Pede para sair, Juvenal, e leva o Adilson com você

Pede para sair, Juvenal, e leva o Adilson com você

Antes do juiz apitar o final do jogo em que o Vasco bateu o São Paulo sem dó, por 2 a 0, nesta tarde de domingo, em pleno Morumbi, a torcida perdeu de vez a paciência, disparando uma das maiores vaias já ouvidas desde a inauguração do estádio (eu estava lá), no longínquo ano de 1960, acompanhada do refrão:

“Time sem vergonha!”.

Nada poderia definir melhor este time do São Paulo que perdeu mesmo o rumo e a vergonha na cara, já faz tempo. De nada adiantou o Corinthians dar moleza em Florianópolis, perdendo por 3 a 2 para o Avaí. O São Paulo, mais uma vez, conseguiu perder para ele mesmo.

Para quem não sabe, este Juvenal aí do título é Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo pela terceira vez, cuja última eleição até hoje é contestada na Justiça.

É uma espécie de Ricardo Teixeira do futebol paulista, só um pouco mais velho e mais gagá.  Depois do almoço costuma ficar fora de combate. Os dois se odeiam, mas são muito parecidos: como Teixeira, Juvêncio também se acha insubstituível.

Desde que demitiu Muricy Ramalho, depois da conquista do tricampeonato brasileiro, Juvenal Juvêncio não acertou mais nenhuma contratação, nem de técnico nem de jogador (o último foi Luis Fabiano, que já foi operado duas vezes, custou R$ 20 milhões, e até agora não jogou, ganhando um  salário de R$ 350 mil por mês).

Muricy não aceitava palpites de Juvenal, fazia questão de ficar distante dos diretores e tinha absoluto controle sobre o time dentro e fora do campo. Quem mandava era ele.

Por isso, de lá para cá, Juvenal só contratou técnicos de perfil baixo, com um currículo perdedor, como este Adilson Batista, que em apenas três jogos já mostrou a que veio.

Na estreia, empatou com o poderoso Atlético Goianiense, por 2 a 2, no Morumbi; na sequência, ganhou do Coritiba, por 4 a 3, em Curitiba, depois de abrir 3 a 0 no primeiro tempo, e hoje mostrou toda sua competência assistindo ao passeio que o Vasco deu no São Paulo.

Adilson Batista era a pior das opções para assumir o lugar de Paulo Cesar Carpegianni, outro técnico triste, sem personalidade, que não ganhou nada no São Paulo e saiu achando que foi injustiçado.

Juvenal Juvêncio só não pode dizer que foi enganado. Adilson já tinha fracassado seguidamente no Corinthians e no Santos, depois de ser demitido do Cruzeiro. Por isso, aceitou um contrato de apenas seis meses com o São Paulo, algo inimaginável para qualquer treinador que se dê o mínimo de respeito.

Ou seja, isto prova que nem o todo poderoso presidente do clube acredita nele. Está mais do que na hora de Juvenal Juvêncio pegar o boné, pedir para sair, e levar junto com ele o Adilson Batista para casa, onde poderão passar o dia todo e o resto da vida falando sobre futebol.

Se tiver vergonha na cara, depois de ouvir o que ouviu da torcida no Morumbi, Adilson Batista também pediria para sair e levaria o Juvenal Juvêncio junto com ele.

Os dois se merecem. O meu São Paulo, de tantas glórias e tradições, merece coisa melhor.

15 thoughts on “Pede para sair, Juvenal, e leva o Adilson com você

  1. Artigo muito bem escrito , pois o são paulo realmente precisa de renovação … estamos cansados de ver o time com resultados tão irregulares . Todos os São-paulinos deveriam ler , para q algo seja feito em prol do crescimento do time .

  2. infelismente,mais um ano sem títulos,enquanto vermos jean,dagoberto,{que some em decisões}juan,xandão,marlos nois não vamos comemorar titulos tão cedo

  3. Não deveria nem ter contratado esta tal Adilson. Não tem capacidade para dirigir um time como o São Paulo. Foi mandado envora de todos os clubes por onde passou por incompetência. Se foi este tal de Juvenal que o ocntratou ter que ir mesmo

  4. Vocês, São Paulinos, estão sendo precipitados. O Adilson nem começou a trabalhar e já querem sua saída? E a experiência do Juvenal, não conta? Acho que ele merece até mais um mandato.
    abs.
    João Carlos, Palmeirense

  5. É, está difícil engolir esse time, sem alma, sem garra, e sem técnico, salvam-se poucos jogadores e as promessas vão ser queimadas com o tempo, culpa de uma diretoria incompetente, de um presidente ditador velho e gagá, que se acha dono do clube. Agora, ficou bem claro que contrataria um técnico tipo aceita tudo pelo emprego, mas sem a mínima competência como já provou em outros times. Cadê o tal do Coates, que enrolaram o tempo todo e nada, fora as outras outras contratações desastradas. E aí eu pergunto, cadê a oposição do clube que não toma nenhuma atitude para extirpar esse velho gagá incompetente e seus diretores do comando do clube. Até quando passaremos vexames como os que temos vistos ultimamente sem que possamos vislumbrar alguma esperança!!!!!!! Vamos acordar minha gente enquanto é tempo, pois o futuro do clube pode ser muito tenebroso se continuar nesse caminho.

  6. Caro Ricardo, você esqueceu de mencionar que após passar pelo Cruzeiro e Santo, o Adilson Batista passou pelo Atlético Paranaense sem ganhar sequer um jogo. Falo isso porque moro em Curitiba e sou atleticano.

  7. Bom dia RK e demais comentaristas.
    Realmente, desde aquela maracutaia da demissão do Muricy, o SPFC ficou órfão de pai e mãe. Tenha dó Juvenal, caia fora para a felicidade de todos os sampaulinos. Gravatinhas não entendem nada de bola mesmo e querem mandar no time. Está aí o resultado, só derrotas!

  8. João Carlos, voce tem razão…Nem começou a trabalhar e já está perdendo, aliás, isso está acontecendo há muito tempo. Está perdendo até o próximo jogo e não importa se é em casa ou fora, a derrota é certa! Fora gravatinhas!

  9. Grande Kotscho!
    Novamente, quando o assunto é o apaixonante futebol, você deixa de ser o ponderado e sereno jornalista e cai no mundo que eu chamo de “irracional” (do qual faço parte também, admito – http://andremprossi.wordpress.com/2009/06/23/o-irracional/).

    Bom, sobre o JJ concordo, assim como nunca concordei com a lacônica tese do 3º mandato de Lula. E olha que era o Lula! Mas o Adilson? Calma, acabou de chegar. Lembre-se do que falavam do Telê em 1990.

    Abraços e viva o Tricolaço!

    André Rossi

  10. Não gosto de me comportar como torcedor de boteco, daqueles que quando seu time vence é o maior e quando perde é o pior, mas, de fato Kotscho você tem toda razão… Juvenal está depauperando um patrimônio de eficiência esportiva e administrativa com uma velocidade espantosa. Contrata mal (jogadores e técnicos) e não consegue definir um padrão comportamental talvez porque, justamente, queira fazer um São Paulo à sua imagem e semelhança. Fora, Juvenal…

  11. Ricardo,

    O SPFC não é mais um clube de administração eficiente, como na década de 90 e começo da de 00. Se igualou aos outros. JJ é a prova disso. Mas ainda é muito pouco tempo para o Adilson.

  12. Ricardo, não sei se entendi bem.
    Desde que demitiu Muricy Ramalho, depois da conquista do tricampeonato brasileiro, Juvenal Juvêncio não acertou mais nenhuma contratação,
    Depois de Muricy vocês mandaram embora o hoje técnico do Vasco da Gama, pode não ser bom para os sãopaulinos, mas para nós vascaínos, é bom.
    Com a vitória do Vasco domingo, você foi relembrar o gol do Sorato, mas é da vida.
    Saudações crusmaltinas e lhe garanto que o São Paulo tem ótimos jogadores e vai longe neste campeonato.

  13. Desculpe, mas seu comentário em relação ao técnico Adilson Batista destoa absolutamente de sua formação cristã. Parece coisa de fanático de torcida organizada. Estou surpreso

  14. Infelizmente o o bom presidente do Sãio Paulo que sabia contratar e o São Paulo ganhava todas não está mais entre nós. Este tal de Juvenal já está demorando muito para cair fora. O Marco Aurélio, vamos botar a boca no trombone????????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *