Casar na praia gera um bom negócio

Casar na praia gera um bom negócio

SÃO SEBASTIÃO _ Nem sei se dá sorte, mas casar na praia tem rendido bons negócios para os donos de pousadas e restaurantes em São Sebastião, no litoral norte, a 200 quilômetros de São Paulo. A onda começou por acaso, em 2005, no Toque Toque Pequeno, e logo se alastrou por outras praias.

Um peruano e uma brasileira, namorados que frequentavam o Barracuda, um bar-restaurante plantado na areia, diante de um marzão quase sempre azul, perguntaram ao dono se não poderiam fazer ali a sua festa de casamento. Renato Krunfli, 49 anos, o dono, mais conhecido por Cotô, nunca tinha pensado nisso, mas topou na hora.

Velho lobo de beira de praia, do tempo em que os hippies paulistanos acampavam na beira do mar, Cotô ia levando aos trancos e barrancos o bar que abriu em 1998, até descobrir o novo nicho de mercado, hoje sua principal fonte de renda. Ano a ano, foi crescendo o número de casamentos tendo o mar por testemunha. Foram 12, em 2010, e já tem 18 agendados para este ano.

Cada novo casal mobiliza cerca de 200 convidados e outras 100 pessoas que trabalham na organização do evento, entre decoradores, músicos, cabeleireiros, motoristas, cozinheiros, garçons, seguranças, etc. Como Toque Toque Pequeno fica a umas três horas de carro de São Paulo, este mundo de gente precisa dormir e se alimentar por perto, gerando uma nova fonte de renda para os comerciantes de São Sebastião, na safra casamenteira, que vai de abril a novembro, exatamente na baixa temporada.

Um dos beneficiados pelo movimento nupcial foi o casal José Roberto de Lara e Cristiane Lara de Oliveira, donos do restaurante Pimenta de Cheiro, um sucesso há duas temporadas. Nos dias em que tem casamento, Cotô fecha seu restaurante e a freguesia fica toda para eles, os únicos concorrentes naquela praia tranquila, sem prédios e sem muvuca.

Aberto no final de 2009, o Pimenta de Cheiro já conquistou a própria freguesia, no boca a boca, graças à sua muqueca de frutos do mar e à excelente caldeirada caiçara. Os dois pratos valem uma viagem. No começo, eram só os dois fazendo tudo, mas agora eles já têm 12 funcionários, para servir cerca de 80 refeições por dia, nos finais de semana, durante a temporada. Entre comes e bebes, um casal não gasta mais de 80 reais num almoço completo.

Casar sai mais caro: Cotô calcula entre 50 e 150 mil reais o custo do evento. Apesar da despesa, a moda se alastrou pelas praias vizinhas _ Maresias, Boiçucanga, Juqueí, Camburi. A região chega a celebrar até 10 casamentos num fim de semana. A beleza do cenário está atraindo agora pombinhos estrangeiros: para 2011, o Barracuda já tem marcadas as festas de dois casais espanhóis, um francês, um americano e um da África do Sul, que descobriram o paraiso pela internet. “O Barracuda virou referência”, orgulha-se meu velho amigo, sempre de celular na mão à beira do mar.

Para saber se dá sorte, só casando lá, quer dizer, aqui no Toque Toque Pequeno, para onde voltei nesta quinta-feira, depois de um longo e tenebroso inverno. Sempre é bom começar o ano nesta praia, que frequento faz mais de dez anos. Neste meio tempo, já vi e ouvi de tudo, cara quebrando e enricando de novo, casando e descasando, comprando e vendendo casa e barco, abrindo e fechando bar, bons amigos voltando e gente que não presta chegando. Assim é a vida, vida que segue.

26 thoughts on “Casar na praia gera um bom negócio

  1. Puta inveja Kotscho !
    Desisti de construir meu cantinho em Camburi por causa dos roubos.
    E aí em Toque Toque a situação está mais amena?
    Um abraço

  2. Oi Kotscho, Quero ver você falando é de política! Rumando o pau no PIG e dando animação para os !blogueiros sujos! Falando coisas do meio político que só você sabe… Entrar nos novos temas como regulamentação da mídia, coisa e tal! Depois que você fez aquela entrevista com o Lula, dentro do vôo para Ribeirão Preto, que ficou muito boa, agora tinha o direito de estar lá em Guarujá, nas instalações do Exército!… Praia é bom demais, e você começa a falar disso, aí a gente vai querer é ir pra praia também, e até fazer alguns compromissos por lá também! Mas, #ValeuLula #AgoraéDilma !… Um abraço, Sucesso!

  3. Praias são os destinos mais desejados, para tudo

    Exemplo o Rio de Janeiro planejado se tornara o destino numero de todos no mundo

    Ainda sem profissionalizar todas as praias do Brasil, já esta assim se já tivesse sido

    Se já tivesse sido implantado o projeto de braços abertos da ficção estaria melhor ainda

    Projeto de braços abertos, com dólar nos bolsos e lucro nos bancos
    Criar a maior universidade de guias turísticos poliglotas do mundo tipo exportação, (na época, assim quando a crise acabar estaremos em primeiro lugar dando exemplo ao mundo que ir em frente e a única solução certa para todos escolher o sim de educar)

    Assim com todas as profissões

    Profissionalizar todas as praias do Brasil, por no ar os projetos da ficção fim das favelas, das esmolas, fim dos camelos e a solução integrando tudo assim como bilhete integração que virou bilhete único que nasceu de uma das células da ficção em MS, de troco ainda tem o projeto da ressocialização humana e a nota eletrônica Brasil, mais a sobra

    Nem uma solução nasce do dia para noite, assim como os problemas não nasceram da noite para o dia

    Isso tudo teria praticamente zerado a misera da população do Brasil

  4. Caro Ricardo:
    Cotô é um neo-caiçara, termo cunhado pela jornalista e fotógrafa Nicia Guerriero, gente que vem um dia beber da água de São Sebastião, por aqui fica, e sobrevive gerando benefícios para a comunidade, mais ou menos assim, como a própria Nicia faz há mais de 20 anos radicada entre nós, em Boiçucanga.
    A gente fica cheio de orgulho e felicidade ao ler a sua reportagem sobre o nicho de Cotô e o que isso faz girar a roda da economia regional.
    Assim vamos indo aqui na beira da praia, contente do mar, loucos por São Sebastião e pelo Litoral Norte.
    Por favor, podendo, veja algumas fotos de Nicia enfocando o caiçara e essa vida tranqüila daqui. http://www.cedslitoralnorte.org.br/portal/p/albuns/1
    E que você e eu e outros privilegiados da “cidade grande” podemos usufruir.
    Inté, Ivan Quadros

  5. Hipocrisia cristã, exploração do evangelho: Quem nunca ouviu dizer dentro de uma igreja evangélica o expressivo chavão “ Daí pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” ( MT 22.21 ).
    Desta forma, conseguem distorcer o evangelho, e tiram do povo tudo o que podem tirar.
    Que hipocrisia, não irmãos. Tudo o que existe na bíblia fazendo ou dando a entender que você deve contribuir na obra é aplicado aos crentes.
    E a Igreja? E as suas obrigações com os membros e com o Estado.
    Está na hora de acabar com a isenção de tributos ao estado. É um monte de gente se dando bem sem pagar impostos, como imposto de renda, redução ou isenção de taxas e impostos na aquisição de bens móveis e imóveis. Basta comprar no nome da igreja ( Entidade filantrópica – muito rentável por sinal )
    O Que tem de pastores e outros andando de carrão importado e de avião é brincadeira. ( Benção de Deus – hipócritas)
    Acho que temos de instigar uma discussão na sociedade sobre esse tema.

  6. Casar na praia pode, mas divorciar só no Fórum ou no Cartório. E com assistência de advogado. Quem me dera poder divorciar meus clientes na praia de bermudão, óculos escuros e tomando uma breja…

    :o)

  7. Caro Kotscho

    Foi o meu “véi” Everaldo quem escreveu outro dia aqui que havia gastado um dinheirão para casar na Igreja dentro dos conformes na sua primeira vez e para atender a família. Durou 3 anos !!! Contou ele que no segundo casamento gastou só R$ 70,00 no cartório e já faz 18 anos que é muito feliz..
    Eu mesmo já estou no terceiro e portanto digo que adoro casamentos. O da Igreja ( o primeiro ) também durou pouco já nesse de agora dura duas décadas mesmo sem casar. “Maloquei” !!!

    Mas achei ótima essa idéia de casar “dend’áua” !!! Vou consultar a Dona Sonia e ver o que ela acha.
    O Alckimin que vem procurando um jeito de tentar ser popular deveria entrar nessa e lançar um programa de casamento em massa durante as suas enchentes !!! Já pensou ? Quem sabe a sua péssima imagem não seria amenizada pelo menos entre os apaixonados ?
    Há quem diga que casamento ( na água ou no seco ) é como Serviço de Meteorologia. Os especialistas que deveriam nos garantir segurança e boa orientação não acertam nunca qualquer previsão !!!

    1. Essa do casamento na enchente foi em cima da hora e só fazer uma lista, para casar dando uma carta de credito, num lugar seguro sem juro no financiamento, seria o pacto no “caminho espiritual”

      Pacto pela solução que provoque o fim da miséria, e o “caminho espiritual” para ser estudado

      Para mudar, precisamos da união de todos unidos pelas causas, reais no caminho virtual

      Para mudar precisamos criar um movimento positivo sincronizado, sem critica só elogio, que faça todos nos cair na real sabendo que todos nos somos os sócios de todo patrimônio publico

      Criar um sistema associativo (assim como o sistema e associativo que e nosso) que banque o custo do planejamento que produza solução em cima dos problemas

      Educação direito integral, Moradia direito de ter a moradia, Segurança que fica só do lado positivo, Saúde que cuida de todos, com medida de prevenção antes durante, e não depois de tudo passar do prazo, de começar acontecer

      Colocar no ar através de um site laboratório virtual, com os problemas e as idéias de solução, para ser aprovado para finalizar a solução, sem isso vai ficar reclamando ate morrer, deixando para os herdeiros a herança da reclamação

      Para isso não ficar de herança e preciso fazer alguma coisa alem de ficar criticando, em cima do que existe crie algo para existir, falta unir para produzir o resultado que deseja

      Há anos venho escrevendo uma ficção, onde já escrevi vários projetos idealizados pela própria ficção que esta entre-nos entre eles esta os Projetos fim das favelas, fim das esmolas, fim dos camelos, e o projeto da ressocialização humana, e a solução fora os demais O que falta e saldo nessa conta 77463-4 da agencia 0423 do banco Bradesco para começar a por no ar, e o banco já esta autorizado a publicar por todas as vias internet expondo o saldo, só falta os interessados que querem fazer a diferença, faça a sua diferença deposite e divulgue na internet os dez primeiros que depositarem

      Serão automaticamente os auditores desde que seja identificado para controlar o destino dos recursos está indo onde foi planejado, colocando tudo num diário na internet, faça sua parte com a soma de todas as partes reais e virtuais chegaremos no ponto desejado

      Pacto pela miséria, isso e mais que obrigação de todos nos, em especial dos que são eleitos pelo voto da população, ter esse sonho desejado realizado, para seguir o “caminho espiritual” precisamos fazer parte das partes reais alem das partes virtuais que já existiam antes da tecnologia, que vai produzir o sistema operacional humano

      Ate esse dia chegar exige muitos laboratórios de pesquisas das coisas reais e das coisas virtuais de todas as coisas entre-nos antes durante, depois de surgir à tecnologia

    2. Meu Bom Paulo Kasmirski ( é assim ou não é assim que se escreve ? )

      Juro que li, reli, e me esforcei na tentativa de entender onde voce quer chegar porém antes de qualquer conclusão precipitada de minha parte me responda sem me enrolar:

      – QUANDO É QUE TU TEM DE IR DEPOIS DE VOLTAR POR CAUSA DAS COISA ?

      ou então:

      – PAI DE QUEM MESMO TU É FILHO ?

  8. …meu deus do céu !!!…tem doido demais neste mundo…tem cara que acha que ser besta de graça não serve, tem que pagar pra sê-lo, só assim se sente bem.

    150 mil reais num casório ???…meu deus do céu !!!

    casei duas vezes…na primeira, para agradar família e amigos, gastei um dinheirinho, tudo nos conforme, como manda a santa madre. O ” até que a morte os separe” não durou três anos. No segundo gastei 64 reais com o cartório, e quinze num motelzinho fulêra onde passamos a noite nupcial…há dezoito anos estamos juntos…e indo no mesmo motelzinho.

    O Bispo…como representante do Cristo…será que é mesmo ???…deveria orientar os nubentes a não fazerem tamanha asneira.

    Se gastássemos, metade do que gastamos com este tipo de futilidades, aplicando em pesquisas científicas ligadas à medicina, já estaríamos livres da maioria dos males que nos acometem.

    1. …mas como estão gastando em Toque Toque Pequeno…vá lá. Pelo menos o p.rra do Cotô, tá faturando uma graninha.

      Espero que o toque toque dos noivos em suas esposas ( detesto esta palavra ), não as façam senti-lo tão pequeno.

    2. Vevé,

      Que saudade de você!!! Olha, vamos fazer uma sociedade aqui pelas minhas praisa? O peixe, tenho de graça. As bebidas, tenho a preço de custo com desconto pois são 30 anos vendendo refrigerante e cerveja. Mesa e cadieras agente faz de tábua de obras, como banco de igreja e vamos cobrar a metade do preço com direito a por do sol e o escambal!
      Topas?

  9. Meu caro Ricardo, veja como são as coisas, você como bom jornalista, por dentro dos meandros da política e quando justamente ela está fervendo, vem com textos fora do contexto do caldeirão fervente da vida pública. Digo-lhe que neste momento em que jornalistas como Merval Pereira e Mirian Leitão do Globo entre outros vem intrigando Lula com Dilma, no mínimo o Sr. como um defensor deveria construir textos contradizendo tais coisas. Merval insinua em sua coluna no Globo que Lula plantou Gilberto Carvalho dentro do governo para espionar Dilma. O que o Sr. tem a dizer sobre isso? Merval tem razão?

    1. Venancioo,

      Poxa, vivemos politica 300 dias de 2010, vamos dar chance a outras coisas para não ficarmos bitolados. O que acontece na politica não é novidade, e ainda são somente especulações.

  10. O meu reduto na infancia era Ubatuba.
    Meu pai gostava muito e pescar na praia.
    Essa musica me traz grandes recordações:

    Pescador (marcha/carnaval, 1953) – Haroldo Lobo e Milton de Oliveira

    Domingo é dia, de pescaria, oi
    Lá vou eu, de caniço e samburá
    Maré tá cheia
    Fico na areia
    Porque na areia dá mais peixe, que no mar.

    (bis)

    Todo bom pescador, ama o sol
    Todo bom pescador, pesca em pé
    Não precisa pescar de anzol
    É só com os olhos, feito, jacaré… é.

  11. Fui num destes casamentos em 2010 em toque toque pequeno …realmente foi tudo muito magico. Um encantamento ,lindo desde a cerimonia ate o finalda festa…divina.
    Acredito que casar é … praticar a cada dia a paciencia, a tolerancia,a amizade para reforçar o amor .
    Parabens Cotô…vc soube aproveitar as ideias e as oportunidades.
    Bjs
    Ana Paula

  12. Eu sou extremamente apaixonada por SÃO SEBASTIÃO. Cresci passando os finais de semana em Barequeçaba, pertinho de Toque Toque Pequeno. Depois que me mudei para Curitiba, as visitas ao meu lugar favorito tornaram-se raras.
    Estive ai semana passada.
    Não tenho vontade de casar na praia, ao contrário do meu namorado, mas se algum dia eu mudar de idéia, com certeza será em São Sebastião. Problema será levar toda a família que mora em Curitiba hahaha.

  13. Ricardo,

    Se casamento fosse bom, não precisaria de testemunha, ja falava o dito popular.
    Primeiro sou totalmente avesso a bar na areia da praia. Praia é areia para o povo poder se divertir, é ainda um laser democrático mas, comerciantes invadem as areias com suas mesas, com suas cozinhas, vendendo uma anchova frita em óleo de uma semana por uma fortuna. Uma cerveja custa 5,00 e por ai vai. Sem contar que os peixes ficam congelados por semanas devido a chuvas que espantam a freguesia.
    Casamento em praia só da Umbanda, que é lindo, uma celebração realmente bonita, um folclore puramente brasileiro, onde se ora o Pai Nosso e a Ave Maria no encerramento da gira sem ser herezia como muitos cristãos acham.
    Deva existir sim, bares, restaurantes fora da faixa da areia, como na Orla do Rio.Aí sim, apoio e gosto de sentar no entardecer e ver o por do sol por detrás da pedra da Gávea, bebendo uma agua de côco ou um refrigerante, mas comer, nem pensar, camarão então quero distancia dos servidos em restaurantes praianos.
    Agora, acho legal essa onda de festejar o casamento em um bar a beira mar ( não bar na beira do mar), mas deve ser um banquete para 500 talheres pois o custo que você falou é digno da falecida Lily Marinho nos aureos tempos da Colombo! ( confeitaria famosa no centro do Rio de janeiro).
    Mas, essa moda aqui não pega. O povo prefere as casas de festas, como o Le Bufet, no Catumbi, bairro fronteiro ao tunel Rebouças que leva a Zona Sul do Rio.
    Acho que as coisas se invertem. Os paulistanos por viverem com os olhos bloquiados para o horizonte optam por estes ambientes abertos, com o horizonte a vista de qualquer ponto mostrando o infinito e nós, cariocas e fluminenses, preferimos os ambientes fechados para nossas festas, claro, salvo os LUAUS, mais voltado para uma juventude surfista, mas quando se fala em comemorações, em celebrações, pelo que vejo, sitios, fazendas e casas de festa são a opção. Festa na areia só para os famosos farofeiros que levam suas maioneses, frangos e churrasqueira enfarofada debaixo de uma tenda que abriga os isopores cheio de cerveja e a pinguinha que não combina com praia pois enchem o pote, e bebado no mar é afogamento certo com agua na cintura.
    Por falar em praia, em restaurante, domingo aqui em casa vai ter a famosa muqeca de tainha da Da. Tania. Meu filho passou a rede na lagoa de Maricá e trouxe mais ou menos 10Kg do peixe. Logico, distribuimos alguns com os vizinhos e faremos a festa com uns 5Kg de tainha. Não tem camarão, não tem nenhum outro fruto do mar, nem dendê, gordura é da própria tainha, o pirão é do caldo e a pimenta é a MURUPI que sempre enviam para mim de Manaus.
    No mais, boa praia para você.

  14. Gostaria de, à exemplo de Lula, receber convite para passar férias no Forte dos Andradas, levando toda a minha familia junto, e deixando em casa dinheiro, talão de cheques, cartões de crédito e débito, por serem desnecessários. E, após, ir passar alguns dias no exterior, utilizando um passaporte especial.

  15. …a poesia não esta no poeta, mas em quem a aprecia.

    Vejam só…

    Alguns ao verem um casalzinho de velhos caminhando de mãos dadas, veem naquilo um gesto de amor, carinho, outros, acham que caminham daquele jeito, de mãos dadas para se apoiarem mutuamente, a fim de não cairem.

    Há poesia nas duas visões, uma romântica, outra realista…mas, em ambas há muita poesia.

    1. …é impossível haver amor entre um homem e uma mulher…

      Só pra lembrar…

      Branca e irradiante vai a noiva
      Logo a seguir o noivo amado (?)
      Vão unirem os corações
      Vão DESTRUIR ilusões

  16. Prezado Kotscho.
    Um ótimo 2011 para vc e os seus.
    Mas, sinceramente, estou cada vez mais gostando do governo Dilma. Agora, foi prá valer; te lembras do malfadado PNDH III do Vanucci? Pois é, já era, de vez, é lixo puro.
    E o tal projeto do Franklin Martins, dançou .
    Manchetes de hoje em todos os jornais: GOVERNO DILMA ENTERRA PROJETO DE REGULAÇÃO DA MÍDIA.
    Após encontro com a presidente, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que há outras prioridades para serem tocadas
    ”O governo enterrou o projeto de regulação da mídia elaborado pelo ex-ministro Franklin Martins. Após encontro com a presidente Dilma Rousseff no Planalto, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse disse que há outras prioridades para serem tocadas”

    Ora, ora, prezado Koscho, isso é ou não é uma boa notícia para começar o ano?

  17. Boa tarde Ricardo!
    Boa tarde amigos balaieiros!

    Confesso que antes preferiría casamentos em praias de nudismo. Dava pra economizar uma boa grana com aquelas vestimentas desnecessárias. A começar pela noiva hipocritamente de branco.
    Mas foi aí que lembrei de um detalhe que estragaría tudo!!!
    As sogras!!!!!!!!
    Ninguém merece!!!!

    Belo têxto!!!!

    Só pra te encher um pouco Ricardo!!!

    Nessa praia tem lula????

    Aquele “crustáceo” segundo o ex-presidente?

    Bom fim de semana á todos !!!!

    Robson de Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *