Dilma está satisfeita com o Brasil de Dilma

Dilma está satisfeita com o Brasil de Dilma

Serena e firme, muito à vontade e cheia de boas notícias, a presidente Dilma Rousseff parecia satisfeita ao fazer um balanço dos seus primeiros nove meses de governo na manhã desta quinta-feira.

Em entrevista aos apresentadores Celso Zucatelli e Chris Flores, do programa Hoje em Dia, durante café da manhã no Palácio da Alvorada, transmitida ao vivo pela TV Record, Dilma mostrou-se confiante nas condições que o país reúne hoje para enfrentar a crise econômica mundial, anunciou um aumento de 14% no salário mínimo em 2012 e prometeu melhorar a gestão da saúde pública antes de se discutir um novo imposto.

“É mais do que bom”, respondeu na lata, no começo da descontraída conversa de uma hora com os dois jornalistas, quando Zucatelli lhe perguntou se é bom governar o Brasil. “É uma honra e um orgulho governar o Brasil neste bom momento que o país vive, crescendo e distribuindo renda”.

Não, ela não sonhava em ser presidente da República numa época em que as mulheres nem pensavam nisso. Queria ser bailarina e bombeiro, mas agora se mostra contente com o papel que o destino lhe reservou, e nem piscou o olho quando entrou no ar uma reportagem sobre a sua trajetória de vida até chegar à Presidência.

Vendo-se na tela ao fazer o discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU na semana passada, a presidente se lembrou de milhões de mulheres que ainda são vítimas da segregação em várias partes do mundo, destacou “a fase de extrema valorização internacional” que o país atravessa e reconheceu o mérito dos seus antecessores para que o Brasil ganhasse uma posição de destaque na ONU.

A entrevista-conversa, em que os entrevistadores deixaram o papo fluir sem querer aparecer mais do que a entrevistada, foi intercalada por reportagens. Após ouvir o depoimento de três “mulheres guerreiras” contando histórias de superação, em que elas afirmam ter-se inspirado na presidente, Dilma comentou que “elas também me inspiram”.

Mais desenvolta do que em entrevistas anteriores, Dilma dirigiu-se principalmente ao público feminino, predominante nas manhãs da televisão, e nem tocou na comida da mesa farta à sua frente. Só tomou alguns goles de suco de laranja.

Sempre citando números, falou de aposentados, emprego, saúde, impostos e mostrou-se otimista com o futuro: “A expectativa de vida está aumentando, mas antes da população ficar mais velha, o país vai ficar mais rico. Temos uma população economicamente ativa numa faixa etária boa para darmos um salto de crescimento e cuidar melhor dos nossos aposentados. “.

Entre as boas notícias, a presidente contou que em Manaus, no dia anterior, durante reunião com sete governadores da região, lançou a Bolsa Verde, que dará uma ajuda de R$ 100 por mês e crédito a juros mais baixos para quem preservar a floresta, beneficiando 4 milhões de pessoas. “Vocês sabiam que 62% dos pequenos empreendedores no Brasil são mulheres?”, fez questão de destacar.

Quando lhe perguntaram se o Brasil estava livre da crise, foi realista. “Nenhum país está livre das consequências, mas o nosso país está hoje mais protegido do que na crise de 2008”. Para ela, “no momento em que os Estados Unidos e a Europa compram menos produtos brasileiros, o mercado interno, com a força do consumo e a renda melhorando”, dá mais confiança ao país.

As reservas brasileiras também lhe dão tranquilidade. “Nós temos hoje um pé de meia de US$ 351 bilhões”, contou com orgulho, como fazem os síndicos na prestação de contas em reuniões de condomínio.

Sobre o aumento de IPI nos carros importados, a presidente foi dura: “Precisamos proteger o emprego dos brasileiros, fui eleita para isso. Qualquer empresa estrangeira, para não pagar imposto maior, vai ter que gerar empregos aqui. Este governo não vai deixar que ameacem os nossos empregos”.

“Compromisso tem que virar ideia fixa, vou fazer de tudo para melhorar a saúde”, prometeu, ao falar da saúde pública, lembrando os tempos de campanha eleitoral. Admitiu “problemas sérios de gestão” e a falta de médicos em várias especialidades, mas deu esperanças de que o quadro pode melhorar.

Dilma anunciou que o governo vai financiar cursos para formar 4.500 médicos e quem se comprometer a trabalhar por pelo menos dois anos no SUS não terá que devolver o dinheiro. Depois de lembrar que os vizinhos Chile e Argentina investem mais em saúde pública do que nós, deixou claro que vai buscar novas formas de financiamento para aumentar os recursos nesta área.

“A saúde no Brasil precisa de mais dinheiro. Não estou pedindo hoje mais impostos porque precisamos melhorar primeiro a gestão. O governo tem que provar que tem condições de melhorar o atendimento ao público antes de pedir mais recursos”.

Na parte final do programa, Dilma viu a apresentação sobre a cobertura que a TV Record fará dos Jogos Pan-Americanos, que começam daqui a 15 dias, com a participação de 250 profissionais, em Guadalajara, no México. E ainda teve tempo para brincar com o chef Edu Guedes, que entrou no ar dos estúdios de São Paulo com sugestões para o almoço.

“Eu quero saber é a receita do sorvete… Tem que socializar o sorvete…”

Desta vez, ninguém falou de faxina nem de malfeitos. Cada coisa tem sua hora e lugar. Dilma chega aos nove meses de governo agradando até quem não votou nela.

Veja mais:

+ R7 BANDA LARGA: provedor grátis!
+ Curta o R7 no Facebook

+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

 

18 thoughts on “Dilma está satisfeita com o Brasil de Dilma

  1. Pois é,a famigerada globo “gravou” a entrevista.A Rede Record a entrevistou ao vivo.Consultando os meus botões eles me disseram que na famigerada globo havia a esperança de que se a Dilma falasse alguma coisa que pudesse ser manipulada,seria ” a glória”.Mas depois do “toma lá da cá”,perderam até o rumo da Von Martius.

  2. Caro Kotscho.
    A presidenta acertou no alvo ao dizer que, na saúde pública ”não estou pedindo dinheiro”, embora precise muito, mas antes, disse ela, precisamos melhorara a gestão. ”O governo tem que provar que tem condições de melhorar o atendimento ao público antes de pedir mais recursos”. disse a presidenta.
    Pois é Kotscho, não é que temos falado aqui em todos os postes que tratam do tema?
    Não é?
    Escrevi há poucos dias aqui no blog que, botar mais dinheiro na saúde do jeito que está é o mesmo que apostar em cavalo manco. Sabemos através dos órgãos fiscalizatórios do próprio governo da imensidão dos desvios de dinheiro na saúde e educação, os quais, dizem, chegam a espantosos 60% do montante destinado.
    Diga-se que, os desvios nesta grandiosidade,não são, na totalidade, desvios criminosos, mas na gestão de boa fé mesmo. São, em boa parte, desvios técnicos por incompetência gerencial.
    É bom que a presidenta saiba de tudo isso. Fico mais aliviado!

  3. A mulherada da família toda reclamou, pois a Record deveria ter avisado com antecedência que a presidenta estaria ao vivo! Um show de tranquilidade e percebemos que está mais fluente, desenvolta. Foi recebida com gentileza, cordialidade e não como uma inimiga! Perfeita a explanação sobre a saúde! Marta quando Prefeita aumentou o salário dos médicos, fez concurso, mas os aprovados, com relativa razão, não assumiam, pois não queriam ir trabalhar na periferia, onde mais falta médico, alegando inclusive insegurança! Se é assim numa cidade como São Paulo, imagina no resto do Brasil!
    Obrigado, Record!

  4. Rsrsrsrs, chega de globo gente, Foi uma atitude muito sabia da presidente Dilma que governa nosso País, isso mesmo tem que barra esse povo que vem de fora só com o intuito de querer acaba com o que é da NAÇÃO BRASILEIRA, tenho em meu coração a esperança de que um dia nosso BRASIL será uma grande potência no mundo, pois estamos caminhando para isso, so precisa acabar com essa corja que existe ainda de corruptos, e outra essa conversa de que a fifa quer tirar a copa do mundo do Brasil vamos dar um basta nisto…
    Meus parabens Senhora presidente, pois seu governo tem sido uma otima referencia para nosso País continue com essa garra …

  5. Ué Kotscho ???
    Mas segundo os anti-petistas esquizofrênicos de direita não seria essa “búlgara terrorista” quem iria assaltar os “nossos” bancos privados, distribuir armas ao povo, promover uma campanha de incentivo ao aborto, fechar a boca da imprensa, invadir e estatizar as “nossas” fazendas e “casas grandes” e “implantar” o regime comunista de Cuba no Brasil ???
    Já são nove meses de seu Governo e nada disso aconteceu !!!
    Quando é que ela vai começar a destruir o Brasil ???
    E aí caros senhores feudais e asseclas escravagistas ???
    E aí Srs, Frias, Marinhos, Mesquitas e Civittas ???
    Com a palavra “vossas senhorias”…
    Em tempo: Da mesma forma que Collor tomou a nossa poupança quando em 89 durante a campanha acusava Lula de que este iria fazer isso, não duvido de que seria Serra quem nos levaria ao desastre caso tivesse vencido as ultimas eleições !!!

  6. Com o nosso país “destruído” e “arrasado economicamente” essa mulher ainda vem à publico falar de sorvete !!!
    O Brasil está falido Sra. Presidenta Dilma !!!
    Pelo menos é o que dizem 3% de idiotas da população brasileira.

  7. Para investir mais na saúde não precisa aumentar impostos. Os trabalhadores honestos ja pagamos impostos de mais e. Não temos saude, educação, segurança. se quisermos que nossos filhos tenham uma boa educação temos que pagar escolas particular. Basta o governo eliminar pelo menos quinze ministerios que, pelo menos a metade não passam de cabidões de empregos, entre eles, ministerio de diferença raciais, ministerios para a politica da mulher, da pesca e outos, só aí seria o suficiente para economizar pelo menos R$ 8 bilhões de reais por ano, dinheiro suficiente para melhorar muito a saúde. Poderia aumentar o IPI, não só dos automoveis importados, mas. De todos os automoveis. Todos os automoveis deveriam pagar no minimo 25 % de IPI e o dinheiro arrecadado aplicar na saúde e na previdencia social para custear tratamento de saúde dos acidentados em desastres automobilisticos e bancar aposentadorias para os que ficam invalidos.

  8. E quem n?o está? Ainda que com pendências seculares a equacionar e resolver, e que exigirão tempo e sacrifícios de todos, conseguimos reverter aquele antigo complexo de vira-lata e graças ao Presidente Lula tambem revertemos uma situaç?o de dependência (financeira e moral) em relaç?o ao FMI que colocou o Brasil – para desespero dos eternos rentistas da Naç?o – entre os grandes players mundiais. Obrigado Lula, obrigado Dilma.Como bem disse o Presidente do Instituto Sciences Po, rebatendo jornalistas sabujos, “A História mostrará o que Lula representou para o Brasil”. Bom final de semana a todos.

  9. maria das 04h51, imagino que o Brasil “real” dos brasileiros, seja o que você define como real, certo? E se for tucana, tem toda razão em pensar do jeito que pensa. Saudações.

  10. E LÁ VAMOS NÓS OUTRA VEZ!
    SUA EXCELÊNCIA, A SENHORA PRESIDENTA DILMA…..
    Agora, o Diário Oficial da União adotou o vocábulo presidenta nos atos e
    despachos iniciais de Dilma Rousseff.

    As feministas do governo gostam de presidenta e as conservadoras
    (maioria) preferem presidente, já adotado por jornais, revistas e emissoras
    de rádio e televisão.

    Na verdade, a ordem partiu diretamente de Dilma: ela quer ser chamada de
    Presidenta. E ponto final.
    Por oportuno, vou dar conhecimento a vocês de um texto sobre este assunto e
    que foi enviado pelo leitor Hélio Fontes, de Santa Catarina, intitulado Olha
    a Vernácula!

    Vejam:

    No português existem os particípios ativos como derivativos verbais.

    Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é
    pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é
    mendicante.
    Qual é o particípio ativo do verbo ser? O particípio ativo do verbo ser é
    ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade.
    Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação
    que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante,
    ente ou inte. Portanto, à pessoa que preside é PRESIDENTE, e não presidenta,
    independentemente do sexo que tenha.

    Se diz capela ardente, e não capela ardenta; se diz estudante, e não
    estudanta ; se diz adolescente, e não adolescenta; se diz paciente, e não
    pacienta.
    Um bom exemplo seria:

    A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que
    imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos
    vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta
    política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o
    direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta.

  11. O desnível entre a entrevista da Record e da bela apresentadora do Fantástico é revelador do quanto uma pauta imposta para “derrubar” o entrevistado pode ser manipuladora.A Poeta vai se lembrar por muito tempo da infeliz frase “do toma lá…….”.

  12. Parabéns a Record, essa entrevista foi bastante comentada
    Por ai se vê a importância de se aumentar a concorrência no meio da comunicação
    Ainda é tudo muito concentrado na Globo

  13. Honestamente estou feliz com o rumo que o Brasil está seguindo, as coisas parecem realmente estarem caminhando para o melhor, mesmo que ainda com alguns problemas como a ”faxina dos ministros”, eu acredito que a srª Roussef está fazendo um bom trabalho, e que em um futuro bem próximo não teremos mais pobres, honestamente é o que eu quero e preciso acreditar. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *