Carne para o MST em evento oficial

Carne para o MST em evento oficial

Criado há 15 anos pelo MST para lembrar os 19 sem-terra mortos na chacina policial de Eldorado dos Carajás, no Pará, o protesto do “Abril Vermelho”, que promove a ocupação de fazendas e prédios públicos por todo o país, transformou-se num evento oficial na Bahia.

Pelo terceiro ano consecutivo, as despesas do “acampamento” de 3 mil sem-terra na Secretaria da Agricultura e Reforma Agrária, em Salvador, são bancadas pelo governo estadual.

Segundo relato do repórter Matheus Magenta, na Folha deste sábado, em 2009 o governo pagou mais de R$ 160 mil em aluguel de ônibus para levar um grupo de sem-terra de volta aos seus acampamentos no interior baiano.

No ano passado, o “acampamento” oficial também recebeu um tanque de água para refrescar os manifestantes, além de banheiros químicos.

Nesta edição de 2011 do protesto “Abril Vermelho”, a mordomia está mais caprichada: desde segunda-feira, os sem-terra estão recebendo do governo baiano 600 quilos de carne por dia, a um custo de R$ 6 mil, fora as verduras.

A infraestrutura fornecida pela Secretaria da Agricultura inclui 32 banheiros químicos, dois chuveiros e um imenso toldo branco, que ninguém é de ferro para aguentar aquele calor baiano.

Por isso, os manifestantes não estão com pressa. A pauta oficial do protesto é conseguir uma audiência com o governador Jaques Wagner e o Secretário da Agricultura, Eduardo Salles. Todos lá sabem que ambos acompanharam a presidente Dilma Rousseff na viagem à China e só deverão retomar o expediente na segunda-feira.

A reivindicações dos sem-terra são as de sempre: a melhoria dos que já existem e a criação de novos assentamentos.

Sou do tempo, lá no Rio Grande do Sul, no início dos anos 1980 do século passado, ainda na ditadura militar, quando fiz as primeiras reportagens sobre o movimento, em que a sigla MST surgiu no cenário para defender os deserdados do latifúndio e a legião de desempregados urbanos em busca de terra para a sobrevivência. Enfrentava a polícia e tinha forte apoio popular.

Nestas três décadas, o caráter e os objetivos do movimento mudaram completamente. Com o crescimento da economia nos últimos anos e o consequente esvaziamento da freguesia, abrigada em empregos no agronegócio e nas cidades, o MST transformou-se num movimento meramente político, ao mesmo tempo cada vez mais radicalizado e dependente de benesses oficiais.

O “acampamento” oficial patrocinado pelo governo em Salvador, com a imagem das bandas de carne secando placidamente ao sol num varal improvisado, é emblemático destes novos tempos do MST, um sinal do ocaso do movimento.

Que lembranças o caro leitor do Balaio guarda dos assentamentos e acampamentos do velho MST em sua cidade e qual a sua visão do movimento hoje?

54 thoughts on “Carne para o MST em evento oficial

  1. Os governos patrocinam as grandes “expos” do agronegócio e ninguém questiona, critica – faz parte da atuação do Estado promover eventos assim. Por que quando o auxílio é a uma manifestação legítima do MST, tanto bombardeio?

  2. ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………….Kotcsho..!
    …………………………………………………………………………………………………
    ………Você perde cada CHÃNCE de ficar de BOCA fechada.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………….Aproveita o “aniversário ” do blog e se
    …………………………………………aposenta.
    ………………………………………………………………………………………………..

    1. Caro Sr. fábio

      Enquanto existir gente como o Senhor infelizmente o Sr. Ricardo Kotscho tão cedo vai se aposentar, e veja, ele já deve estar bem cansado de ler comentários como os seus.

    2. ……..”Viana”……Tente escrever coisa com coisa, Ok..?
      ………………………Antes de dar “enviar”, releia a asneira
      ………………………prá ver se não está faltando nada.
      …………………………………………………………………………………………………
      …….” targino “……Tá curioso com o meu “pi pi “…?
      ………………………….se você quiser te mando uma fóto.
      ………………………………………………………………………………………………..

  3. Aqui no Vale do Aço, a terra é bastante valorizada, se bem que num passado recente esse pessoal do MST tentou invandir algumas terras, geralmente á beira de rio, sem lograr êxitos.

    Como que vejo esse movimento?

    – Ontem o meu filho, Lucas, de dezeseis anos me questionou o porquê do Brasil liderar o primeiro lugar na produção de carne do mundo e estamos comprando carne tão cara? e aí, como é que busca resposta para isso?

    – Sou a favor de uma Reforma agrária a nível nacional ampla e irrestrita. Mas o nosso maior problema é que são os políticos que deteem a maior quantidade de terra neste país.

    Então, a questão fundiária é um obstáculo remanescente que atravanca o progresso.

    Outro dia eu li uma reportagem que até empresários chineses estão comprando terra aqui no Brasil, a fim de obterem lucro com a produção de biodisel.

    Entra presidente, sai presidente, e nenhum tem peito pra encarar de frente o problema.

    Com a correção do solo, aumenta a produção agrícola, acaba os conflitos do campo, além de poder investir na infraestrutra das famílias que tiram o sustento diretamente da natureza. O PT do Lula e da Dilma já deveria estar pensando numa coalizão com todos os partidos políticos, e através de um plebiscito aprovar este Projeto que é um grande sonho da Nação.

    O Professor Plínio Sampaio Arruda deve ter melhores dicas do que eu.

  4. Carne patrocinado com recurso público para os sem terras, isso e deles mesmo e de nos todos, e de nos todos tambem

    Sem terra sem teto sem destino passando de geração para geração

    Aumentando contingente, e ainda vamos ter concorrentes os chineses e outros estão comprando muita terra

    Logo teremos chineses sem terra e outros, invadindo as fazendas dos chineses por aqui ali e lá

    Quando ideal seria ceder a terra, através de uma licença provisória ate os sem terras se firmarem na terra para produzir tudo que a terra da, e tudo que se pode criar

    Se deslanchar vira fazendeiro etc.

    Como a licença do micro empreendedor, se deslanchou vira empresário etc.
    Algo que esta coincidindo com a ficção onde dizia devia dar uma licença múltipla funções e atividades sendo provisória ate oficializar para todos que forem seguir em frente, o que adianta forçar a barra para todos precipitantes abrir uma empresa onde a maioria vira firma servindo de base para estelionatários, usarem o que foi largado

    Se não volta para sala de aula, enquanto nada sai deveria ter vários núcleos ensinando os sem terra como sobreviver na terra através dos cursos agrícolas profissionalizantes

    Algo de encontro com os Projetos idealizados pela ficção, como se fosse um passe integração virando bilhete único com solução coletiva para todos os sócios e donos do Brasil

    E nós todos desde um mendigo sem capital, ate o maior capitalista do mundo, ainda poucos se beneficiam desse patrimônio associativo altura que todos deviam, ainda poucos comem a parte da maioria sozinhos

    Fim das esmolas
    Fim das favelas
    Fim dos camelôs
    Fim dos moradores de rua
    Fim dos sem tetos
    Fim dos sem terra
    Fim dos menores de rua
    Fim de muitas outras coisas que iram sumir por si só na medida em que a população avança no conhecimento de todas as coisas

    E a solução, perguntem ao SR. Andre Puccinelli Governador reeleito do MS um gênio nessa arte de implantar solução

  5. Muito boa e oportuna a proposta para comentarmos àcerca do MST.
    Eu penso assim: Este movimento na forma radical, foi necessário graças àquela época em que havia muitas injustiças trabalhistas na área do plantio. Muitos trabalhadores rurais foram despedidos das fazendas para ocupar áreas nos centros urbanos inchando as cidades e aumentando o caos social com a criação de favelas.
    Eu até penso que a culpa da criaçao e ampliação destas favelas é toda dos patrões rurais, do latifundio e por último da automação do plantio e colheita.
    Os assentamentos hoje, se bem que podemos afirmar que são lentos, tem mudado a cara da situação desta gente trabalhadora. Mas o comportamento que vinham adotando deve ser mudado, uma vez que os assentamentos tem diminuido o número dos sem-terra e com isto esvaziando os protestos.
    Já que há muitos assentados, eles poderiam criar uma estrutura social participativa através de criação de cooperativas para acessorar os novos assentados.
    Como diz o ditado; “!Uma mão lava a outra e as duas lavam o rosto”. Eles por si só poderiam acabar com este movimento mudando a cara dele passando a ser agora um movimento mais responsável, mais aristocratico até, o que poderia mudar aquela roupagem antiga tão mau aceita pelo povo da cidade.
    Sabemos que é dificil organizar mas com um bom convencimento a coisa se arranjaria, inclusive poderia arregimentar a contribuição do governo, aliás este já participa mas acrescentaria mais crédito à iniciativa do governo.
    Quando eu fui visitar meu sobrinho sitiante lá no interior de Minas Gerais, no Triângulo Mineiro, ouvi comentários de que assentados vendiam seus sitios e voltavam para as cidades e viviam com o dinheiro obtido com a venda do assentamento e com isto se perdia todo o esforço das autoridades que davam os assentamentos.
    A finalidade, assim eu acho, era proporcionar um lugar onde quem entende de terra pudesse viver daquilo que sabem fazer, ou seja, o cultivo da terra.
    Vejam bem, se cada sitio cedido para o assentamento desse a produção de grãos que talves o governo calculou, a inflação dos preços de alimentos que situo como a mais cruel sobre a vida das pessoas das grandes cidades, poderia ser bem menor e o fator desta inflação cairia vertiginosamente e até talves o governo não precisaria aumentar os juros para combatê-la.
    O governo tem combatido a inflação com aumento de juros a inclusive eu ouvi pelo rádio que a intenção é conter a demanda, o alto consumo. Nunca me soou bem esta afirmação porque se os preços continuarem estáveis não há como alimentar a inflação. Os especialistas dizem que ela ( a inflação, é claro) é importada e que a oferta está escassa graças aos aumentos dos preços da comodities no exterior, ocasião em que os produtores só pensam em exportar por causa dos lucros, deixando o mercado interno em falta.
    Pela lei de mercado, (oferta e procura), quando há falta, os preços tendem a aumentar, ocasião em que além da falta, há as entre-safras que ajudam a aumentar os preços.
    O governo, pelo meu modo de pensar, tem é que incentivar a produção para aumentar a oferta e deste modo combater a inflação e os assentamentos poderiam ser o fiel da balança da oferta de alimentos.

  6. No brasil existem muitas fazendas grandes e pouco produtivas do ponto de vista social e empregos agricolas, mais se parece com os pequenos imperios da epoca medieval, chamado de cantões. Porém isso tem que ser resolvido por uma reforma das leis agrarias dentro da lei, e não o governo patrocinar esses movimentos que despeitam a de democracia e o direito de propriedade.

    1. O governo já tem agido nos latifundios improdutivos taxando-os com impostos altos pela falta de produção e mau uso da terra. Há os oportunistas que agem do seguinte modo: Se não produzem grãos e ou alimentos, usam a área criando gado só para fugir da responsabilidade de esquentar a cabeça com o plantio e produção de grãos que é mais arriscado.
      Se o governo age assim, não me parece que está ultrajando o direito de propriedade mas o de atender ao apelo social de produzir alimentos que evita as importações de grãos.
      O país que produz não precisa importar e com isto trabalha na direção da queda da inflação e da normalização da competição de oferta interna ficando somente para os produtores locais, o atendimento da demanda local.
      Falam muito da competição externa dentro do país mas a culpa desta competição, me parece que é do proprio produtor interno que faz dos seus preços uma forma de ganhar dinheiro além do que já ganham, daí a vantagem dos produtos importados até por terem preços menores.
      Pratiquem preços justos e então verão que os importados não terão vez aqui e nem será preciso importar.

  7. Pois então meu caro Kotscho.
    Não foi só carne não. Foi tudo. O governo da Bahia . Foi tudo e mais alguma coisa. A assembléia convidou o pessoal acampado que, com suas ‘’ferramentas’’ e os homenageou solenemente. Lá eles mandam também!
    Dinheiro para manter os EMESSETISTAS alojados e alimnetados tem, mas para abrir mais vagas nos Hospitais superlotados não.
    Mas, faz parte. O governo PT, ao se despetizar completamente na economia e na administração do país teve que fazer concessões aos grupos mais radicais, ou alojá-los numa sinecura estatal ou manter grupos e hordas ‘’revolucionárias’’ com dinheiro público.
    No caso da Bahia, a promotora Eliete Rodrigues, do Grupo de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa, disse que o caso chama atenção:
    Para a promotora, não consta como obrigação do Estado pagar as despesas de uma entidade como o MST. Matos( coordenador estadual do MST, Márcio Matos) disse que os três mil sem-terra vão continuar acampados enquanto não entrarem em acordo com o governador Jaques Wagner.
    Agora, que acordo ninguém sabe, pois se o governador concordar com as reivindicações, o Estado todo passaria às mãos dos revolucionários do MST, discípulos amados do Marxismo Maoísta.
    Poderia ser pior.
    Cruz credo, desconjuro!

    1. Luiz, anote aí em sua cadernetinha o que disse um gênio :

      Não existe “sem Terra”. Existe “sem emprego”.

      Só os parvos, Luiz, criticam os “sem terra”.

      Os desfavorecidos deste país só imploravam um pedaço de terra porque nos governos Sarney, Collor, e FHC era mais difícil conseguir emprego que fusão nuclear a frio.

      Tenha um ótimo domingo.

  8. Percebo que nesse país tem mais gente conhecedor de outros países que do seu proprio!Aproveitem uma viagem de ferias e optem pelo transporte terrestre. Aí , deixo o motivo: observem bem, vejam se conseguem enxergar uma fazenda , um sítio ou mesmo um latifundio como intelectual adora expressar IMPRODUTIVO! Abram bem os olhos e vão anotando: quantos latifundios improdutivos avistei na minha viagem! Terão uma surpresa! Não é mesmo Kotscho?

  9. Sempre fui um admirador de Ricardo Kotscho. Nunca na minha vida imaginei que o senhor seria capaz de escrever tanta sandice. Estou estarrecido.

  10. …volta a foto…volta a foto…tô avisando…volta a foto, aquela fotinha antiga que ilustrava o Balaio tá fazendo falta…esta, com jeito de ator de roliudi, tá virando a tua cabeça…até a burrinha tá meio desconfiada…cuidado com as más influências… cuidado com a TEP ( tradicional elite paulista )…e do PIG…tá citando muito a Folha…vaza meu fi, sai fora deste povo…

    …( falando sòzinho )…que qui tá acontecendo, meu deus ?…eu sabia que a DILMA não devia dar moleza pro PIG…foi só ir fritar um ovinho na cozinha da Ana Maria… uns beijinhos na Hebe…qui todo mundo já esta contaminado…

  11. Ao WAASANTISTA. O sr deveria saber pesquisar e entender mais sobre o que fala, 90% ou mais das “EXPOS” sao patrocinadas pelos sindicatos rurais, sociedade rurais, e com apoio das prefeituras da cidade, e outros orgãos leia-se ABCZ, ABCCMM, ABCGH, dentre tantas outras. Agora Pro governo abaixar a taxa de juros ou fazer a reforma tributaria ninguem fala nada.
    Agora pra defender uma “Quadrilha” que foi o q o MST se tornou, todo muindo defende. 70% do movimento nao sabe nada de cultivo de terras ou criação de qualquer especie, se aproveitando do alto financiamento do governo LULA para o movimento. No nosso país tudo é invertido. Quem trabalha honestamente sempre é sempre criticado, quem nao faz merda nenhuma sempre endeusado. É a inversão total dos valores.

  12. Depois de dar amplo espaço para (Guilherme) Afif Domingos, Kotscho agora ataca o MST… Realmente, é um absurdo pobre comer carne. Parabéns, Kotscho. A Folha o aguarda de braços abertos.

  13. O MST é o primo pobre do PT…
    Alguém em algum lugar do mundo já viu um movimento que subverte a lei receber dinheiro e estrutura de quem teoricamente está lá para cumprir a lei???…
    ISSO MESMO SENHORES!
    RUIM E CHEIA DE DEFEITOS, APESAR DE TUDO A DEMOCRACIA FOI O REGIME ESCOLHIDO PELOS BRASILEIROS.
    ONDE EXISTEM DIREITOS E DEVERES.
    O MST HOJE É UM BANDO DE ESPERTOS DE MÃOS DADAS COM GOVERNANTES DE INTERESSES IDEM!!!!!

    O SR SABE BEM O QUE É O MST…NÃO PRECISA QUEM ALGUÉM VENHA AQUI CONTAR…

  14. Ponto para o Kotscho.
    Está na hora do brasileiro investigar o que se esconde atrás do véu da distribuição de terras improdutivas. O MST tem hoje mais apoio e recurso que muitas instituições de defesa pública. Muitos de seus integrantes empunham armas de fogo e discursam cartilhas de guerrilha oriundas do marxismo-leninismo para fazer face às forças legais.
    Enquanto isso as Forças Armadas já estão começando a pensar em liberar a tropa por faltar recursos para alimentação. Seria o MST uma tropa do Governo para sua defesa?????? Não vi ninguém deste blog sugerir que o governo da Bahia alimente com a mesma solidariedade a população que vive miseravelmente nas ruas de Salvador. Não seria também muito justo????

  15. Nenhum que esta lá quer terra nenhuma, ja foi feito milhares de assentamentos no nosso País, todos venderam seus lotes e voltaram aos acampamentos, no inicio dos anos 80 o mst foi criado até com boas intenções, hoje é só picaretagem com petistas no meio, ja viram Petistas trabalharem.

    1. Não, Tião, petistas trabalhando, não.

      Só vimos o Arruda, a Yeda Crusius, o Roriz pai, a Roriz filha, o Maluf, o Pitta, o Kassab, o Alckmin, etc…

      O que o Alckmin trabalhou pra implantar pedágios e abafar CPI’s não está escrito.

      Né não, Tião ?

  16. Eu sempre questionei esse nome “sem-terra”
    No inicio do movimento eles eram chamados de “sem-terras”.
    A mídia achou que terras era muito para pobre e mudou o nome para sem-terra, no singular.
    Discuti isso ate em salas de aulas, uns professores eram a favor outros eram contra.
    Terra, no singular, é terra que você pega com a mão.
    Terras são uma extensão de terra, eles querem terras e não terra.
    Houve ate uma novela na Globo que enforcou um sem-terra, (Osmar Prado).
    O cara passou a novela inteira pedindo um pedacinho de terra.
    Para não abrir precedente a Globo enforcou o “sem-terras”.
    Eu vivi numa zona de latifúndio, onde o latifundiário não vendia não arrendava as suas terras
    Era um sistema medieval, onde se trabalhava somente para sobreviver.
    O tempo passa, o latifundiário morre.
    A terra é tão importante quanto a água.
    Tem que servir a todos, gerando empregos, moradias e alimentos.

    1. ……Você tá mais prá,….” sem Juquirí “.
      ……Enquanto não róla uma vaga prá você lá,
      ……eu te arrãnjo uns “LÉQUIÇOTÃNS” genéricos, ok?
      ……Se você quiser um chapéu de napoleão, também,
      ……eu te faço um
      …… de cartolina.

  17. vao trabalhar seus desocupados.

    querem comer carne, vao produzir e comer da producao de suas terras ,, inuteis.

    inutesi,desocupados,preguicosos, sangue sugas,

  18. Parabens governador jaques vagner, tratar bem ao povo pobre e sem posses é no minimo de uma grandeza sem par. outros preferem zelar pelos grandes ricos do agro negocio e abrir os cofres publicos para esses senhores.

  19. Seria conveniente a criação de um grupo apartidário (se isso for possível) para se estudar tudo que foi feito até hoje a favor do MST. Sabe-se que terras de assentamentos hoje já não pertencem aos seus primeiros assentados, terras teriam sido vendidas. Assentados mudam de assentamento por não terem vínculo com a terra, mas como fonte de receita através venda do patrimônio. Que apoio, além da terra, o governo proporcionou aos assentados. Agora é um absurdo o governo baiano, só por questão política, enganar os MSTs com esses “acampamentos” com água, comida, banheiro etc. No mais que fiquem servindo de mote político.

  20. Pois é Kotscho.
    Foi dito que, ”não existe sem terra, mas sem emprego”. Ma-ra-vi-lha ma-ra-vi-lh0-sa.
    Você entendeu?
    Nem eu. Ninguém poderá entender tal, tal, digamos assim, como direi; dissertação sociológica aloprada.
    No Brasil, se somarmos todos os desempregados, incluindo àqueles que vivem nos bicos e são classificados como de ”economia informa”, teríamos algo como 50 milhões de desempregados.
    Um exército igual ao Chinês.
    Haja carne e alojamento…

    1. Luiz, a frase é de Darcy Ribeiro.

      Todos entenderam.

      Voce não ? Vou explicar:

      O cidadão só precisa de um pedaço de terra porque não tem um emprego que lhe permita sustentar a família.

      Ou seja : Não existe “sem terra”. Existe “sem emprego”.

      Tenha um ótimo domingo.

  21. Invasão, danos, depredação, vandalismo do bem alheio. Sou do tempo de que para conseguir algum bem tinha-se que trabalhar e trabalhar duro. Hoje qualquer zé mané que se diz excluido pode invadir uma propriedade alheia que ele julga improdutiva destruindo maquinários, plantações roubando bens de dentro das moradias, matando o gado alheio para fazer churrasco e levando o restante da carne depois que tem que abandonar o fazenda vandalizada. É uma pena que nosso governo tire dinheiro que deveria ir para a saúde, para a educação, para a melhoria e construção de mais moradias nas cidades. É uma vergonha ver estes ditos sem terra que depois de ganhar a terra, venderem para novamente engrossar as fileiras do movimento com dinheiro no bolso, andarem armados de foice, facão., quando um cidadão qualquer é pego pela polícia com um canivete no bolso apanha e é preso. Duvido muito que este comentário seja publicado mas vou continuar meu protesto em favor de quem herdou, ganhou ou trabalhou para ter um imóvel em área rural. É uma VERGONHA um govêrno que compactua com vândalos surrupiadores dos bens alheios.

    1. Luiz Carlos Velho:

      Segundo Sergio Mota, ministro das comunicações de FHC, quem praticava masturbação sociológica era o ex-presidente tucano.

      Lembrou ?

      Voce se confundiu todo.

      É o feitiço virando contra o feiticeiro.

      Tenha um ótimo domingo.

      Em tempo:

      Como se vê, os “aloprados” tucanos vêm batendo cabeça não é de hoje.

  22. Cabe ao poder executivo cumprir a constituicão, cumprir as leis, e, apoiar esse movimento que de outras vezes invadiu fazendas e destruiu plantações de laranjas e equipamentos, fez assaltos e roubos de bens dessas fazendas, está esse governo desrespeitando a lei e colocando em perigo a nossa liberdade. Fazer apologia oficial a baderneiros, anarquistas é caso de paredon!

    1. MST é movimento social?. Acordem. MST é um movimento criminoso, anti-social, desocupados que querem viver no bem bom as custas do nosso sofrido dinheirinho, Social é obedecer as regras preestabelecidas e as leiis. Invadir propriedades públicas ou privadas é crime e deve ser punido cnforme manda as leis do país.
      João Leite

  23. Não entendo o Kotscho. Queria o nobre articulista que o governador da Bahia agisse como seus colegas de São Paulo e a Yeda Crusius mandando a polícia “baixar o cacete” nos sem terra? Afinal, que texto reacionário é esse? Acho que o Kotscho está em gozo de férias e pediu para o estagiário escrever em seu nome.

  24. Sem terra, sem vergonha e sem vontade de trabalhar, país de vagabundos e oportunistas, sem tera e politicos farinha do mesmo saco, se apropriam de bens alheios e ainda tem idiota que apóia.

  25. Vitor hugo, voce esqueceu do mensalão do PT, Yeda crussyus, fez bem, botou este bando de marginais a correr, hoje o RGS com fama de V.. e governado pelo Pt, esta a caminho de perder no PIB para o Ceará, Pernambuco e Bahia, até 2015, agora hoje lá o mst faz o que quer, fazendo com que os Gauchos vão produzir em outros estados.

  26. Caros
    Muito oportuna e interessante o debate. Gostaria do comnetário dos amigos sobre a utilização de dinheiro público na costruçaõ de estádios para a Copa. Me parece vergonhoso, além do emprestimo do BNDES, a desoneração de impostos(240.000.000), para ajuda da construção de um estádio privado.

  27. De fato o MST perdeu sua ideologia, mas também nunca contou coma simpatia da grande mídia, principalmente da Rede Globo, exceto quando uma novela da emissora carioca mostrou que a luta pela reforma agrária era valida. Já que vivemos em uma sociedade capitalista, não concordo com a divisão de terras particulares para o MST. Que o governo utilize as terras da união que estão improdutivas para assentar essas pessoas. Porém, torna-se necessário um cadastramento, uma regularização para recuperar a crise de credibilidade do movimento. Os presos que cometem crimes hediondos também são sustentados com o dinheiro público, as viagens de muitos políticos também são. O altíssimo sálário dos senadores e deputados também utilizam dinheiro da população brasileira. Então, dinheiro da população, com a população é o de menos, embora sejam necessários os questionamentos.

  28. Eu andei viajando pelos EUA. passei pelos estados do Ohio, West Virginia, Kentucky e percebi e me disseram que lá não há grandes propriedades rurais, lá não há grandes latifundios.
    Daí fiquei pensando, se nós copiamos quase tudo deles, porque então não podemos copiar o mesmo método de distribuição de áreas rurais?
    Não perguntei mas acredito que a reforma agrária lá deve ter tido a sua efetivação logo após a guerra de cesseção (norte x sul).
    Era fim de inverno, mal acabava a estação da neve e já vi a safra já colhida e a área sendo preparada para o novo plantio.
    Todos nós sabemos que os EUA é o celeiro de alimentos do planeta Terra e só com pequenas glebas e incentivo governamental se pode produzir tanto.
    Outra coisa, vendo a qualidade da terra, acho que eles até tiram leite de pedra porque a nossa terra, pela qualidade, dá de 10 a 0 na deles e eles produzem tanto….
    Sendo assim, pensei que nossos fazendeiros fazem é corpo mole e não gostam de pagar no guatambú e possuir terras é um motivo de grife, de estatus, só para dizer “eu tenho X hectares de terras” mas plantar que é mais importante, não fazem.

  29. Kotscho, o negócio é o seguinte:
    O MST, se transformou em movimento político, mas, não deixa de ser uma grande reserva estratégica para o futuro; se precisar.
    Se bem que, não dá para falar muito não, inclusive do MST, que nasceu em decorrência do descaso, da miséria, da desigualdade, enfim, do Brasil, como país injusto.
    O MST é um movimento justo.
    O problema é a pobreza; sempre manobrada.

  30. Ah! E o Aécio Neves?
    Caiu.
    Por causa da “caçacha”.
    Depois daquele discurso no Senado, será que não foi aquele caso em viram o cara bebendo, ligaram para a polícia, e “alguém” exigiu para não dar moleza?
    Não conheço da vida do Aécio, mas acho que a batata dele estava cozinhando.

  31. Quando o MST invadiu o centro de pesquisa da Monsanto e passou o trator na plantação foi uma mostra do que eles são capazes.

    Esse é um grupo criminoso que se aproveita da ingenuidade e necessidades do homem simples do campo para promover a luta de classes, como eles gostam de dizer.

  32. Putz, mais uma caneta para criminalizar os movimentos sociais. Fala Sério Kotscho, não generalize dessa maneira com um exemplo pinçado entre muitos. Sinceramente gostaria de ver suas linhas, assim como de muita gente refletir assim a visão de suas lupas sobre outros movimentos sociais de camadas menos influentes, ainda que a influência do MST pareça grande, eu que conheço algumas experiências deles tenho certeza que os integrantes do movimento são pessoas muito humildes que vem lutando conscientemente para mudar sua própria situação assim como de todo movimento, e isso é raro numa sociedade individualista. Então seria bom que suas linhas sempre ressalvassem um algo mais em relação ao MST.

  33. Caro xará,
    ta vendo o que dá abrir a porteira do xiqueiro? agora fique com o odor dos porcos e faça bom proveito. Acho que depois de um texto destes, vc merece a companhia do Gustavo Ioshpe. O Mainardi manda um abraçao pra vc e o Reinaldo Azevedo ja encomendou teu ovo de pascoa….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *