora no portal Folha.com a informação de que “a maioria da base aliada aceita plebiscito para “nortear” reforma política, diz Planalto”. O que isso quer dizer ainda não sei.

 

 

 

 

 

 

 

 

32 comentários em “Após as vitórias, protestos nas ruas continuam. Até quando?

  1. Prezado Kotscho
    Para sua primeira indagação “qual é agora a motivação que continua alimentando os protestos pacíficos e os atos de vandalismo sem dia para acabar?” você mesmo já encontrou e apontou a resposta: “os objetivos imediatos já foram alcançados, o próximo passo para mudar o cenário político do país, dentro do regime democrático em que vivemos, só poderá ser dado nas eleições marcadas para outubro de 2014, ou nas urnas do plebiscito sobre a reforma política que a presidente Dilma Rousseff quer promover ainda este ano”. Agora para a sua segunda indagação: “o objetivo final é ficar nas ruas até derrubar o governo, fechar o Congresso, dissolver os partidos e devolver o poder aos militares, como alguns manifestantes já estão pedindo?”, pode-se dizer que já existem sinais para essa apreensão. As manifestações que vêm ocorrendo nas ruas muitas vezes tem se mostrado como um verdadeiro guarda-chuva ideológico, retrógrado, usado para resguardar as ressentidas forças intelectuais do neoliberalismo e do neolacerdismo, que podem querer eleger um representante vestal no final do processo.

  2. Li ontem no blog Tijolaço um post do jornalista Fernando Brito, “Na hora da crise, beba História”, onde ele cita ter recebido de José Vicente Goulart, filho de João Goulart, um discurso pronunciado por seu pai antes do Golpe de 64. Conclui, que todo esse ambiente conturbado que estamos vivendo agora, qualquer semelhança com o que aconteceu na época não é mera coincidência. A História de 64, infelizmente, acho que está se repetindo. Não vamos esperar que o desfecho daquela época aconteça novamente. Acho que chegou a hora dos eleitores de Dilma sair às ruas para apoiá-la e o Lula, pelo visto, já está se mexendo. Já estou me preparando pra isso.

  3. Nada é por acaso. Não adianta se iludir. O governo chegou num beco sem saída. Realmente sem saída. Essa tentativa de desvio do foco de responsabilidade feita por Dilma, deu errado. Tudo agora é reforma política? Tudo agora é plebiscito? E a brincadeira irresponsável que foi feita com a inflação? A reforma política é que vai baixar de imediato os preços? E o gasto público mal empregado e descontrolado gerando um nó fiscal? 74% das obras do PAC2 ainda não foram executadas, e tenho a certeza de que já estava sendo preparado nos bastidores deste desgoverno mais uma ação de marketing ilusório lançando com estardalhaço o PAC3. A Petrobrás com um déficit altíssimo nas suas contas, e olha o pré-sal aí gente. Quer trazer médico estrangeiro, quando não tem hospital, unidade de saúde, maca, a mínima estrutura para atendimento?…. Dilma, você ainda tem mais de 1 ano pra ajeitar alguma coisa nesse seu desgoverno com o mínimo de dignidade pública. É patético: se perguntar pra ela o nome de todos os seus 40 MINISTÉRIOS ela nem saberá responder….

  4. O movimento facibuqueiro esgotou seus quinze minutos de fama e se esvai nas ruas. Restou o estertor que reune as exceções de praxe, incentivadas pela mídia de oposição, os pontuais de ocasião (eu quero uma passarela, uma bica d’água, asfalto na rua, etc.), os anticopistas fanáticos da ESPN e os atrasados da hora.
    Ontem em Minas não chegavam a dez mil os manifestantes, embora repita-se, mesmo com as cenas da massa escancarando a anabolizada nos manifestantes, que cinquenta mil protestaram em Minas. Idem nas demais praças, onde cem gatos pingados viram mil, dois mil e por aí vai, mas na realidade prática, escafedendo-se o movimento virtual. Segunda-feira acaba a farra do boi sonso e chega a hora do verdadeiro povo brasileiro começar a ir às ruas para fazer da reforma política o inicio de fato da reforma do Brasil, passando-o finalmente da Casa Grande para todos os brasileiros, despejando a dita cuja para sempre nas páginas, obscuras e muito escuras, da história brasileira.

  5. Meu caro Kotscho
    Não tem algo errado, não? Por que será que “essa gente” que você citou não quer o plebiscito? Gostaria que você tivesse ouvido outra turma, um Vicentinho por exemplo, alguém que represente POVO. E mais do que isso, a sua opinião pessoal.
    Grato. Braz

  6. Kotscho, você seleciona, não sei se espontaneamente, ou não, opiniões de extremos conservadores, e achava que eles iriam dizer, sim tá tudo certo, o plebiscito é caminho correto, assim encontraremos as soluções para os problemas? O que é isso, companehiro, Aloysio Nunes, do PSDB, nem é preciso falar mais nada; Aécio Neves, idem, e com o agravante de que quer ocupar o lugar de Dilma. O Globo, ah, meu Deus, o Globo, um órgão de imprensa de um grupo que trabalha 24 horas por dia para derubar qualquer governo trabalhista! Francisco Dornelles, Eduardo Cunha e Ayres Brito, três que estão enlaçados com os primeiros. Eu sempre soube, que opiniões para assuntos polêmicos, ou não, tem que ser de vários pensamentos, para que o sentido final tenha mais peso, seja mais embasado e tenha mais consenso. Em uma situação como essa que estamos vivendo, não se vê, por parte da imprensa (toda), nenhuma voz de personalides com cabeças mais arejadas e mais afinadas com o pensamentos mais à esquerda. Se for para ouvir somente conservadores como esses citados, hipooteticamente, Dilma já está perdida. Vai ser outro golpe de estado. É difícil a gente não se estressar com tudo isso. Fico absolutamente triste e deprimida. Fazer o que?

  7. Pois é, o velho formalismo burocrático, de origem tão longinqua quanto lusitana, continua imperando, não é mesmo ? Principalmente quando é tão conveniente para as raposas que querem preservar seus galinheiros, concorda ?

  8. Concordo com Nona, a seleção de opiniões foi extremamente conservadora e nitidamente contrária ao projeto de plebiscito. Aluisio Nunes, tucano, defende o desacreditado congresso que teve anos e anos para fazer a reforma política. Não fez, com a leniência do PSDB. Portanto o Congresso perdeu a vez. Realmente, Aécio jamais falaria bem de Dilma. E o título da matéria faz referência a cotinuação dos protestos, mas não apresenta uma sugestão: disciplinar os protestos, não permitir que as passeatas ocupem todas as pistas das avenidas e estradas, impedir depredações. Mas será que a polícia do governantes tucanos vão agir nesse sentido? A turma do quanto pior melhor, está bem ativa. Kotscho, você fica devendo uma seleção de opiniões favoráveis ao plebiscito e contrárias ao referendo que (este sim) pode ser feito de forma manipuladora pelo nosso lerdo Congresso

  9. Ricardo, havia feito um comentário mas, na hora de enviar, a Net caiu. Aqui vai, de novo.

    Fiquei feliz e esperançosa ao ouvir o Lula dizer que o PT ainda não saiu à ruas.

    Como já detalhei aqui, as manifestações do MPL, com os objetivos claros e definidos de, primeiro, revogar o aumento da passagem de transporte público e, segundo, implementar o passe livre, foram apropriadas por pessoas de direita que não tem a capacidade de mobilizar uma dúzia de pessoas para as suas causas!

    Na última manifestação, essas pessoas, que se definem como anti-partidárias e patriotas, e que recorrem à imagem da Johnnie Walker de “gigante adormecido”, e à imagem da Warner de Guy Fawkes; enfim, essas pessoas trataram de expulsar até mesmo militantes do MPL da sua própria manifestação.

    (O MPL tratou de passar a chamar aulas e debates. Não sei bem se para aprofundar a discussão, ou se por saber que qualquer manifestação que o MPL chamar será apropriada pelo gigante verde-amarelo!)

    O que mais me preocupa nisso tudo é o executivo e o legislativo ouvirem essas vozes do gigante verde-amarelo (que ganham maior destaque na midia; afinal, esses manifestantes têm a cara do mercado-alvo dos anunciantes da TV e da mídia impressa) como as vozes do povo, ou as vozes da rua.

    Não sei se é coincidência. Mas duas das medidas aprovadas a toque de caixa (não à PEC 37, corrupção como crime hediondo) são parte das cinco causas do Anonymous Brasil. Para quem ainda não viu (se é que é possível), ei-las aqui:

  10. cada dia mais preocupada com os rumos políticos do país, resolvi tomar rivotril todas as noites para dormir… e quem sabe acordar num novo Brasil. o prefeitinho de salvador aceitou conversr com os representantes de uma manifestação que houve hoje por aqui e a reunião não aconteceu pois os valorosos manifestantes não chegaram a um acordo para escolher quem os representasse. e vai ser cada vez pior. esta história de aprovar tudo a toque de caixa acabou por dar todo o poder para o ministério público, que cada dia mais se mete em tudo. pronto, problemas resolvidos – acabamos com partidos, governantes, parlamento, justiça e entregamos o país ao ministério público. estou cansada.. e viva o rivotril!!!

  11. …já falei antes em vários lugares…na hora certa, é só o LULA sair de cidade em cidade convocando o “verdadeiro povo”, que ainda se mantém em silencio assistindo esta palhaçada, para o apoio à DILMA e às verdadeiras reformas, que estes twiteiros e facebookeiros correm todos para debaixo das saias das vovozinhas.

  12. Acredito que o Lula faz muito mais pelo Brasil ficando quietinho como está. Esses mesmos manifestantes que estão aí são os que Levantavam as bandeiras e estrelas do PT. A casa caiu. O Lula sair as ruas pode até correr o risco de ser rechaçado das manifestações como foi os manifestantes que tentaram se infiltrar entre os manifestantes. O povo acordou e viu que o país não é aquele mar de rosas que o governo petista pregava.

  13. Olá.
    Kotscho, com todo respeito, deixa de ser militante e volta a ser jornalista!!!
    Seu texto tenta defender a loucura… poxa, a ideia de Plebiscito é tão ruim que nem o PT a apoia de verdade e ainda pode ser usada pela Base aliada(maioria do congresso) para mudar o que eles quiserem!
    Tá todo mundo contra, até o vice-presidente, e todos errados? Só a Dilma tá certa.
    E KOtscho, entenda, as manifestações não são por 20 centavos!!! hahaha
    Dá a impressão qeu vc acredita que é por 20 centavos.

    Abs

  14. …da proxima vez que a globo mostrar manifestantes tentando invadir o palacio do planalto, é a hora de LULA convocar a sua gente. Antes já poderiam estar distribuindo panfletos alertando o povo do perigo que corre a nossa democracia. Um panfleto simples: ” Os inimigos de nossa gente estão querendo tirar a DILMA da presidencia, na marra, a força, vamos permitir isto” ???

  15. Ninguem está impedindo o vandalismo, só olham e nada fazem e continuam dizendo que é pacífica. Quem quebra, tambem está reivindicando o direito de quebrar ? Os que roubam, também reividicam o direito de roubar ?. Chegou a hora de dar um basta.

  16. Esse Movimento Passe Livre é um “engodo”. Tem o MOVIMENTO CONTRA A CORRUPÇÃO que rima com PCC (1° Comando da Capital). O Brasil teve o MOVIMENTO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO q VIROU O PMDB (PARTIDO DEMOCRÁTICO BRASILEIRO). E virou esse monstrengo. Dizem q o marcha é DEMOCRÁTICA MAS QUEIMAM AS BANDEIRAS E AGRIDEM OS SIMPATIZANTES DE OUTROS PARTIDOS. Até a direitona tem o privilégio de participar. Sou contra a participação do VÃNDALOS. sE NÃO PERMITEM A PARTICIPAÇÃO DOS SIMPATIZANTES DO PARTIDOS ENTÃO NÃO É DEMOCRÁTICO.

  17. A Exame acaba de colocar sua nova edição nas bancas. A capa traz uma foto da Dilma, e a curiosa manchete: “Como salvar o mandato de Dilma”. Essa manchete joga para todas as galeras: tanto podem se tratar de sugestões para que o governo Dilma tenha uma melhor atuação, nos próximos 18 meses; como pode se tratar de uma lista de condições para evitar um rompimento mais drástico com a gestão da Dilma. (Não vou falar a palavra G—E, pois quero que você aceite o meu comentário, rs.

  18. Idalui, os políticos atuais falarem em roubar, é falar de corda em casa de enforcado. Veja os casos da Refinaria de Pasadena, onde a Petrobras jogou fora mais de R$ 2 bilhões do dinheiro público . E da refinaria Abreu e Lima, que dos U$ 2,3 bi iniciais, já está em U$ 18 bi e estão pedindo mais um aditivo de R$ 3 bi. Esta refinaria “derrapa” no TCU desde 2008. Veja o relatório do TCU na internet, estão até se recusando a enviar a documentação ao Tribunal.

  19. Alguns comentaristas pedem a presença do “verdadeiro povo brasileiro” nas ruas sob o comando de Lula. É só eliminar o Bolsa Família que isso acontecerá rapidinho. Hoje, se Lula resolver participar das manifestações é capaz de tomar uns cascudos a exemplo de alguns militantes de seu partido que fizeram a mesma tentativa. Essas manifestações, apesar dos intrusos, dos vândalos e até de militantes partidários disfarçados infiltrados, tem sido conduzidas por pessoas de classe média, que não votam em partidos e sim em pessoas, e que resolveram dar um “basta” na forma com que o país vem sendo conduzido. Corrupção endêmica em todos os níveis da administração pública, condenados exercendo mandatos parlamentares e sendo contemplados com ótimos empregos na administração pública, estado inteiramente “aparelhado” por incompetentes e ladrões tanto do PT como dos demais partidos da base aliada, inflação voltando a galope, números da economia manipulados, informações mentirosas sobre “eliminação de miséria”, saúde jogada as traças, infraestrutura apodrecida, obras do famigerado PAC abandonadas ou atrasadas, carga tributária absurda, descabida e injusta, pibinho inaceitável, privilégios da classe política e de componentes da administração pública inaceitáveis, foro privilegiado para pilantras e ladrões da administração pública e do Congresso Nacional, falta total de segurança nas ruas, legislação branda com criminosos e menores infratores, estádios sendo construidos a custo proibitivo para uma Copa do Mundo elitista, isenção de impostos para a FIFA e muito mais, mais, mais, mais… A classe média brasileira tem todos os motivos do mundo pra não sair mais das ruas e continuar indefinidamente essas manifestações. Esse é só o começo da verdadeira “revolução” que ocorrerá no Brasil nos próximos meses. Revolução da classe média e não dos “votantes de cabresto”. Como dizem os manifestantes: “Ou o Brasil muda ou nós paramos o Brasil”. Quem viver verá.

  20. AINDA VAMOS LONGE,COM CERTEZA,POR EXEMPLO:O VALE TRANSPORTE GRATUITO PARA O TRABALHADOR BRASILEIRO QUE GANHA UM SALÁRIO MINIMO E MEIO,É UM CLAMOR ANTIGO,VAMOS PRA RUA!

  21. Lulla….cadê você meu fiiiiiiiiiiiiiiiii? Se enpirulitousis….como diria o inesquecível Mussum? E atenção: CUIDADO: os fanáticos seguidores do esquerdismo barato querem a formação de uma MILÍCIA para deter o pacífico e VERDADEIRO povo brasileiro que está nas ruas pedindo mudanças.

  22. Vai até consolidar o golpe. A Rede Globo não se satisfaz com o PT sangrando. Quer vê-lo seco, aniquilado em todos os redutos do país. Ela assumiu em todos os programas e aspectos estar contra o governo e a favor da volta do PSDB.

  23. …coitado do Jonas 8:24, tá com o chamado Complexo de Faceboys Atuitados, acha que a parte é maior que o todo, acredita porque acredita que se LULA for pras ruas vai ser enxotado. Acooorda Jonas, sai detras de teu notbook, o que tu tá vendo tudo é virtual, cai na real meu fii.

  24. Wagner Teixeira de Deus:

    Não é o MPL que não permite a participação de partidos. Muito pelo contrário: foi a direita que, incentivada pela midia conservadora (a mesma que de início odiava as manifestações, por uma questão de trânsito), participou das últimas manifestações com os seus próprios mottos e causas. Todo tipo de motto anti-aborto, anti-partido, pro-golpe, pro-regime militar.

    Esses dois ensaios mostram isso muito bem:

    1. A esquerda diante do “gigante verde-amarelo”
    http://www.viomundo.com.br/politica/o-aviso-de-incendio-soou-a-esquerda-diante-do-gigante-verde-amarelo.html

    2. Está tudo tão estranho, e não é a toa
    https://medium.com/primavera-brasileira/dfa6bc73bd8a

    Por fim, esses filmes deixam bem claro que estava expulsando os partidos:

    1. http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ns8GWjynfts

    2.http://www.youtube.com/watch?v=MeByRCf3rUM

  25. Vigilio Tamberline, Todos nos queremos que cada um pague pelo que fez na sua area. O que não podemos tolerar e que nos mesmo sai quebrando , roubando, desafiando autoridades policiais e dando amem a tudo e voce ainda quer que eu me dê por satisfeito. O meu comentário é sobre as passeatas, que dizem, pacíficas.

  26. Ricardo, não vou ficar falando que você é um ótimo jornalista. Disso você já sabe, embora, encarnação da modéstia, não repercuta.

    Mas (há sempre uma adversativa no meio do caminho), certas reações suas no passado recente, revelam um frequente cambalear para as generalidades que o senso comum, falso portador de todas as verdades, adora repetir (para deleite da direita): coisas como “esses políticos etc” e aquela ladainha de sempre.

    É do caldo de cultura formado pela repetição acrítica, emocional, de teses como a pré-citada que se alimenta (e é alimentada) essa agonia infernal em que se tranformaram as manifestações de rua.

    Volto à adversativa. No entanto, como no artigo de hoje, ao meu ver, foste bem!

    Saudações, carioca, brasileiro, ser humano.

  27. Kotscho vc se lembra daquela piada de dois caipiras sentados na soleira da porta, ambos picando fumo, quando um deles olhando para o céu vê dois elefantes voando e desconfiado, pergunta para o companheiro: “cumpadre cê já viu dois elefantes voando”?. Eu “tô” assim viu Kotscho? Esperando o que a “Dilminha” quer perguntar.

  28. O grande problema, meu caro jornalista, é que há uma desconfiança geral (plenamente justificada) de que o PT quer aproveitar-se do plebiscito para aprovar a sua reforma política, que visa manter no poder a sua cúpula, e não o aprimoramento do funcionamento da democracia brasileira. É por isto que todos estamos com a pulga atrás da orelha…

  29. Pois é Kotscho.
    Até quando?
    Ninguém mais, em bom juízo, poderá afirmar como se dará o fecho disso tudo. Pode ser bom, é o que esperamos ,mas pode ser ruim, péssimo e desastroso. O enfraquecimento do PT é bom, muito bom, pois é sabido que mais uma estrondosa vitória nas urnas traria para o centro do governo os radicais barbudinhos sedentos em aplicarem suas idéias retrógradas, sectárias e ditadoras, como, por exemplo, a regulação da mídia (A CENSURA). Um governo PT forte, no 4º mandato, com um Congresso submisso e a maioria do STF indicada pelo partido nos levaria para uma ditadura consentida. Parece-me que esta parte das reivindicações já foi cumprida, é o que nos mostra à queda brusca da popularidade da presidente Dilma.
    Nestas alturas, os barbudinhos que trabalham no tal ”marco regulatório da mídia” já podem desistir de uma vez para sempre ,eles não passarão.
    Aliás, Kotscho, é bom que se diga, em nome da verdade e da justiça que, a presidente Dilma resistiu bravamente aos ataques destes sectários do seu partido.
    Que assim seja!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *