Exclusivo: Graziano acredita que fome no mundo pode acabar

Exclusivo: Graziano acredita que fome no mundo pode acabar

Entrevista com José Graziano da Silva - Foto: Manoel Marques/Revista Brasileiros

Hoje, faz um mês que ele foi eleito em Roma e ainda não havíamos conversado. Ao contrário do que acontece nas vitórias esportivas, a imprensa foi bastante discreta ao noticiar a sua vitória e eu estava curioso em conhecer seus planos, agora que o amigo se tornou o cidadão brasileiro a ocupar o cargo mais importante fora do país.

Com o mesmo otimismo e a determinação que o levaram a conquistar para o Brasil a primeira vitória importante em organismos internacionais nos últimos anos, o ex-ministro do Fome Zero José Graziano da Silva, novo diretor-geral da FAO (Organização para Alimentação e Agricultura), que assume este cargo na ONU em janeiro, conversou comigo por mais de duas horas na tarde de segunda-feira. Ao final da entrevista garantiu-me que é possível, sim, acabar com a fome no mundo.

Perguntei-lhe a certa altura:

– O senhor acredita mesmo que seja possível acabar com a fome no Brasil e no mundo? Ou a tendência é aumentar o número de miseráveis em decorrência das crises econômicas e das guerras?

A resposta veio na lata:

– É possível. Pela primeira vez na história da humanidade, temos as condições para acabar com a fome no mundo. Temos recursos tecnológicos que nos permitirão dobrar a produção de alimentos em poucos anos sem prejudicar o meio ambiente. Mais do que aumentar a produção, o nosso grande desafio será melhorar a distribuição e o uso destes alimentos. Precisamos enfrentar ao mesmo tempo o problema da fome e o da obesidade.

Os números atuais: para uma população de 7 bilhões de pessoas, em que um bilhão ainda passa fome, o mundo produz anualmente 2,5 bilhões de toneladas de cereais, tendo no momento 500 milhões de toneladas em estoque.

Depois que sua candidatura foi lançada pelo ex-presidente Lula em novembro do ano passado, o agrônomo José Graziano da Silva, 61 anos, visitou mais de 30 países pregando a descentralização da FAO, que concentra três quartos do seu orçamento (1,5 bilhão de dólares para o biênio 2012/13) em Roma, onde trabalham 80% dos seus funcionários.

Com o apoio da presidente Dilma Rousseff e do Itamaraty, Graziano concentrou sua campanha na internet, com a prestimosa ajuda da jornalista argentina Paola Ligasacchi, sua atual mulher, com quem vive desde 2006 em Santiago, no Chile, onde era diretor regional da FAO.

A primeira providência de Graziano depois de eleito foi abrir mão da residência oficial na Via Apia, uma das mais chiques e caras de Roma, e pedir para morar num apartamento funcional  perto da sede da FAO para pegar menos trânsito. Combina mais com o cargo.

A íntegra da entrevista com José Graziano da Silva será publicada na edição de agosto da revista Brasileiros. Participaram também da nossa conversa no café da Fnac, em Pinheiros, o diretor de redação Hélio Campos Mello e o fotógrafo Manoel Marques.

Em tempo:

Na mesma varanda em que conversamos com Graziano, Bruna Lombardi concedeu uma entrevista ao Estadão, o que deixou a mulher que se apresentou como “dona” do café bastante irritada com o trabalho dos fotógrafos.

Falando alto, ela não quis nem saber quem eram seus ilustres clientes e a todo momento vinha incomodar quem estava trabalhando na varanda, onde não havia nenhum outro freguês.  Conviria que a direção da Fnac acalmasse a distinta senhora.

18 thoughts on “Exclusivo: Graziano acredita que fome no mundo pode acabar

  1. Também concordo. A fome no mundo pode acabar.
    Um dos exemplos poderíamos ter, se nos ”socorros” aos países mais pobres, não fossem enviado apenas ”tropas”, mas sim, máquinas agrícolas, pessoal capacitado para ensinar a preparar a terra, plantar e criar, em número suficiente para iniciarem a caminhada com as proprias pernas.

  2. Engraçado que ainda não li nenhum comentário aqui neste Balaio sobre o massacre norueguês ocorrido no final de semana passado. O pessoal que defende os pontos de vista da extrema direita, como LC Velho e Oromar, não vai se manifestar? O Monstro de Olhos Azuis, através do relatório que deixou, pensa exatamente como eles…
    Com relação ao Graziano, realmente uma feliz escolha da ONU; são postos que devem ser preenchidos por pessoas que nutram um mínimo de boa vontade em relação ao outro e que priorizem ações humanistas. Parabéns, Graziano, parabéns Brasil pelo belo exemplo que dá ao mundo com o Programa Fome Zero.

  3. ”Temos recursos tecnológicos que nos permitirão dobrar a produção de alimentos em poucos anos”
    Concordo plenamente com o Graziano. Claro, claro. Com recursos tecnológicos e com respeito ao direito de propriedade dos produtores (como se faz atualmente no governo PT) é possível sim, acabar com a fome.
    É bom lembrar que, felizmente, as doiduras radicais no campo foram devidamente afastadas pelo governo Dilma, o que proporcionou recordes sobre recordes na produção agrícola.
    Raul Castro, o ditador Cubano, está devolvendo aos produtores rurais, não só as terras, mas o direito de venderem suas produções nos mercados livres.

  4. Ricardo,

    Graziano, alem de ser um grande agronomo é uma pessoa imbuida de grandes e boas intençoes para “resover” a fome no mundo.
    Terá uma grande luta pela frente. Lutara contra interesses pessoais de ditadores africanos. Lutará contra interesses de politicos que adoram uma verbinha extra para abastecerem seus mercedes e manterem verdejantes seus jardins babilonicos.
    Se o mundo possui 500mil toneladas de grãos em estoque, por que no mundo ainda existem as Biafras?
    Muito simples, o exemplo está na senhora “dona” do café que esbravejou demonstrando falta de sencibilidade, cultura e principalmente educação.
    A miséria é bom para alguns intelectuais demagogos. A miseria é bom para alguns politicos cabotinos. A fome é boa para fotografos aventureiros clicarem crianças esqueléticas ao colo de mulheres esqueléticas para ganharem premios internacionais. Mas, muitos destes fotografos usam suas fotos como denuncia, como um grito de alerta para mostrar ao mundo que a fome, realmente existe.
    A desgraça vende jornal e revista. A fome, gera verba para os governos que saciam seus bolsos e “que se dane os famintos”.
    Graziano tem minha torcida. Tem min has orações para que realmente seja um guerriro, um general a frente de um principio basico, honestidade e boa vontade para resolver o problema.
    Que consiga de manter no cargo.

  5. Bem lembrado, Pardalzinho!!!

    No boteco do Balaio, fiz uma menção sobre o caso, colocando exatamente o que mencionou.
    “…Não só os barbudinhos” como chama o velho, detonam bombas e praticam atos terroristas. Realmente, cade o Oromar e o Velho comentando sobre o fato?
    Pois é, é a direita desvairada surgindo no mundo. Desespero de causa? Logo onde! Na Noruega, um pais pacifico, frio e que adoram os Brasileiros.

  6. A fome no mundo pode acabar. Sim, claro que pode, mas não irá acabar em poucos anos, infelizmente. Primeiro, é preciso pacificar as nações em conflito, porque as guerras impedem as ações de combate à fome. Melhorando a produtividade das áreas agrícolas pelo mundo afora estaremos aumentando a oferta de alimentos, o que irá fazer seus preços caírem. Com preços caindo haverá recuo no crescimento da produção, atrasando a meta de produção de alimentos para todos. Somente com ações de intervenção no “Deus Mercado”, modificando artificialmente a relação de oferta x procura, irá sobrar alimento para os famintos. Acredito no Graziano, quando afirma que temos as condições para isso. Apenas fico pessimista quando me lembro das guerras. Vejam o que um retardado é capaz de fazer numa das nações mais democráticas e de melhor qualidade de vida do mundo: O maluco metido a milico da Noruega.

  7. Brasil de Abreu
    Que que é isso gerreiro?
    Parece que nunca pesquisaste sobre uma missão de paz da ONU,procura conversar com algum outro combatente que já esteve nestas paradas…e bom aprendizado.

  8. Eu gostaria Muitíssimo Mesmo Que a Fome acabasse fosse exterminada Kotscho
    No YouTube tem um vídeo meu de meses atras de título- POR UM MUNDO SEM FOME E DOR
    no meu canal dariojornalismoluxo
    Se vc disponibilizasse 5 minutos da sua Vida para assistir o meu video eu seria a pessoa mais realizada e feliz do Planeta. Nem precisa me dizer se assistiu.
    Um abração

    POR UM MUNDO SEM FOME E DOR. SEMPRE! É ISSO AI GRAZIANO.

    Dario Cesar 26 anos
    Penha
    Santa Catarina

  9. Ricardo,

    Aproveitando o gancho da materia sobre a erradicação da fome no mundo, gostaria de colocar aqui que não apenas a fome deve ser banida do pais mas também a violência gratuita principalmente nos esportes coletivos.
    Boquiaberto fiquei em ver um atleta, que pelo seu juramento deveria ser adepto ao FAIR PLAY que é na verdade uma monção ao bom jogo, a lealdade ao espirito esportista que tranforma uma competição em uma arte e não em um confronto entre duas equipes.
    Lamentavelmente o goleiro do Sport, Gustavo, mostrou a todos nós, amantes do bom futebol, o seu verdadeiro caracter de marginal, covarde, violento e totalmente um idiota ao atingir covardemente o atleta Elivelton do Vasco da Gama pelas costas, ato que somente os mais sordidos e covardes seres humanos teriam coragem de agir desta forma.
    Parabenizo a diretoria do SPORT por tomar tão eficaz decisão de expulsar o meliante do quadro de atletas do clube. Da mesma forma espero que a CBF tome tal providencia, aniquilando a carreira deste pustula, erradicando sua pessoa do esporte nacional.

  10. …enquanto sobressair o “capitalismo de direita”. Capitalismo de direita ??? Sim, “capitalismo de direita”, pois há o “capitalismo de esquerda”, podemos falar sobre isto em outra ocasião…Pois é…enquanto sobressair este sistema, em que a embalagem é mais importante que o produto, em que produzir armas é mais importante que produzir tratores, em que a moeda virou produto, duvidê-ó-dó.
    Mas…tudo é possível quando uma pessoa como o Grazianno chega ao posto que chegou. Sintoma que o “capitalismo de direita” esta agonizante, nem eles mesmo se suportam mais, estão como loucos perdidos num hospício.

  11. …para aumentar, quase dobrar, a “produção” de alimentos, basta convencer as pessoas, dos paises desenvolvidos, a comerem metade do que comem, só isto,…né não ???

  12. Uma correção. O estoque mundial de cereais é de 500 milhões de toneladas.
    E nessa do mundo dobrar a produção de alimentos, o Brasil não fica só nisso. O país irá mais do que triplicar a produção; e isso somente nas áreas já desmatadas e que lamentavelmente se encontram degradadas.

  13. Enquanto os países “desenvolvidos” não permitirem que os países “subs”, caso do Brasil, ampliem sua capacidade produtiva a fome não terá fim. É conhecido que os EUA, por exemplo, financiam mobilizações aqui, através de Greenpeace, WWF, etc – vide votação do código florestal -, e o pano de fundo é não deixar a produção de alimentos. Assim eles continuam com o domínio, sendo que o maior potencial é nosso. Logo os EUA que não assinaram o protocolo de Kyoto, desmatam mais, e depois ainda “compram” nossos créditos. Mas o discurso verde, inclusive encampado pelo governo, é cego. Não enxerga um palmo à frente. Dai não adianta o Graziano fazer discurso demagógico, até porque sabe a realidade.

  14. O novo diretor-geral da FAO ,falou/falou e …esperemos a publicação da entrevista,se não disser como fazer,continua tudo na mesma,o que fazer já estão(o entrevistado e entrevistador) carecas de saber.Seria interessante também encontrar nessa entrevista soluções p/ a logística necessária p/ distribuição do que é produzido,afinal desperdício de alimentos é outra velha conhecida dos brasileiros.

  15. É um sonhador,mas enfim sonhar não faz mal a ninguem o “duro é fazer os nossos sonhos virarem realidade”.
    “ELE e a MARINA deviam dar-se as mãos e sonharem juntos….
    Concordo com o comentário do “OROMAR”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *