Ombudsman da Folha defende a autorregulação da imprensa

Ombudsman da Folha defende a autorregulação da imprensa

Corajoso, lúcido e sereno, meu velho colega Carlos Eduardo Lins da Silva, o ombudsman da Folha, tocou em várias feridas do veículo onde trabalha e apontou caminhos para a imprensa em geral durante a sabatina a que foi submetido no auditório do jornal nesta segunda-feira.
O ponto central da sua fala, a meu ver, foi quando defendeu com veemência a criação de mecanismos de autorregulação pelas próprias empresas de comunicação.
“Ou os jornais se autorregulam para melhorar ou eles vão ser regulados por alguém, e vai ser muito pior para todos”.
Faz muitos anos que defendo esta mesma tese em seminários e debates sobre os rumos da nossa imprensa. Este ano, com o enterro da Lei de Imprensa, que já foi tarde, e o fim da regulamentação da profissão de jornalista, ficou um vazio legal, deixando o setor sem qualquer marco regulatório ou regras do jogo que por todos possam e devam ser respeitadas.
A sociedade hoje não tem mais como se defender da sua imprensa, pois sequer o direito de resposta dos cidadãos é respeitado no tempo e no espaço necessários.
Lins da Silva foi direto ao ponto ao tocar na questão:
“Os jornais, a imprensa, os jornalistas são arrogantes, prepotentes, não gostam de ouvir críticas em nenhuma hipótese e não querem ser melhorados (…). Por que o ombudsman, que é uma forma modesta de autorregulação, não se dissemina no país e no mundo? Porque os jornais e a imprensa não gostam de ser regulados nem por si próprios. A autorregulação é uma premência para a liberdade de imprensa”.
Já temos no Brasil o belo exemplo do Conar (Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária), que está completando 30 anos de atividades em defesa da ética na propaganda, com a participação de anunciantes, agências e representantes da sociedade civil.
Foi o exemplo que usei ao defender a criação do Conselho Federal de Jornalismo, quando ainda trabalhava no governo. A pedido das próprias entidades representativas dos jornalistas, foi elaborado pelo Ministério do Trabalho e enviado ao Congresso Nacional um projeto de lei que nada mais era do que a autorregulação do exercício da atividade jornalística.
Na época, em 2004, o governo foi acusado de querer controlar a imprensa, e o projeto sofreu um massacre brutal em toda a mídia, sendo logo retirado da pauta. Se o projeto era ruim, poderia ter sido modificado e melhorado no Congresso, ou mesmo sumariamente rejeitado, mas não se admitiu sequer a discussão da proposta, como sempre acontece quando se trata de regulamentar o trabalho de jornais e jornalistas.
“O diploma eu sempre achei que é uma falsa questão”, disse Lins da Silva na sabatina, com o que concordo. “Não há necessidade de uma formação de quatro anos em escola superior para alguém ser jornalista, é totalmente irrelevante”.
Tudo bem, meu caro Carlos Eduardo, estamos de acordo também neste ponto, até porque eu não tenho diploma e você se tornou um professor-doutor em jornalismo…
Mas você há de reconhecer, como disse na sabatina, que precisamos de mecanismos de autorregulação _ e isso deveria valer tanto para as empresas como para nós, jornalistas.
É preciso criar instrumentos para fiscalizar o acesso e o exercício da profissão, assim como faz a OAB com os advogados. Neste caso, não basta ter diploma, é preciso ser aprovado no exame da Ordem. Diploma à parte, por que não se pode fazer o mesmo na nossa profissão?
Você mesmo diz que “80% dos erros que saem do jornal podem ser atribuídos a três fatores: pressa, preguiça e ignorância. E acho que isso não tem muito como mudar, a não ser com um controle firme do comando da Redação”.
A julgar pelos recentes episódios ocorridos na Folha _ o falso “dossiê Dilma” e a previsão do jornal de que 4,4 milhões de brasileiros deveriam estar hoje infectados pela gripe suína _, que você mesmo lembrou na sabatina, só este controle não basta.
É preciso que haja uma instância superior, como a Comissão de Ética do Conar, que seja capaz de punir os abusos e obrigar as empresas a corrigir seus erros, como acontece na propaganda.
É louvável a posição da Folha de manter o cargo do ombudsman por tantos anos e publicar em suas próprias páginas as duras críticas que Lins da Silva lhe fez em sua sabatina.
Mas não consigo me esquecer de um episódio muito engraçado toda vez que se fala em ombudsman. Ainda trabalhava no jornal, em meados dos anos 80, quando surgiu a idéia de se criar pela primeira vez este cargo no Brasil.
Um dos primeiros profissionais convidados para ser o ombudsman da Folha foi Augusto Nunes, hoje também blogueiro, então recém-saído da Editora Abril. Depois que a direção do jornal lhe explicou detalhadamente quais seriam suas tarefas, ele deu uma de desentendido e fez uma singela pergunta:
“Mas se é para apontar os erros do jornal não seria melhor fazer isso antes e não depois da publicação?”.

109 thoughts on “Ombudsman da Folha defende a autorregulação da imprensa

  1. Ricardo,
    Vc não é tão inocente assim, os “erros” da imprenssa são pura má fé! Eles estão a serviço da direita e de um projeto de retomada do poder no Brasil! Não tem essa de ” pressa, preguiça e ignorância”.
    É tudo caso pensado, o problema que os “jornalistas” que estão a serviço dos patrôes são medíocres e incompetentes!

  2. Hoje de manhã já havia lido a entrevista do Carlos Eduardo Lins da Silva e após ler também a matéria do RK consolidei minhas convicções que a fonte dos problemas descritos tanto na reportagem da Folha quanto na matéria do RK é a falta de ÉTICA exercida pelos profissinais de jornalismo.As soluções apresentadas pelo RK se resumem em plágio de soluções adotadas por outras profissões,a crítica fica por conta de que as profissões apontadas pelo Kotscho exigem formação técnica específica.
    Obviamente essa solução pasa também pelo jornalismo,não adianta querer tapar o sol com a peneira.Sem uma formação mínima jamais se consegue organizar qualquer grupo,vira o samba do crioulo doido,quantas matérias tendenciosas já não testemunhamos aqui mesmo neste Balaio?
    Se fosse fácil não teria graça.

  3. Autoregulação é muito bom!!!!
    Para os “autoregulados”…..

    Que tal propor a autoregulação para outros serviços. atividades, produtos?
    Poderiamos começar pelas telefonicas? Que tal?
    As companhias aereas também fariam seu codigo de autoregulação. Os bancos viriam em seguida. Depois supermercados, e,( por que não?), as quitandas da esquina….
    Sou estatista!
    Não tenho o menor pudor em declarar isso. E a pensar desta forma.
    Regulação?
    É com o Estado!
    O resto, pra mim, é firula, jogo de esconde, de faz de conta….

    1. O estado brasileiro é corrupto assim como a iniciativa privada. Os dois lados agem sempre de acordo com o seu interesse e nunca com interesse no bem público.
      O resto, pra mim, é firula, jogo de esconde, de faz de conta…

  4. Eu também acho bom a auto-regulamentação da imprensa.
    Vejam bem noticia que relata a situação da embaixada do Brasil em Honduras !! ” A luz , a água, o telefone da embaixada brasileira em Honduras foram cortadas” ! E vejam o que dizia o Lula ano passado e anos anteriore ! ” O meu governo não vai admitir que tratem mal o povo e o Brasil …. considerando o governo FHC como um presidente fraco pois teve suas meias , sapato, e revistas nos bolsos da calça quando entrou nos EUA ” ! Então os jornais estão dizendo mentiras . Pois o governo atual não fez nada para defender os consulares da embaixada brasileira em Honduras . ” Jogaram duas bombas de gás lacrimogenio na embaixada brasileira . Ato atribuido ao exercito hondurenho ” ! Então, achamos que isto tudo que noticiam é mentira , senão fosse o governo brasileiro, já teria convocado o EMFA , e o Ministro Jobin para invadir Honduras e resgatar os consulares naquele país . !!!!

  5. Há que se separar liberdade de imprensa de libertinagem da Imprensa.

    Auto-regulação me cheira a coorporativismo. Não conheço o Conar a fundo, mas a impressão que tenho é que ele é uma fachada pra defender os interesses da classe e tirar de circulação os casos mais agressivos de abuso. Alguém já viu o documentário “Criança, a alma do negócio!”?

    Em geral os conselhos de ordem funcionam como centros coorporativistas. O caso dos conselhos regionais de medicina é claro pra mim … alguém já viu médico ser condenado fora casos que extrapolam qq possibilidade de desculpa?

    O conselho regional de química da região de São Paulo então é uma pornografia … historicamente dominado por engenheiros, faz o papel de fazer uma reserva de mercado para os formados nessa especialidade. Como? Quem lê o livro de atribuições do CRQ tem a nítida impressão de que um engenheiro químico é um “químico turbinado”, com todas as atribuições do químico e mais 5 extras … quando na verdade se tratam de profissões ( formações ) diferentes.

    Não acho que as entidades de classe devam ser excluídas da regulação … mas acho que confiar plenamente nessa estória de auto-regulação é meio papagaiada!

  6. Kotscho:

    “A julgar pelos recentes episódios ocorridos na Folha _ o falso “dossiê Dilma” e a previsão do jornal de que 4,4 milhões de brasileiros deveriam estar hoje infectados pela gripe suína _, que você mesmo lembrou na sabatina, só este controle não basta.
    É preciso que haja uma instância superior, como a Comissão de Ética do Conar, que seja capaz de punir os abusos e obrigar as empresas a corrigir seus erros, como acontece na propaganda”.

    Que erros?
    Erros é uma questão de ótica ou relatividade, quem as fazem sempre achará que esta fazendo certo, certo pelo que recebem.

    Como corrigir uma informação tendênciosa que visa beneficiar alguém ou uns grupelhos? Como corrigir quando os “jornalistas” de redação são apenas tecnicista que só escreve o que é da conveniência do editorial do jornalão?
    Quando é a verdade, será que podemos acreditar em tudo que é publicado, se a forte cheiro de noticias viciadas no ar.

    De que adianta regulamentar, ou exigir a obrigatoriedade de um diploma, os jornalista dos grandes jornais não estão lá para cumprir sua formação de forma imparcial. Os grandes meios de comunicação agem com os seus profissionais conforme a demanda; procura e oferta. Ou os jornalistas são apenas tecnicista ou cai fora, tem alguem que fará as coisa conforme mandam, não conforme dever ser.

    O Jornal escrito, ainda é para um pequeno grupo de consumidor ou leitor que quer ler que o vem nele. Só os lê para satifazer seu ego, pois ali encontrará algo que lhe alimentará, nem sempre da verdade.

  7. Pressa.
    Preguiça.
    Ignorância.
    Que maravilha saber que um homem de imprensa – RESPEITÁVEL – consegue ver o que está matando um dos poderes – A IMPRENSA – fundamental para uma democracia.
    Melhor ainda quando outros – como você mesmo Ricardo – comentam essas questões – como sempre – SEM MEDO!
    Esta leitora que gosta de dar “piteco” – acrescentaria a esses três fatores mencionados por Carlos, o que percebo ser o pior de todos eles: MANIPULAÇÃO CONSCIENTE!
    Poderia incluí-lo na IGNORÂNCIA mencionada por ele. Mas considerando que jornalistas e donos da tal grande imprensa são apenas humanos – seria esperar demais que a ÉTICA, a IMPARCIALIDADE e o próprio exercício do que se chama VALORES HUMANOS – estivessem presentes na hora em que o jogo dos PODRES PODERES SE FAZ PRESENTE!
    Não somos anjos!
    Ateus ou não – PRECISAMOS DE FATO DE MECANISMOS QUE REGULEM UM PODER maior do que todos os outros em qualquer regime: A IMPRENSA! Até pouco tempo nenhum presidente NESTE PAÍS e em outros pelo que sei – se elegeriam sem a benção da VÊNUS PLATINADA! Nos estados e municípios -a lguns – feito o saudoso Leonel Brizola, até conseguiu essa proeza. Mas em Curitiba, por exemplo, NENHUM PREFEITO SERÁ ELEITO – sem o apoio do maior grupo de imprensa do estado. Salvo legado familiar ou desgaste tamanho que a DEMOCRACIA já nem é mais parte do jogo. Eu explico: há exceções! Mas todas se explicam no que já mencionei. E mesmo assim, ganha quem não é aprovado pela grande mídia de qualquer cidade, estado, municipio… SE OS JOGADORES – DONOS DA MÍDIA – FOREM – DESCULPE A PALVRA: BURROS!
    Burros como?
    Vai ter gente me questionando não é verdade?
    Eu explico:
    Burros do tipo que de tanto usarem e abusarem do poder – não percebem que o POVO está VIVO e no limite – silenciosamente ou não – percebe que seu VOTO é mais PODEROSO do que os meios de comunicação, seus donos e seus empregados.
    Muitos mártires – diga-se claramente – JORNALISTAS SÉRIOS – morrem na luta contra a lama que assola muitos meios de comunicação que gritam por ética nos governos. ÉTICA que não exigem de de si e dos seus empregados. Ou que não PERMITEM que seus JORNALISTAS tenham. Derrame! Enfarto/CORAÇÃO! CÂNCER…. todas doenças que estão presentes na vida de bons profissionais que não conseguem GRITAR o seu constrangimento diante de títulos, textos, comentários, matérias… MANIPULADAS, CORTADAS, ESTUPRADAS pela ideologia do patrão. Poucos são os que tem SABEDORIA para pagar o preço da LIBERDADE DE DIZEREM O QUE PENSAM! Alguns viram mártires e outros por já terem a SABEDORIA suficiente – nada com jogo de cintura – sem venderem suas almas – mesmo que o mar da imprensa – não esteja para peixe. Ou usando outra metáfora: conseguem levar a bola adiante e fazer o gol – mesmo enfrentando a lama.
    Mas são poucos!
    E quando a parcialidade, a falta de ética é muita, percebe-se no texto, nas perguntas, na fala, nos gestos, caras e bocas dos que estão na mágica tela da TV, as manipulações vergonhosas contra alguém, governo ou não!
    Repito: sou analfabeta diante de um jornalista formado. Mas não sou burra! Como a maioria do povo brasileiro tenho sabedoria para perceber – ATUALMENTE – onde está a manipulação da notícia e a falta de ética da imprensa.
    Então é de fato tempo de discutir o que Você comenta no seu texto, o que Carlos disse e o que estamos percebendo do lado de cá do jornal, da tela do computador ou da TV: tem algo de podre na imprensa nacional!
    Não vou mencionar o que fazem com o governo Lula e o PT – único partido passado a limpo – durante a caça às bruxas do tal mensalão que todos sabem o que é e onde começou e com quem começou. Se o esquema existiu alguém deveria investigar se ele começou ou não durante a negociação de um segundo mandato. Como pode a grande imprensa, os bons jornalistas deste país não terem percebido que NÃO SE CONSEGUE RASGAR UMA CONSTITUIÇÃO NO MEIO DO JOGO – GANHANDO DE GRAÇA UM SEGUNDO MANDATO! E as consequencias de não se governar por dois anos – na luta por essa ambição de poder – NUNCA VAI SER DISCUTIDA PELA NOSSA GRANDE MÍDIA?!
    Eu sei quem pagou o preço! Eu estava nas periferias e nos morros onde moram os mais pobres enquanto a UDR agia, o CENTRÃO marchava unido nos corredores do congresso e a tal grande mídia criava CAÇADORES DE MARAJÁS e silenciava NA COMPRA DO SEGUNDO MANDATO DURANTE O PRIMEIRO ATO DE UM GOVERNO QUE SE DIZIA DEMOCRÁTICO!
    Não vou mais ocupar teu espaço – Ricardo!
    Já tenho abusado da tua casa.
    Mas não poderia deixar de dizer que é TEMPO SIM DE JORNALISTAS, COMENTARISTAS, ARTICULISTAS E OS DONOS DA GRANDE IMPRENSA DESTE PAÍS TEREM A HUMILDADE DE DISCUTIREM O QUE EXIGEM DOS OUTROS:
    -ética,
    -imparcialidade.
    -responsabilidade,
    -sabedoria e não apenas intelectualidade de banco de faculdade,
    -conhecimento de cultura popular e do jeito de falar da nossa gente,
    -humildade para reconhecer acertos de governos e não apenas denunciar erros.
    -investigação para que não se tornem revistas de fofocas como muitos estão parecendo.
    …. E TUDO O QUE DISSE CARLOS E DISSE VOCÊ DO ALTO DA SUA EXPERIÊNCIA nessa caminhada por LIBERDADE COM RESPONSABILIDADE!
    Que venha um grande encontro nacional onde possamos – também eu – estar presentes – para discutir inclusive a ÉTICA que está faltando em alguns profissionais e donos da tal imprensa!
    Como atriz, posso representar o jogo de caras, bocas, piscadas e gesticuladas – desconectadas com a notícia que está sendo dado – por alguns péssimos atores – que se chamam âncoras de jornais.
    Nesse jogo, espécie de PSICODRAMA, talvez alguns ainda percebam o quanto são canastrões – a serviço do patrão!
    Evidente que não falto de todos!
    Mesmo porque são apenas alguns os que ocupam tão alta posição!
    Posso também fazer o dia “das meninas da Salete” para mostrar como se bate no governo Lula e no PT – descaradamente. Sem contar que posso dar as gargalhadas que nem são mais risadas, de alguns que fingem estarem apenas dando a notícia. E tem aquela economista que NÃO VAI ADMITIR QUE ERA MAROLINHA COMO DISSE O PRESIDENTE?! Acho que não tem humildade para isso e não percebe o mal que faz ao povo e à democracia da qual fala de boca cheia mas de mente vazia!
    Abraços e saudações democráticas – Ricardo!
    E que todos os que entram na sua casa digam seu nome e se apresentem – como se fazia no tempo do meu vovô – que sempre deixava uma prato na mesa para a visita. Mesmo que desconhecida. Como você faz nesta casa – deixando espaços como este – para seus convidados! Como eu que não te conheço pessoalmente.

  8. Ricardo,
    Bom dia.

    A questão da imprensa é muito melindrosa e qualquer coisa que venha a regular pode parecer tesoura ou patrulhar idéias.
    Concordo que há a necessidade da regulação, de nortiar o que se escreve ou se fala para não haver discrepancias que ferem a linha jornalistica e a postura do veículo.
    Cada veiculo deve ter sim um responsável pela observação do universo editado. Apontar falhas e opinar mudanças sejam elas editoriais, ideológicas ou mesmo no layout da diagramação. Todo veículo tem uma linha de pensamento que deve ser seguida para haver a coerência editorial. E a função do obudsman é exatamente ouvir, ver, informar, sugerir sendo imparcial e impessoal. È melhor existir um em cada empresa do que inventarem mais uma agencia reguladora. O Augusto foi sábio em sua colocação. O serviço deve ser feito antes da publicação. Depois que foi para as ruas, a vergonha já está estampada.
    Com relação ao diploma de jornalista, é algo questionavel. Escrever é dom que não se aprende em banco de universidade.
    Bom senso, ser crítico e ético tambem não se aprende em aulas de 45 minutos. È dom, é nato. Mas, estas coisas de termos técnicos como PRESS RELIASE, LAYOUT, PAICAS e outros mais, necessita de umas aulas sim, apesar de na pratica, na redação e na diagramação se aprende a força. Imagina o que fiquei perdido quando o meu chefe no primeiro jornal que trabalhei gritou para mim arranjar um “bacalhau” para tampar um buraco na página. Isso eu não aprendi na faculdade!
    A idéia de se fazer uma prova em um orgão regulador como a prova da OAB é muito boa. Mas o pior deste tema todo é a falta de regulamentação do direito de resposta. Isso para mim é o fim! Aliás, pensando bem esta prova não cabe também pois o Direito é uma matéria palpavel com diversos códigos. Jornalismo é empírico, é da alma, é de cada um que está a frente de um teclado ou por de traz de uma camera. È idéia, e cada um tem sua forma de colocar as palavras na notícia, de ver a notícia pela lente que se tranforma no olhar do reporter fotografico. Talvez a prova possa ser desenvolver um tema ou criar uma reportagem sobre um tema tal ou mesmo a prova ofereça uma situação que o postulante tenha que redigir a notícia. Sei lá!
    Não concordo com nada disso. A imprensa tem que ter sim um limite sem ser repressor. Tem que ter ética sem ser demagoga. Tem que informar o fato sendo imparcial. Tem que ser claro, o colunista, o suficiente para que o leitor entenda que o escrito é a sua opinião e não o assunto em si. O Jornalismo tem que ser verdadeiro, informativo e participativo sendo em muitas situações agente de mudanças como a questão climática e meio ambiente por exemplo. O jornalismo tem que ter a consciência de que pode e deve ajudar a humanidade mostrando sempre a verdade e o correto.
    O jornalismo não deve inventar mais criar sempre a melhor forma de levar a verdade ao público. O jonalismo deve denunciar, mostrar, investigar sem mentir, com provas para não cair no descrédito.
    Por isso, a sua idéia de criar um “CONAJ” seja plausivel, aproveitando a ideia do conar. Mas de tudo isso a luta primordial e que deve ser bandeira é o direito de resposta. Se me acusas tenho o direito de me defender. Se não entendes o que digo, tenho o direito de me explicar. Se isso não existir, vira bagunça.
    Belo tema o de hoje,
    abraços,

    Marcus Benedictus

  9. …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………..Hoje,…………é dia pessoal..!
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………….Mais um lançamento da
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………………..COLEÇÃO,
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………….”disquinho
    ……………………………………………….. do
    …………………………………………….Kotcsho”.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………….Chapéuzinho vermelho e o lobo!
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………..Éra uma vez,
    ………………………num bósque muiiiiiiiito,…. distãnte,
    …………………………uma minininha muito boazinha.
    …………………………………..Éla adorava a cor
    ………………………………………… “vermelha”
    …………………………………..e sempre que saía,
    ……………………………………………..punha
    ……………………..uma capinha com capús vermelho,
    ………………………………………….prá visitar a,
    ………………………………………….. vovózinha.
    …………………………………………………………….
    …………………………………………Um bélo dia,
    ……………………………………no meio da florésta,
    ………………………………………….éla deu de,
    …………………………………………….CARA,
    ……………………………………..com um “papel”
    ………………………………….pregado numa árvore.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………….Que dizia…:
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………” PROCURÁ-SE,..
    ……………………………………minininha boazinha
    ………………………………….de capinha vermelha,
    ……………………………………..pois é acusada
    ……………………………………de comer a pópria,
    ……………………………………………. AVÓ…!…”
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………..Éla ficou desesperada,
    …………………………………….quando foi correr,
    …………………………………..deu de cara com o,
    …………………………………………… LOBO,
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………encostado numa árvore,…vestido de “térno”,
    ………………….com óculos escuro e com um monte
    ……………………………………………..destes
    ………………………………………….. “cartazes”
    …………………………………. em baixo do braço.
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………..Aí éla falou…:.
    ………………………” nóssa,..seu lobo,…foi você que
    ……………………………………..escreveu isso..?”
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………..lobo……:…” eu não,…eu só contratei
    ……………………………………………um jornalista,
    ………………………………………… ele que escreveu.”
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………….chapéuzinho..:..”…… mas isso é mentira…”
    ………………………………………….
    ………………….lobo…………..:…”……mas eu não pósso fazê nada”
    ………………………………………..
    …………………chapéuzinho…:…” como não,…você que pregou”
    ………………………………………..
    …………………lobo………………:….”…e daí..a florésta é pública…”
    ………………………………………..
    …………………chapéuzinho…:…” mas você acabô com a minha
    ………………………………………………………………..vida…”
    ………………………………………..
    ………………..lobo………………:………”..ué?!…entra na justiça…”
    ………………………………………..
    ……………….chapéuzinho….:…………….”..qui,…. justiça…?”
    ……………………………………….
    ……………….lobo……………….:…………….” na dos homens”
    ……………………………………….
    ………………..chapéuzinho…:….” mas o homens não vivem
    ……………………………………………………………..na florésta..”
    ……………………………………….
    ……………….lobo………………..:…..” então meu bem,….sífu..”
    ……………………………………….
    ………………chapéuzinho…..:…..” seu,….. lobo safado…”
    ……………………………………….
    ………………lobo……………….:…..” bom,…xingá não vai adiantar
    ………………………………………………………………nada.
    ……………………………………………………o único jeito de você
    ……………………………………………………………sair das,
    ……………………………………………………….MANCHÉTES,
    ……………………………………………………….é me ajudando
    …………………………………………………..a pegá umas ovelhas
    ………………………………………………………………….no
    …………………………………………………………. cercadinho..”
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………….”É PÊGÁ OU LARGÁ”
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………Assim,
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………….chapéuzinho foi com o lobo,
    ………………………..pegar as ovelhas e nunca mais
    …………………………………conseguiu limpar
    …………………………………………….sua
    ……………………………………. REPUTAÇÃO
    ……………………………………………..de
    …………………………………………boazinha!
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………….Assísta o próximo capítulo.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………….Em bréve,…num “BLÓG”,… pérto de você!
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..

  10. Por favor!
    Desculpem meus erros. Não tive oportunidade de aprender corretamente o português e dizem – penso muito rápido. Como escrevo. Também esqueço de revisar o texto como deveria. Mas estou aprendendo. Hoje, prometo, foi meu ultimo grande desabafo. Estou cansada de SER e VER os que tentam caminhar eticamente – serem massacrados pelos que deveriam serem nossos anjos da guarda! Por culpa dos patrões ou por omissão – que reconheço – tem suas razões. Até para sobrevivência! Cada um sabe onde lhe aperta os sapato – não é verdade? E andar descalço é para poucos. Sócrates sabia disso!
    Afastai de nós – senhor – esse cálice. Mas se não for possível que venha o sacrifício!

  11. Parabéns para o jornalista Carlos Eduardo Lins, por falar em autoregulação, na verdade parte da mídia hoje é uma terra de ninguem, falam o que querem em nome da liberdade e que liberdade, quando achincalham as pessoas. Vale lembrar, esta postura enfraquece a imprensa, simplesmente porque fica desacreditada quando a verdade vem a tona.

  12. A imprensa erra muito.
    As ocorrencias já viraram carne de vaca tanto é assim que não raro os políticos rolam a culpa pra cima da imprensa.

    Ética não é o que se espera dos Jornais e revistas aqui de São Paulo. O negócio é vender, tem que vender, o resto coserta-se depois, sempre tem um jeito.
    Estamos longe de ter uma imprensa limpa, longe mesmo.

  13. Me parece que a autorregulamentação é fundamental para o futuro dos jornais, de fato.

    É bom saber que um jornalista respeitado como você enxerga também a arrogânia dos jornais e de boa parte de jornalistas. Eu que tenho menos de um ano de profissão já vi isso.

    E na faculdade sempre fui bombardeado porque nunca achei o diploma necessário, mas gosto da ideia (que falta faz o acento) do exame para entrar. Mas corremos o risco de cursinhos rápidos para passar na prova e ser jornalista, sem qualquer critério.

    Esse dias já vi na internet a venda de uma apostila para fazer seu curso de jornalismo em casa. Segundo eles, por meros R$ 40,00. Em menos de um mês você poderá se tornar um jornalista preparado e ganhar muito dinheiro com um blog, dizia a propaganda. Se cuida Kotscho, logo teremos muitos concorrentes de qualidade e seu blog vai perder muito público. hehehe.

  14. Tentando voltar nos tempos.

    Sentimento que estava no subconsciente, chegaremos lá.

    Jogar taco na rua de terra, futebol, dançar na fogueira, tomar quentão empinar quadrado (pipa), correr atrás de balão.

    Eu era criança era feliz e não sabia,

    Estudei em colégios de padres e de freiras,

    Me dei melhor no colégio de madeira,

    Onde o ensino era de primeira,

    Saudades da minha professorinha,

    Naquela época, os muros das casas eram baixinhos,

    Aquém interessa, …………….

    Não seremos todos vítimas do sistema.

    Será que voltaremos aquela época, agora estou mais pra o otimismo,
    Pra frente Brasil, sil,sil.

  15. Como você, defendo um “exame de ordem” para os jornalistas, como na OAB. O que não pode é nossa profissão transformar-se em terra de ninguém, como, não fosse a perplexidade causada pelo vácuo de regulamentação, já teríamos nos tranformado agora. Mas jornalista quer ser regulamentado? Em nome de uma pretensa defesa da liberdade de expressão – amplamente defendida pelo patronato (que, é claro, tem suas razões) – jornalista algum vai abrir mão da vaidade de se sentir membro não do Quarto, mas do Primeiro Poder.

  16. Gostaria que vc falasse mais ,com dados relevantes e provas contundentes,sobre o falso dossiê Dilma e correlacionasse o mesmo ao falso dossiê FHC.
    Por e-mail? por Resposta direta no blog? Em uma nocva coluna?
    Mais uma pergunta, a autoregulação passaria por imparcialidade na divulgação dos fatos? e quem seria o responsável por ela?. Uma citação como “o falso dossiê Dilma numa coluna como esta passaria em branco ou precisaria correção para ” o duvidoso dossiê Dilma…ou o discutível dossiê Dilma?
    Um abraço de um “sem partido”.

  17. Pressa, preguiça e ignorância podem explicar alguns erros formais da mídia impressa. Porém, a tendenciosidade mascarada de ” liberdade de expressão” , somada com a arrogância e a prepotência, faz com que a nossa mídia tenha credibilidade zero. Em alguns jornais , blogs, colunas, etc. até a data da publicação deve ser confirmada no calendário.
    O Augusto “queria mesmo era ser Paulo Francis” Nunes só faltou dizer em seu blog que o Lula era o único responsável por ainda ter analfabetismo no Brasil. Não foi por pressa, preguiça ou ignorância que ele deixou de analisar TODOS os outros indicadores da PNAD/IBGE que apontam melhorias significativas no Brasil no governo Lula!
    Como é possível pinçar somente o item em que avançamos, pouco mas avançamos.
    Como escamotear que cerca de 20 milhões de brasileiros ultrapassaram a linha de pobreza no governo Lula.
    Não foi por pressa, ignorância ou preguiça que ele deixou de citar as conclusões do Marcelo Neri da FGV, sobre a PNAD. Foi por evidente má fé!!

  18. Caro Kotscho

    Que conste nos autos essa “sabatina” ao ombudsman da “Folha di Tabranda” – um novo “santo daime” para desavisados leitores abobados !!!

    Ao meu ver não se trata de preguiça, ignorância os atos criminosos cometidos por aquele ex-jornal, é tudo premeditado e muito bem pensado pelo Sr. Otavinho Frias, aquele tucano que se julga togado e que envergonha o seu pai ao destruir o que antes foi um jornal para transforma-lo em um panfleto das suas preferências partidárias. Até aí tudo bem, cada um no seu lado mas negar o que pregam e como agem, é crime de falsidade ideológica !!! E é caso de Procom também pois estão vendendo “moscas” como se fossem nutritivas ao nosso saber.
    Censura ? Isso é coisa de ditaduras !!! Em uma democracia não há censura pois o que se exige é retratação ou defesa PÓS materia publicada, A censura é quando proíbem PRÉviamente uma publicação !!! Em tempos de chumbo o Governo censurava a imprensa, hoje é a imprensa que censura um Governo !!!

    Isso pra não falar daquele “sabugo liso”, o José Serra que passa as madrugadas infernizando as redações e pedindo a cabeça de raros jornalistas que ousam enfrenta-lo !!!
    Regulamentar o que ? Já está tudo muito bem regulamentado !!! Tem até “manual de redação” para as safadezas !!!

    “Folha” – O jornal mais VENDIDO do Brasil !!!
    ( com “mosca” e tudo )

  19. Prezado Ricardo, vc acredita mesmo em “autoregulamentação”? A atitude da Folha em manter o cargo de ombusdman não tem nada de louvável. É descaramento mesmo.
    Desculpe.

    1. Esta aí, uma grande pergunta.

      E olha que Cuba está na nossa frente neste quesito, pois lá descobriram enfim uma destinação decente para o lixo comunista do Granma : Papel Higienico!

  20. Também gostei bastante da sabatina do Ombudsman da Folha.
    Talvez seja a hora de parar com a síndrome de perseguição que alguns tem ao criar o devaneio “PIG”.

    Aproveitando o tema Ombudsman, ontem, a Petrobras “ganhou” um novo. Paulo Otto Von Soderling (ou algo parecido), que como curriculum apresenta apenas ex-assessor de Zé Dirceu.

    É isso que a Petrobras espera de um profissional que representa a população dentro da empresa?
    Um cara, que só está lá por ter trabalhado com o Zé Dirceu. Uma lástima.

    E depois alguns ainda insistem que o PT não é notório no aparelhamento da máquina com aspones……

    1. Você tem razão, Junior, se ainda fossem o Roberto Freire, o Raul Jungmannn, o Alvaro Dias, a filha fatasma do FHC …., né? Pra esses a gente garante uma boquinha (bocona, na verdade) em órgãos públicos do governo de São Paulo, mas isso não é aparelhamento d máquina pública, senão a Folha, o Estadão, Veja já teriam dito que era. É isso aí: probidade já (na casa dos outros, que nós demos-tucanos não somos bestas!)

  21. São trechos disfarçados das historia do bruxo de Benjamin Constant

    Na praça sempre tem comentários, que diziam tudo sempre funcionava na base do jogo das cartas marcadas, de todos os lados como agentes duplos

    Com o surgimento da internet começou o desmanche parcial, e o que dizem na praça os mesmos que diziam, o leite da vaca leiteira que não existia, vai ter que começar a existir

    Na realidade tudo e como uma extensão da continuação da escola, vai aperfeiçoando a cada dia a faculdade da vida real, todos vão ficar sabendo de tudo, e o caminho natural que vem facilitando

    Nada podia continuar como era, nada pode continuar como ta, tudo vai mudar tomar o rumo que todos querem ter para progredir, com a verdade no ar, que vai filtrar tudo que pertence a nos, patrimônio publico e de todos

    Assim como a liberdade de expressão, livre para todos nos, a imprensa e a própria expressão de liberdade para nos, um arquivo aberto livre para tudo e todos acessar livremente o que esta escrito

    Uma vez um cara recebeu um convite, chegando ao terraço daquele lugar, foi dado um aviso, colocando o cara em cheque mate, com o recado bem explicito citando dois exemplos decretando o seu fim

    Só que nessa historia o feitiço virou contra o feiticeiro, o menor ficou igual os maiores de rabo preso, e tinha gente do todos os lados e nada fizerem porque quem estava para decidir jogava dos dois lados, sugando como os vampiros

    Esse roteiro vai ser um dos departamentos, da história do bruxo de Benjamin Constant, acrescido do roteiro ouro negro da ficção, de um mundo imaginário existente em outro planeta que foi extinto com a revolta do clima, com a natureza do meio ambiente cobrando a conta ficou com tudo

    O que decide tudo que vem pela frente no futuro, com essa juventude acelerada, que não vai engolir o sapo que nos pagamos vão mudar tudo isso, dispensando todo lero-lero presente que emburra, a burocracia que vai ser dispensada automaticamente

  22. Autoregulação, uma utopia. A imprensa deve se submeter como o judiciário a uma regulação externa, composta por atores da sociedade civil e da própria imprensa, assim como ocorre com o judiciário. Não há porque considerar a imprensa como um poder auto-controlável. O mercado também achava que a lei da oferta e procura seria suficiente para regulá-lo. Essa crise demonstrou que o Estado precisa monitorar e regular muito de perto o mercado e as instituições financeiras, com a imprensa não deverá ser diferente, só que a regulação passaria para as mãos da própria imprensa e da sociedade civil. Na própria FSP a voz do ombudsman não passa de murmúrio, figura decorativa; ele fala, esperneia, publica tudo, mas o jornal via de regra ignora seus comentários. Lastimável

  23. Ha muito tempo eu deixei de ler a Folha e a Veja, pois me dei conta que era desrespeitado etica e intectualmente, e ainda por mal dos pecados, financiava , hoje leio outro jornal, outra revista, que salvo a exeção de praxe, continua na mesma batida. Não acredito em pessoas apartidarias, ou apoliticas, principalmente jornalistas, acho quase impossivel um homen que tratabalha com noticias não ter ideologia, não seria humano, portanto o leitor ao tomar contato com um artigo deve ter isto em mente. Agora o esta acontecendo na imprensa paulista, esta muito alem disto, sõa verdadeiras campanhas, totalmente articuladas, com sofismas, com manchetes desmentidas pelo proprio artigo,articulação entre jornais e revistas concorrentes, e não somente a imprensa escrita,, as televisões os radios, e desesperador. Portanto acredito, que, ou sociedade cria mecanismo de regulação para tratar a comunicação como algo, bem publico, ou em breve esta mesma sociedade, estara as ruas, não contra governos despota, mas contra imprensa ditadora.

  24. Kotscho, sou leitor assíduo do balaio, mas é o meu primeiro comentário…

    Sou programador de computadores, não tenho muito a ver com a questão de jornalistas, mas admiro e concordo com se utilizar o Conar como base para um Conselho de jornalismo, para tentar elevar a qualidade da imprensa, especialmente nos grandes veículos que perdem credibilidade a cada dia.
    No entanto, utilizar a OAB me parece um péssimo exemplo.
    Acho a prova da OAB ser requerimento para o exercício da profissão de advogado uma medida corporativista e anti-democrática, uma organização ou sindicato não deveria ter o poder de determinar a competência dos profissionais. Pensem no absurdo que seria se o sindicato de metalúrgicos pudesse definir quem pode ou não trabalhar na Ford.
    Acho que para jornalistas, o instrumento é ainda mais absurdo, já que a competência ou não de um profissional não leva a consequências tão graves como de advogados ou médicos por exemplo

  25. Kotscho,

    Em linhas gerais, concordo plenamente com vc sobre a questão do auto-controle da imprensa. Só discordo quanto ao projeto do governo Lula sobre isso. Aquilo não era controle, era intervenção.

  26. Uma vez um homem naufragou com o seu cachorro em uma ilha deserta. Viveram ali algum tempo, juntos, um fazendo companhia ao outro. Alimentação escassa, mas dividiam irmanamente. Mas a fome foi apertando e um dia o homem resolveu comer o cachorro.
    Matou, assou e saciou-se. Comeu tudo, empanturrou-se, chupou os dedos.
    Depois quedou-se tristonho a completar os ossos do cão.
    Suspirou e disse:
    ___ Coitado do totó, como ele adoraria roer estes ossos!!!

    Jornalista tá assim, comendo a carne do cachorro. Um dia vai lamentar que o jornal nao vai estar presente pra roer os ossos.

    Um abraço Cidadao K.

  27. Alô nobre Ricardo!
    Com sua licença, desabafo e relaxo. Já espiei os comentários – beleza pura da turma! Viva a liberdade!
    Ansiosos já estamos para o desfecho de Honduras. Continuo confiando na sorte e no Divino para nossa embaixada (situação delicada)!
    Certamente, os bons brasileiros torcerão para “o melhor”. Os maus? …sem comentário no momento.
    Abração
    RFelisberto

  28. As reuniões de pauta, os memos, os e-mails, já não seriam uma auto-regulação interna? O famoso fale mais daquilo e menos disso sempre houve, conforme o “perfil” dos veículos de mídia, muitos replicando o perfil dos seus controladores. Ninguém fala mer….. sem a diretoria (ou editoria) saber e aprovar, ou imaginar no que vai dar.
    O projeto de 2004 referido era ruim, fascista e digamos “Chavista”, e não colou.
    A questão do diploma é estratégica, e pode ser usada por pessoas de intenções discutíveis (mais do que o normal) terem o cargo e a atuação jornalistica.
    Sou radialista e mesmo assim tive que estudar e ter autorização/registro do sindicato para trabalhar na área.
    Tem gente ai dando uma de educador(a) que não é formado em nada relacionada a área, e fala abobrinha ou se omite direto, em plena mídia.
    Cada um na sua. Minha filha teve que estudar e fazer pós para ser uma profissional do ensino, por que só jornalista não estudaria? Acho muito estranho.
    Um microfone ou uma caneta são como um bisturi, salvam ou podem criar graves problemas. Dependa da mão que o segura.
    Moro nun patropi… mas que beleza…

  29. Meu caro Ricardo, confesso que não esperava outro comportamento seu em relação ao assunto. Quanto mais eu o leio, mais o admiro. Venho batendo nessa tecla há muito tempo. Ou se estabelece limites para a manifestação de jornalistas quando se referem á honra alheia, ou então, dias mais dias menos, esses limites serão impostos por quem entender possuir direitos para tanto. Sou bastante vivido, assim como bastante leitor. Nunca vi tantas calúnias, tantas inverdades, tantas ofensas morais serem lançadas diariamente na nossa mídia, sem que ninguem seja responsabilizado pelos irreparáveis danos causados. Uma grande parte dos jornalistas do nosso Pais, são arrogantes, parcilalistas e desonestos. Sabem que qualquer legislação que regulamente seus atos, terá que partir do legislativo. Sabem tambem, que qualquer político, que por infelicidade sua, apresentar qualquer projeto no sentido da moralização da imprensa, será por ela, impiedosamente massacrado. Valen-se disso para praticar as mais revoltantes injustiças, na defesa de seus interesses, muitas vezes escusos.

  30. Todos nós estranhamos quando meu pai entrou em nossa cazinha acompanhado de Raimundo Benzedô, um negão, magro, comprido, com os olhos avermelhados, que se dizia entendido de rezas pra quaisquer assuntos, e foi direto para onde chocavam as galinhas de mamãe.

    Trancou o negão dentro da choça de pau-a-pique, e de fora, agente só escutava os fungados e as cantorias do pretão.

    -Maroca ! Agora vô tê o galo que sempre sonhei. Tu vai cuidar bem dele, pois vai sê a nossa salvação, mulé.

    E não deu outra. Daquela ninhada de ovos nasceu Chicó, com inicial maiúscula, o galo mais brabo que já surgiu por aquelas bandas.

    Cresceu rápido o Chicó, e mesmo ainda franguinho, já era imbativel numa rinha.

    Tinha uma técnica infalível, deixava o adversário lhe bater, até se sentir seguro da vitória, aí então, Chicó dava um pulo e cruzava os dois esporões simultâneamente no pescoço do frustrado vitorioso, e pronto…só restava ao dono fazer um escaldado do coitado.

    Ficou tão famoso Chicó, que meu pai, fez um quartinho dentro de nossa casa, para protegê-lo dos invejosos.

    Não me recordo, do número de semanas, em que as feiras lá de casa foram feitas com os trocados que meu pai ganhava com a brabeza de Chicó.

    Também pudera, parecia que o bicho era gago, e todo gago tem mania de brabeza. Chicó não completava o canto como todos os galos, só fazia cócócóóóóóóó…

    Só tinha um ponto fraco o miserável: era tarado numa galinhazinha preta que minha mãe criava, era doente pela bichinha.Todo dia de manhã, as outras galinhas iam descendo do poleiro, e Chicó nem ligava. Ficava afiando o esporão e dando pulos dentro de uma gamela com água a espera da neguinha. Quando a coitada da pretinha, que numa primitiva inteligência deixava pra descer por último, esperando que Chicó se interessasse por outra, descia, Chicó batia atrás da neguinha, e era só penas que voavam.

    Por causa disto, minha mãe, passou a odiar Chicó, mas, por respeito ao meu pai, não lhe fazia nada de mau.

    Percebendo aquela situação, um dia, eu disse pra mamãe, como quem jogava conversa fora:

    -Se esta pretinha morrer, mamãe, Chicó não dura um mes.

    Sempre considerei mamãe inteligente, mas nunca ao ponto do que ela veio a fazer. No domingo, sem que, nem porque, mamãe resolveu matar a pretinha para o almoço.

    Passou um mes, mas antes de completar os tres, Chicó morreu de tristeza. Meu pai, e meu tio Tenga, que também ganhava uns trocados nas apostas, quase também foram juntos.

    A vida seguiu…menos para Chicó, que morreu sem saber que eu o tinha matado. Pobre Chicó.

    Contei esta estória, para me referir à situação de nossa pobre imprensa nos dias de hoje. Vai morrer como Chicó. Imbecilizada pela paixão. Está com ” Sindrome de Chicó “.

  31. Saudações,
    Lendo este post, percebo que esta autorregulamentação é uma peça de ficção visto que se a mídia está sempre a disposição de algum grupo que quer galgar mais poder uma forma de controle se for feito por estes jamais acontecerá. Tem que ter uma participação de toda a sociedade desde os detentores do poder , passando pelas empresas até o cidadão comum , discoros de ti quando falas que não é necessário o diploma de nível superior para exercer o jornalismo tem que ter uma formação sim visto que seremos inundados com uma avalnache de maus profissionais que pensam por que tem uma certa desenvoltura diante das cameras ou escreva bem possam utilizar toda a estrutura de um jornal , tv , revista , rádio internet… fora que teremos um leilão por profisionais visto num exemplo hipotético “dois profissonais um diplomado e outro não disputarem uma vaga numa empresa x , muito provavelmente esta poderá arguir àquele com nível universitário que pode pagar um valor y já que o que não tem faculdade ofertou este salario” é um caso a se pensar.Por isto que autorregulamentação para mim não passa de balela deve sim existir um órgão maior com poder diretivo , consultivo e punitivo , com participação equanime de todos os agentes sem ingerência de quaisquer lados para que a imprensa possa exercer seu papel , com imparcialidade , informação, livres de todos os ranços preconceituosos que vemos hoje em dia

  32. Kotscho,
    Após ser o seu texto elogioso às posições de Carlos E. Lins e SIlva, ficou-me a impresão que você oscila entre a boa fé e os que portam antolhos. Francamente, achar que a autorregulamentação é a saída para a atividade jornalista que atualmente tem um largo espectro de atuação, cuja abrangência vai desde o texto impresso na imprensa diária até os meios eletro-aletrônicos, é brincadeira! [lembrando o ex-jogador Neto]
    A sociedade civil organizada e os seus representantes no Parlamento são o locus no qual se deva produzir regramento para a atividade de comunicação na Sociedade do Espetáculo [a Sociedade Liberal de Massas].
    Se você tem alguma dúvida leia os escritos, ainda no século XIX, do Friedrich Nietzsche sobre os jornalista: o diaginóstico é um painel devastador: o jornalismo, logo os seus profissionais, é uma atividade eclética, e se traduz na apropriação das ideias alheias, etc., etc.
    REGRAMENTO JÁ A PARTIR DA SOCIEDADE CIVIL E DAS SUAS INSTITUIÇÕES, caso contrário é a bárbarie que assistimos diariamente neste país em nome da liberdade de imprensa e da opinião píblica, que na verdade, como já apontou Nietzsche, é liberdade de intriga e difamação, e a opinião publicada, ou seja: a luta pelo poder que faz uso da mentira e manipulação das massas e o controle da informação pelas elites econômicas [para esta questão leia os escretiros do insuspeito Max Weber].
    É Isso.

  33. SÍNDROME DE CHICÓ

    Sintomatologia:

    Querer o que é difícil.

    Em sua fase crônica, desejar avidamente o impossível, como é o caso desta imprensa tresloucada, com esta mania fixa de colocar o povo contra o grande LULA.

    Vai morrendo aos poucos. Ao morrer, deve ser cremada, para que não possa deixar risco de contaminação.

  34. Foi criada em 2007 a Ordem dos Jornalístas do Estado de São Paulo (OJESP), com vistas a futura criação da Ordem dos Jornalístas do Brasil, instituição que já deveria ter existido ha 50 anos atrás. Antes tarde do que nunca! Diante da liberdade de imprensa e das comunicações de modo geral. A OJESP é o caminho para a autoregulamentação sugerida e consequentemente a devida fiscalização do exercício profissional e a defesa das prerrogativas legais e seus limites da profissão e de todos os jornalístas.
    Prof. Dr. Marco Antonio Azkoul
    Jornalista MTB 273
    Diretor Adjunto Fundador da OJESP

  35. Gente seria boa a auto-regulamentação do tamanho dos posts? Que tal? Tem comentário que é maior que o texto do bloger. Vamos nos auto-self-moderar-regular?

  36. Gostaria de trocar idéias com Carlos Eduardo sobre a atividade de ombudsman da Folha. As ouvidorias tem sido o meu tema de algumas pesquisas. Estou Ouvidora Pública. Concordo com você quando diz : “Por que o ombudsman, que é uma forma modesta de autorregulação, não se dissemina no país e no mundo? ” e ““Mas se é para apontar os erros do jornal não seria melhor fazer isso antes e não depois da publicação?”.
    Entre no site da nossa Ouvidoria http://www.sead.pa.gov.br/ouvidoria/index.html
    Obrigada!

  37. Caro Kotscho, concordo com vc, mas citar como exemplo, OAB e CONAR é brincadeira. Pergunte se algum cidadão que já foi prejudicado por algum advogado recebeu a devida atenção pela OAB e se este mesmo cidadão for pobre, já era. Sobre a CONAR é a mesma coisa, todo dia nossas casas são invadidas por todo tipo de porcaria com efeito prejudicial principalmente ás nossas crianças e não fazem absolutamente nada. Da próxima vez por favor cite instituições mais sérias, se é que elas existam em nosso “pobre rico” PAÍS.

  38. Acho que o senhor Carlos Eduardo deveria fazer aquilo que o Augusto Nunes fez. A Folha não vai mudar e vai continuar “emporcalhando” a imprensa, com ou sem ombudsman.

    1. …………………………………………………………………………………………………
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………………………brigado,..Patrícia..!
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………Beijão prá tí.
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………………………………………………………………….

  39. Não é exatamente sobre o texto do post, mas é sobre imprensa, comunicação, regulação, liberdade, etc….

    Outro dia se falou aqui ( e em diversos outros lugares também…) inclusive em repetição do que já havia sido dito pelo presidente Lula e pelo Presidente do Senado, sobre a impossibilidade de controlar a internet.
    Hoje no JN saiu longa reportagem sobre a prisão de uma quadrilha que explorava jogo de azar “online”, inclusive com hospedagem de site nos USA.
    Com isso fico sem entender: Seriam esses policiais, delegados, promotores, todos tolos ao ponto de quererem “controlar” algo que é – como dito por muitos e muitos – incontrolavel?
    Sugiro aos que advogam a tese da “incontrolabilidade” da web ( incluindo aí as autoridades citadas acima) que proibam a PF e o Ministerio Publico de gastar nosso rico dinheirinho tentando controlar o que não se pode controlar….
    A rede é livre!!!!!
    É mesmo….????

  40. As midias agem sem restrições visando ao lucro. No caso das bebidas mesmo com decisão judicial continuaram a vincular o produto em horario não apropriado. Podemos citar o interesse empresarial em detrimento do consumidor, divulgado na Managemen tv, de 23/01/2009,”o desafio da eletricidade” – passou um documentário da tv francesa, sobre a regulamentação da eletricidade pela ENRON na Califórnia, em 1999 ou 2000, que no fundo provocou um colapso nos preços da eletricidade, pela manipulação de seu fornecimento, beneficiando a empresa em prejuízo do consumidor. Questionado sobre o caos que provocou, o responsável pela ENRON informou que a única obrigação deles era em promover o lucro dos acionista(a qualquer custo para o consumidor). Quem pode controlar a ganância de alguns e evitar que a sociedade corrompida ou seja chantageada como aconteceu caso da enron e o Estado da Califórnia.? No documentário informa que a vida útil de uma usina e de 40 anos, sendo que o financiamento para a construção são de 20/25 anos. Um projeto, financiamento e a sua construção demora anos, sendo que qualquer empecilho em sua realização pode provocar um colapso no sistema econômico. Não pode interesses de alguns por em risco os interesses e segurança de uma Nação.

  41. Kostcho, tomar como base a OAB e o CONAR é perder tempo.
    A OAB é omissa e corporativa quando de trata de punir seus membros, o CONAR então, nem se fala.
    A criação da OJESP teria o fim de regulamentar e normatizar á área, mas, funciona ?

  42. Auto-regulação? Vejam o Conar que aprova propaganda de “remédios” á vontade na tv… Desculpem, é amarrar cachorro com linguiça. O órgão de regulação ficaria apinhado de gente do globo, da folha, da veja, do estadão, nnada confiáveis.

  43. Kotscho,
    todo o meu respeito pelo ombudsman da Folha, Carlos Eduardo, mas autorregulação da imprensa é o mesmo que autorregulação do mercado, sem tirar nem por, ou seja, uma piada.
    Um abraço.

  44. Um dia desses li um editorial do estadão reclamando que há mais processos contra jornalistas do que jornalistas em atividade. o imponente jornal dos mesquitas estava injuriado. Ou seja, o estadão acha que jornalista está acima da lei. comete crime mas, se é processado, sai todo mundo gritando: é censura, é censura. chega de hipocrisia, gente!

  45. Houve uma época em que no Brasil não havia tantos estabeleciementos de ensino e não faz tanto tempo, ainda nesta geração de jovens isso era notável. As poucas escolas que existiam formavam seus corpos discentes com qualidade e despejavam no mercado de trabalho pessoas com ensino fundamental capacitadas para enfrentarem todas dificuldades pela frente. Hoje temos uma sociedade recheada de pessoas formadas e coberta de certificados universitários. Andam de peito estufado, nariz empenado e olhando por cima dos que estão abaixo de seus diplomas. Colocando-os em questionamentos, essas figuras não sabem nem onde estão pisando geometricamente; não conhecem e não sabem nada sobre sua própria estória quer de lá do nosso país. Não distinguem e não tem idéias dos líderes que deixaram suas marcas na construção de nossa nação.
    Sabedoria é dom próprio e conhecimento é aquilo que desenvolvemos através de boas escolas que são vetores para nossas próprias buscas, nossos próprios desenvolvimentos nas áreas que nos agradam. Com bastante sabedoria não precisa-se de muita escola. Aliás, cadê as escolas que não formam pessoas com mais inteligência?
    Escrever é uma arte como tocar um instrumento, compor uma música ou interpretá-la.
    A Ordem dos Músicos é um fiasco. A OAB idem.
    Faz parte dessa geração, a regressão.

  46. Passou da hora de fechar a Folha. êta jornalzinho tendêncioso. Diz pro talonbudsman que a Folha não precisa dele, precisa é ser imparcial e deixar de ajudar o Serra.

  47. Regulação, controle é que eles não querem, não é somente a imprensa, mas todos os setores de atividade de um país, sejam elas politicas ou economicas. Irei citar alguns exemplos:
    – A imprensa não que orgão nenhum regule ou controle a sua atividade.
    – O setor financeiro tambem não quer controle
    – As empresas (todos os segmentos) tambem não querem
    – O poder legislativo tambem não quer
    – O poder judiciario, que deveria ser o guardião, tambem não quer, e não tem nenhum orgão que o fiscalize, assim sendo fica dificil exercer uma regulação ou fiscalização eficaz, as agencias reguladoras, são um belo exemplo de como a fiscalização não funcionam, as empresas deitam e rolam e nada acontecem com elas, aplicar multas milionarias, é o mesmo que dizer que esse dinheiro não chegará um centavo aos cofres do tesouro, seja eles municipais, estaduais ou federal, não seria melhor a agencia aplicar uma punição contra a empresa, e esse dinheiro ser revertido em beneficio do prejudicado (consumidor), e as empresas teriam um prazo de cinco uteis para indenizar o consumidor prejudicado, alem de efetuar o reparo do produto ou serviço, e se decorrido esse prazo de cinco dias, o consumidor poderia se dirigir a um orgão da justiça, e o juiz na mesma hora efetuar o bloqueio do valor da idenização na conta bancaria da empresa, e o consumidor dirigir-se a agencia bancaria e receber a sua idenização, se esse procedimento fosse adotado, os empresarios pensariam duas vezes, antes de prejudicar os seus clientes ou usuarios, com esse procedimento, muitas falcatruas deixariam de existir, os empresarios adoram mandar seus funcionarios procurar seus direitos na justiça, o mesmo procedimento eles aplicar contra seus clientes, pois eles sabem que a justiça é morosa, e a lei, e amplamente favoravel a eles, há tantos recursos, que quando os clientes conseguem alguma vitoria, para receber o dinheiro, levam muitos anos, inclusive decadas, a justiça julga, não não força os empresarios a pagar idenização alguma, o que leva os empregados e clientes prejudicados a negociar, e nesta negociação, os empresarios como é a parte mais forte, terminam sempre ganhando, se alguem tem duvida, basta ver a extensa lista de empresas devedoras de contribuições previdenciarias, muitas dessas empresas, deixaram de existir há muitos anos, e os empresarios certamente ja abriram dezenas de outras empresas.

    1. O Judiciário tem o Conselho Nacional de Justiça, hoje abarrotado de representações contra juízes, pelos mais variados motivos. Não se deve achar que todo o Judiciário é como os Tribunais Superiores (STF,STJ, STE TST,etc.). Juízes de instâncias inferiores, de Varas e tribunais regionais, são vigiados e passam por correições frequentes. O CNJ hoje é um órgão poderoso, e só não é melhor porque seu Presidente, por lei, o mesmo presidente do STF, no caso, o inacreditável Gilmar (Dantas) Mendes.

  48. Assim como a inutilidade de dar “pitacos”, típicos de quem não consegue justificar, fundamentar ou provar. Não é CLAUDIONOR FERREIRA das 21:16?
    “Quem não prova, não tem mais do que nada” (Enecerus).

  49. A experiência mostra que no Brasil tudo e todos que possuem poder estão vinculados à exceção da regra. Um espécie de tratamento especial da lei àqueles que, de alguma forma, podem induzir a maioria a acreditar no que se deseja. Assim, se você não pode com eles, una-se a eles. Na ausência de regras certamente só uma lei falará mais alto, a do mais forte ou tantos desentendimentos internos sobre regras trará o descredito da mídia na população.

  50. O que existe, na realidade, é uma verdadeira ditadura da Imprensa. Donos de jornais querem influir, com suas opiniões, nos governos. Quando havia uma ditadura militar em nosso país, os donos dos jornais usaram seus repórteres como soldados na linha de frente da batalha. Quando deixou de existir a ditadura, os donos dos jornais quiserem reassumir o comando, e ai já era tarde demais. Por isso foram contratados Matinas Suzuki, na Folha, que decapitou as lideranças do jornal. No Estadão, o próprio filho de Ruy Mesquita encarregou-se disso. Hoje os jornais não possuem lideranças, os jornalistas são apenas porta-vozes dos patrões. Eis o exemplo de Neumane, no Estadão, que substituiu Lenildo Tabosa.

  51. A MÍDIA, com raríssimas excessões, já está desacreditada pela população, tão grande é o seu comprometimento e o quanto é tendenciosa.
    O Direito foi criado no mundo para dar regras ao relacionamento humano. Que se criem leis, normas específicas, códigos, e não a deixem totalmente livre como está atualmente. Creio que esse é o caminho.

  52. Por falar em imprensa, leiam ai a material do blog “Cloacanews” sobre um achado ref ao Diario ZERO Hora de Porto Alegre , de hoje. O assunto é grande imprensa, remember.
    Si non è bene trovatto… é um epitáfio! mas enfim, tirem suas conclusões.

  53. Ja disse e repito, não tem essa de ” erro”, não existe “engano” a imprensa tem ideais e tem dono!

    Não é necessário regulação nenhuma, basta ela assumir o posto de orgão defensr da elite! Deixar claro aos seus leitores que não passa de um folheto da direita!

    Que é contra o governo LULA e a favor do SERRA!

    Essa falsa imparcialidade que ta sendo um tiro no pé!

  54. É bom saber que tem gente (do meio) pensando no assunto e buscando uma solução, os vergonhosos acontecimentos dos últimos tempos talvez façam as pessoas de bem (minoria) assumirem a luta pela mudança, como um exemplo a perseguição ao governo Lula, quanto mais perseguem mais aumenta a popularidade dele, é sinal de que o povo já não acredita mais nos Willians Boneres e Fátimas Bernardes da vida.

  55. SRA. SALETE CESCONETO DE ARRUDA a senhora não necessita pedir desculpas de nada. De tudo que disse em seu sábio e brilhante comentário, discordo apenas de uma citação sua: “Por favor! Desculpem meus erros. Não tive a oportunidade de aprender o Português corretamente…”
    Não se desculpe mais por isso! Já vi erros crassos, inclusive de concordância nominal e verbal, até em pronunciamentos e material escrito por doutor “honor is causa”.
    A Sra. aprendeu a se expressar muito bem e seu raciocínio lúcido, procedente e atual nos leva a crer que, com certeza, é uma privilegiada brasileira de rara inteligência, que não pode e não deve, por favor, nos negar seus comentários sábios. E os sábios não aprendem na escola tradicional, mas na escola da vida. Para mim é o que me basta! Parabéns!
    Faço questão de lê-los

  56. Caro Kotscho,
    Diante da canalhice manifesta em diversas matérias pseudo-jornalísticas sobre a crise em Honduras, não resisto e faço um exercício de futurologia:
    ———–
    Num futuro não muito distante, o grande lider democrático de um país vizinho, no seu terceiro mandato consecutivo, obtido graças a mudança na constituição do país, mudança essa saudada como uma benção para o país pela democrática mídia do continente, é injustamente acusado, por uma pequena parcela da população descontente com a fome e o desemprego crônicos (85% pelas últimas pesquisas), pelos males que assolam a grande nação que homenageia Colombo em seu nome. Durante uma traiçoeira ameaça de golpe (milhões de homens e mulheres, jovens e idosos, todos marchando pacificamente e exigindo sua renúncia) ele se sente ameaçado e se refugia na embaixada brasileira.
    O democrático, simpático e carismático líder brasileiro naquele momento, o tucano José Morrinho, é acordado para opinar sobre a autorização ou não para o abrigo ao líder irmão (são apenas 11:30 hs, madrugada para o notívago Morrinho). Perturbado pelo mau humor natural por ter sido acordado tão cedo, sem pensar muito nas consequências, autoriza a entrada do presidente e seus assessores na nossa embaixada. O povo cerca a embaixada e entoa canções que exigem a renúncia do presidente e a convocação de eleições livres, sem a participação dele.
    No Brasil, a pérfida oposição do PT imediatamente se manifesta em apoio ao povo daquele país.
    Imagino algumas das manchetes das notícias imediatamente veiculadas pela mídia brasileira:
    “Morrinho age como estadista e defende a democracia no continente”
    “Os golpistas devem ser duramente condenados”
    “Não aos golpistas – Morrinho está certo ao proteger o presidente eleito”
    “Oposição irresponsável apóia os golpistas contra o líder democraticamente eleito”
    “PT mostra sua face autoritária ao se manifestar favorável ao golpe”
    ———————–
    Como eu adoro a nossa mídia e a nossa oposição! São tão coerentes e previsíveis.
    Um abraço,
    Alfredo

  57. O que o ombudsman não comentou, ou se comentou não foi publicado, é a falta quase total de críticas, notícias / artigos sobre as administrações estadual e municipal de São Paulo. Parece que a Folha de São Paulo tem sede em Brasilia porque apenas o governo federal e o Congresso são destaques (geralmente negativos) no jornal. Ultimamente sairam algumas matérias criticando Kassab única e exclusivamente por conta do jogo eleitoral de 2010. Quem quiser se informar sobre os atos do governo de SP ou da prefeitura deve procurar outras fontes porque a Folha deliberadamente esconde o que aqui se passa.
    Outro aspecto é que a evidente diferença de postura do jornal no período FHC e no atual governo foi minimizada pelo ombudsman o que me parece descabido pois salta aos olhos dos leitores da Folha a má vontade em relação a Lula e tudo que possa se relacionar com ele.

    1. Na verdade Fernando tanto a mídia como nós (povo) parecemos não morarmos em um município que está dentro de um estado que está dentro de um país, tanto a mídia quanto as pessoas só comentam os acontecimentos nacionais e principalmente criticam ou defendem (mais criticam que defendem) o governo federal, quanto aos acontecimentos das cidades quando muito falam sobre alguns crimes e acidentes de trânsito, parece que não é na cidade que na verdade as coisas acontecem, e chegam ao absurdo de cobrarem do governo federal ações que são de exclusiva competência de seus municípios ou estados.

  58. Não por acaso a grande imprensa ignora ou tenta destruir o que faz DE BOM – um governo vindo e parecido com a maioria do povo brasileiro. Para ela, essa maioria não representa consumo de jornais e revistas e não está na parcela das elites que tentam manter seus poderes. Servem apenas para o IBOPE que lhes garante patrocínios milionários. Mesmo que seja a custa de programas que “emburrecem” o povo. O mesmo povo que até pouco tempo sequer ERA REPRESENTADO em novelas e filmes. Notícia? Só se fosse por crimes! Ou então algum ato heróico que fizesse o contra ponto do bem e do mal que ainda é imposto aos mais pobres. Tipo o que fazem ao mencionarem o PT de antes e PT no governo. Sobre o PSDB de antes e depois – NADA! O PSDB e seus aliados rasgaram a constituição no meio do primeiro tempo – sem reação da grande mídia. Se Lula, PT e aliados tentassem negociar um mandato – seriam crucificados!
    Sou fraca? Pode ser. Mas como já disse – não sou burra!
    A arte, a cultura, o jeito de ser e de falar – do povo e dos seus representantes – são ignorados pela grande mídia que se diz DEMOCRÁTICA! Eu vejo isso! Quantas entrevistas você tem visto com líderes comunitários e eleitores pobres – do Lula/PT?! Sabes se eles estão satisfeitos? Só as pesquisas nos dizem a grande verdade – LULA É O CARA! E é o presidente escolhido pela maioria!
    Qual a razão de a grande imprensa ignorar as boas coisas feitas pelo MST e outros grupos simpáticos ao PT ? Enquanto isso a UDR, CENTRÃO, E OUTRAS “TROPAS” da oposição ou do tempo em que eram situação – aparecem quase sempre – como santos! Até factóides – tipo as “Lina” são mais noticiados do que tudo DE BOM que vem sendo feito por este governo que representa a maioria dos brasileiros. No entanto – se são cultos – eles sabem que:
    SE NÃO ME VEJO – SE NÃO ME RECONHEÇO NO QUE VEJO – E SE O QUE FAÇO E O QUE FAZEM MEUS REPRESENTANTES NÃO É NOTICIADO – perco minha auto estima e minha própria identidade fica abalada!
    Então eu pergunto:
    Já não é tempo de discutir todas essas questões?
    Pense nisso.
    Jornais como o LE MONDE e quem não faz o jogo de certas elites e não perdeu a capacidade de ver a realidade dizem:
    LULA E SEU GOVERNO FAZEM MAIS PELA AUTO ESTIMA DO POVO BRASILEIRO DO QUE MUITOS ANOS DE TERAPIA! Marolinha! Não deixou que o pânico prejudicasse os mais pobres. E A ESPERANÇA VENCEU O MEDO – OUTRA VEZ!
    Será que a Miriam vai concordar que por aqui seria MAROLINHA – agora que o LE MONDE deu a notícia?!

  59. ¨The most popular politician on earth¨-Newsweek.
    Segundo a newsweek, Lula é o político mais popular da Terra.
    E agora:é PIG?,é lixo americano?,é verdade?
    Simei, everaldo,Enio,Aroeira e outros puxa-……,é ou não é?

  60. Eu e todos os 80% dos brasileiros que gostam do jeito de governar do Lula – esperamos que a grande imprensa acorde e nos respeite, dando as notícias boas e não apenas os pequenos erros do seu governo.
    Será que não merecemos?!

  61. repete-se a exaustão um unico fato.a midia arrasa uma determinada pessoa famosa,um protudo,umartista,etc.o massacre dura semanas.ex.maluf e o filho presos na mesma cela(o cúmulo da vergonha)banqueiro algema do,sainei arrastado na sargeta durante semanas.depois do massacre a midia parte pra outros.as v´itimas são inocentadas ou absolvidas com placar de 5 a 1.vejamos a outra face:não seria razoavel que essas ex-vitimas,pelo menos,não processasem,por injuria e com paganto pelos danos morais causados pelos responsáveis?parece até que estas bondosas vítimas alcançaram a santidade de um S.FRANCISCO e a iluminação de BUDA.alem de tudo são santos,pois é perdoando que se é perdoado,né não sainei,malluf,jader,collor e centenas de santos.AMEM.

  62. Boa ideia. OMBUSMAN seria uma saída. Autorregulação! Gostei. Aqui… mas isso não é nenhum “ovo de colombo”. O que falta, na verdade e como em todos os demais setores, é VONTADE. Por isso não somos respeitados. Concordo totalmente com Carlos Eduardo Lins da Silva: somos arrogantes demais.

  63. Ricardo, gostaria de sua opinião sempre sensata e imparcial sobre o que está realmente acontecendo com no NOSSO GLORIOSO JB…. voce deve ter lido a nota publicada na ‘ SUJÍSSIMA VEJA” , dizendo que o JB vai fechar se o atual dono não encontrar um comprador. Se isso acontecer será um crime contra o Rio e contra o Brasil…. O JB ainda tem um patrimônio que poucos jornais têm, que é a CREDIBILIDADE…. durante várias décadas em qualquer pesquisa que se fizesse perguntando qual o jornal de maior credibilidade o JB sempre estava no topo…. um nome e um patrimônio como esse não pode desaparecer…. Eu e minha família somos assinantes desse jornal há vários anos… e apesar da crise que ele passa, assim como quase todos os jornais do país, aqui no Rio , o JB tá sempre ” furando ” o Globo, que leio apenas para fazer comparação….
    Vamos SALVAR O JB… que é um PATRIMÔNIO do BRASIL!

  64. Ei Bob “Marley” meu velho, nun é bem assim. Veja o Kotcho, ele é a favor de mister president, just like you. Cada mídia faz seu show particular, parcial ou imparcial. Aqui e em outros blogs do mesmo provedor o barbudinho tá na área sempre não é. Então…

  65. Prezado Kotscho e Blogueiros.

    Pq a nossa mídia trata tão mal o Presidente Lula?
    É algo unânime. É Folha, Estadão, Abril, Globo …
    Vc pode não gostar de uma pessoa mas tratá-la mal, com arrogância é algo muito triste.

    Vejam o que a Imprensa internacional diz do Presidente:
    “O político mais popular do planeta”. Quem disse? A Newsweek.

    Pois é a publicação deu a longa reportagem “O político mais popular do mundo”, dizendo que “por sete anos ele fez um trabalho espetacular como presidente do Brasil.

    A Newsweek postou separadamente a íntegra da entrevista com o “carismático Lula”, “homem do momento”. E fez até uma relação com os “transformadores” ou “líderes que refizeram radicalmente os seus países” encabeçada por Lula, mais Margaret Thatcher, Deng Xiaping, Nelson Mandela, Kim Dae-jung etc

    Mas a imprensa brasileira não enxerga isso. Não enxerga as pesquisas. E só enxergou hoje o discurso do Presidente, na ONU, pq não teve jeito. Se escondesse pegaria muito mal.

    O que se passa Ricardo?

  66. Caro Kotscho:

    Viver em sociedade, democraticamente, significa que nenhum setor, seja ele qual for, pode ter poder ilimitado. Infelizmente noto que a maior parte da imprensa se julga intocável. Ataca a tudo e a todos, sob o manto da liberdade de expressão, consitutucionalmente garantida, sem que tenha qualquer represália quando ultrapassa (e isso é cada vez mais comum) o sagrado direito de informar. Na verdade isso vale mais para a grande mídia, indiscutivelmente manipuladora (cada vez menos é verdade) da opinião pública (bendita internet). A coisa chega ao ponto de você ver grandes emissoras de televisão e jornais escritos tentarem criar uma crise do governo brasileiro em Honduras, por ter dado refúgio ao presidente deposto depois de um golpe militar. Estão quase santificando o golpista e crucificando o presidente democraticamente eleito pelo povo de Honduras. Mas qual a razão de tudo isso? Simplesmente porque veêm nesse episódio uma chance de desgastar a imagem do presidente Lula. Pessoas que se dizem democráticas outrora, sem qualquer pudor, atacando a chancelaria brasileira. Impressionante!! Então, como podemos continuar admitindo que a imprensa não tenha alguma espécie do controle? Definir regras para a imprensa não significa amordaçá-la, mas sim obrigá-la a informar com a maior imparcialidade possível, reponsabilizando-a, de fato e de direito, quando usurparem da função, como o exemplo que vc deu do dossiê falso. Assim, a imprensa num todo terá muito maior respeito e credibilidade na visão de toda a sociedade.
    Abraço

  67. Concordo plenamente com Carlos Eduardo Lins da Silva,
    é pena que aqui no RGN temos um senador chamado ze gripino, ou cabrinha sem vergonha, ñ quer que o presal ajude aos mais pobres. Ou senador nojentoooooo……..

  68. Sem assunto novo, não há o que comentar. Assunto vc teve bastante nesta semana. Lula tem 81% de aprovação do seu governo; para a imprensa americana Lula é o politico mais popular do planeta; crise em Honduras e o Brasil entrou de gaiato no navio; mas cumpriu seu dever de prestar asilo politico; o Morrinho-vulgo “Serra” (e por tabela o PSDB tem obrigação moral de calar-se) cala-se, porque já precisou de asilo politico no Chile e sem esta ajuda diplomática hoje ele já teria se graduado ha muitos anos em geologia no campo santo; o Palmeira disparou na tabela, Deus ajuda quem trabalha e aproveita as oportunidades; Hildebrando pegou 18 anos (quem iria acreditar há alguns anos?) que somados já ultrapassam 100 anos de prisão, só nao sabemos se ele esta de fato na cadeia, porque no Brasil nem sempre pegar pena de prisao significa ir pra cadeia (como entender um país que tem estas dúvidas existenciais primárias); Sarney já vociferou que “aqui quem manda sou eu, nomeio quem eu quiser” e a gente tem que engolir calado; o congresso criou 15 mil novos cargos de vereadores, remunerados claro, e já agendou reajuste de jetons para todos, em regime de urgência urgentíssima; enfim, segue a vida, que é pra ser vivida; de minha parte procuro entender e aceitar o que nao entendo, e a manter a cabeça vazia e aberta pra tudo, e de vez em quando, e quando posso, estendo-me na rede, com minha latinha de cerveja na mão a dizer, como Macunaima: “___ Ai ! Que preguiça…”

    Um abraço Cidadão K, puxe um assunto bom pra gente tirar um dedinho de prosa

  69. oi, tudo bom? rsrs bom estou aq pra fazer um pedido, fiquei sabendo por uma fonte confiavel que esta rolando no congresso a ideia de reformular o codigo penal brasileiro e entre as medidas estaria a “reformulação” da lei maria da penha, desagravando (essa palavra existe?) as penas e os crimes! seria um total e completo retrocesso qnto a poticas publicas para mulheres e como voce conhece os tramites de la, gostaria de pedir, não só mais informações, mas caso se real que vc postasse sua opinião sobre isso! obrigadooo

  70. Ricardo…..estamos na espectativa de um cometário seu a respeito do ”emblemático” quadro político em honduras e , claro, sobre a participação do brasil neste ””’conflito”’.
    obs: para os saudosistas de ””’crises ”’ no brasil alavancadas pela mídia,ai está : honduras é o novo foco de pancadaria no governo brasileiro,alimentado, evidentemente , pela ””imparcial”’ mídia brasileira……….
    abraços ricardo

  71. Porque a mania de perseguição?
    Porque é proibido apontar algum defeito, deficiência ou eiva no atual governo?
    Mesmo que sejamos uma ínfima minoria deveríamos ter nosso direito de contestar sem tanto açodamento.
    Penso que responder as criticas é normal e até admissível, no entanto o que me causa pasmo é a repugnância com que a maioria dos defensores deste sistema e deste governo tem daqueles que querem algo melhor ou distinto de suas preferências.
    Parece-me que é proibido pensar diferente ou antepor se aos atuais donos do poder daqui a pouco tentarão “para fazer daqueles mais exigentes” a proibição do pensar ou do exigir aquilo que porventura almejam ou ambicionam.
    Tudo é acossamento, não se pode recriminar ou colocar opiniões divergentes.
    No meu caso sou apenas mais um cidadão brasileiro que apenas gostaria de ter meus direitos fundamentais respeitados e que meus filhos e irmãos de origem tivessem um futuro melhor que o meu, não tenho preferência política por nenhum outro e, no entanto vejo muitos defeitos no atual governo e sistema que gostaria que fosse melhor.
    Porém se me manifesto como agora sou tachado de adversário, contestador, ingrato, infrutuoso, ardiloso, maquiavélico, do contra etc.
    Diz o velho ditado que ‘toda unanimidade é burra’ e vocês os defensores da atual governança deveriam é agradecer aos poucos que pensam diferente de vocês para que esta frase não fosse apropriada.
    Com todo o respeito, um abraço aqueles que querem melhorar e aos que querem a inalterabilidade e preferem recriminar a critica ao invés de usá-la para construir.

    Algum problema para aceitar meu texto?

  72. e facil acabar com esses pasquim se ler e saber que não e verdade segundo deixar de comprar os pasqui.e deixar de assistir a rede bobo de televisão,não seja tele bobo

  73. Quando alguém possui um direito que não conhece limites, acaba como o lobo da fábula: por mais que se argumente, por mais que se prove a falta de lógica, a mentira implicita, sempre haverá um contra-argumento, ainda que seja “se não foi você, foi seu pai, ou seu irmão”. Assim é a nossa imprensa – seu “direito de informar” não tem qualquer limitação, então nada é abuso, nem expor cadáveres despedaçados, nem publicar manchetes falsas, nem fazer proselitismo político-ideológico disfarçado de opinião de “especialistas” nunca identificados, como se sempre houvesse unanimidade entre acadêmicos – o que não acontece nem em Física e Matemática, quanto mais em ciências humanas.
    A idéia de Conselho de Auto-regulamentação é bastante boa, mas temo que se torne um BACEN: ao invés de regular e fiscalizar o sistema financeiro em favor da sociedade, controla e regula o que seja necessário para proteger os bancos, em detrimento de nós outros, cidadãos comuns. Contudo, melhor um BACEN que levou 20 anos para reconhecer que o Código do Consumidor se aplica às instituições financeiras, do que a selvageria vigente.

  74. Para ilustrar a falta de autoregulação da imprenssa destaco uma matéria do Jornal Nacional sobre o Vice-Presidente. Sempre que o Vice ia ou saia do hospital, a Globo mostrava entrevista com ele. Nessa ultima saida, Alencar lembrou que um jornal Francês terceu elogio a Lula sobre a Marolinha da Crise e disse que o Lula estava certo. O JN não mostrou a fala do Alencar e simplestemente disse que o Vice-Presidente tinha saido do hospital e que tinha falado sobre Juros. Outro caso foi quando o JN falou sobre o desemperego nos USA, disse que era o maior indice da História mas que o pais estava se recuperando, etc. Quando falou sobre desemprego do Brasil disse que o indice estava melhorando MAS, que em relação ao mesmo período do ano passado,etc. Vejam que sempre o MAS da globo é sempre utilizado para detonar os números positivos do governo Lula. Ontem mesmo Alexandre Garcia e Miriam Leitão tentaram a todo custo criticar a posição da Embaixada Brasileira em Honduras porque havia dado asilo ao Presidente deposto, ou seja, a GLOBO COMO SEMPRE APOIA O GOLPE E UM DITADOR DE PLANTÃO. HOJE ASSITINDO O BOM DIA E ONTEM O JN parece que alguém deu um puxavante de orelha e eles recuaram. TUDO EM FUNÇÃO DE DETONAR O LULA. Haja paciência. O Lula foi muito bom, pois se fosse comigo eu não tinha renovado a concessão da Globo.

  75. Eu havia dito acima que a Sra. Salete Cesconeto de Arruda
    é bem vinda com sua visão, sua rara e privilegiada inteligência. Pedi-lhe que escrevesse sem se preocupar com os possíveis erros de Português. Pois bem, estimada senhora, leia na coluna do Gerald Thomas, de hoje, o erro crasso cometido por esse pernóstico escritor. Ao invés de escrever: COLOQUEM-NA teve a coragem de escrever “coloquem ela…” Para piorar não aceitou nenhum dos meus três comentários, inclusive, creio, o em que, despretenciosamente, ensinei-o a escrever corretamente.
    Portanto, querida amiga, continue nos presenteando com seus textos muito bem escritos e não se preocupe com o seui Português que é melhor do que o desses pretenciosos e pernósticos.

  76. Ia esquecendo Sra. SALETE: A Míeriam é o CORVO AGOURENTO da Globo. É tendenciosa, como sua Empresa, de quem recebe ordens absurdas, abaixa a cabeça e, sem nenhum escúpulo ou constrangimento, sempre com um sorriso de hiena nos lábios de traira, cumpre todas, principalmente contra o nosso atual Presidente, para mim um GÊNIO POLÍTICO MUNDIAL, incontestável.
    Eles, da Globo, agora estão torcendo para que Honduras invada a nossa Embaixada, apesar dos americanos elogiarem a atitude do Lula e a ONU, em sua visivel maioria, aplaudir .
    Com certeza amanhã eles mudarão esse tipo de comentário para satisfazer os EE.UU.

  77. Concordo totalmente com o comentário do Lombardi,o que ele falou é a mais pura verdade.
    Agora eu digo;se essa medida que se está defendendo aqui,de regulamentação,fosse alguns anos atrás,seria taxada de censura da ditadura.Mudam os tempos e junto mudam até os nomes das mesmas coisas

  78. Eis o jornalismo democrata

    A tosca armação contra Victor Martins evidencia a importância estratégica de seu irmão. A imprensa oposicionista não engoliu a transferência de Franklin da Rede Globo para o Palácio do Planalto, onde empreende um salto de qualidade na comunicação do governo federal.
    A mídia corporativa jamais se recuperará do vergonhoso papelão que desempenha durante os anos Lula. Fico imaginando como a posteridade verá essa sucessão de falsos escândalos, inventados com triste desfaçatez pelos maiores veículos nacionais: os dólares de Cuba, a planilha de gastos do casal FHC, os grampos de Gilmar Mendes, as acusações de Lina Vieira, a ficha de Dilma no DOPS, o dossiê contra Victor e assim por diante.
    É espírito democrático para teoria conspiratória alguma botar defeito.

  79. O artigo é, por demais, pretencioso, pois retrata situações que, na verdade, ñunca existiu.
    Não estou defendendo oposição ou governo, pois não só uma coisa nem outra, apenas seio o que é bom pra mim e para o Brasil, pois sou um cidadão que paga imposto, não sou funcionpário público, não sou político, entretanto, acompanho o que se publica na mídia.
    Muito da imprensa louva o LULA, pelo que ele tem feito pelos brasileiros, entretanto, não fala nada dos desmandos do governo dele e da corrupção que ele acoberta e/ou apoia.
    Essa mesma mídia esquece que o LULA não inovou em nnda, apenas teve o bom senso de não desmontar o que o govendo anterior deixoi e isso foi um grande mérioto, pois no Brasil a regra e desmontar o que o antecesor deixa para criar outros projetos, muitas vezes sem futuro e sem lógica. A oposição não deve criticar por criticar, senão se torna uma oposição irresponsável. Há muito tempo que esse tipo de oposição (digo de forma geral) não critica nem desmerece o que vem sendo feito de bom nesse governo, e esta certa, pois a critica deve ser dirigida ao que está errado. Se o articulista esperava que a oposição criticasse o LULA pela força dada em favor das olimpíadas, está errado, pois, como brasileiros, devemos todos tporcer pelo Brasil.
    A oposição deve se importar em organizar um projeto para o Brasil, apóis 2010, se for vitoriosa nas eleições e largar de mão das picuinhas palacianas que nada constroi. 2010 vem aí devemos tomar vergonha e procurar votar em gente séria e honesta. Não vale mais o “rouba mais faz” que dominou parte da nosso política.

  80. Ricardo,

    A respeito do livro dos poetas dos tempos mortos da ditadura, trago a voce texto meu. Sem dúvida mais uma vez pego carona em outro tema. Entretanto, abrindo seu blog, hoje, vi a notícia de um livro sobre tais poesias. Aqui a que escrevi:

    O vento arrancou os cartazes das paredes,
    As chuvas e o tempo apagaram nossos gritos
    pixados nos muros dos anos.

    As sombras de nossas vidas foram escorrendo
    pelos umbrais ao longo dos caminhos
    E a memória de nossos rostos foi-se dissolvendo
    Em violetas que cheiravam a cemitério,
    Ao som de passos que já não existem.

    Quem sabe se virando à esquerda,
    Logo adiante,
    como hóspedes do tempo,
    Nós possamos reaparecer,
    Saindo do poente,
    Nem piores nem melhores do que outros,
    Apenas nós, antigos interlocutores da lua,
    Sem rostos e sem nomes,
    Mascarados continuando nossas danças
    Cantando os hinos de nossos sonhos,
    Despojados de ódios
    E mesmo do direito à sagrada vingança…

    Envelheceram nossas lembranças e heróis,
    E nossos mortos restaram no silêncio com seus gritos.
    Os sobreviventes murmuram suas tragédias sem audiência,
    E com outro medo,
    Mais amargo, terrível e perverso,
    O medo de terem sido crédulos e inocentes,
    Apaixonadamente embriagados pelos sonhos
    porque foram morrendo.

    Até a tortura na carne
    que submetia o espírito
    Instigava naquele tempo uma dignidade
    Absolutamente impossível hoje!

    Como restos de mesa posta,
    Assim sobrevivem os tempos
    Que os Deuses nos deram para viver.

    1999. Fevereiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *