Filhos das excelências nas escolas públicas

Filhos das excelências nas escolas públicas

Atualizado às 13h40 do dia 1º/5

Só agora, começo da tarde de sábado, encontrei uma lan house no Café Maringá, em Bocaina de Minas, para liberar os comentários. Onde estou hospedado, em Visconde de Mauá, no meio do mato, não pega nem celular. Por isso, a demora.

Mas valeu a pena ler os mais de 100 comentários que chegaram para o post com o artigo do senador Cristovam Buarque publicado aí abaixo _ no mais rico e qualificado debate desde que o Balaio entrou no ar em setembro do ano passado.

Depoimentos de professores, de pais de alunos e ex-estudantes de escola pública fornecem material para uma alentada discussão sobre os rumos do ensino no país. A maioria apóia a idéia de Cristovam, mas é cética quanto à sua aprovação pelos atuais parlamentares.

Pela primeira vez, não tive que excluir nenhum comentário, o que me deixa muito feliz e prova que a internet pode ser um belo fórum para o debate de idéias que não têm espaço na grande mídia. 

Um dos leitores do Rio de Janeiro, Renan Doyle (aqui quase todos mandam seus comentários com seus nomes verdadeiros e completos), das 11H50 de hoje, resumiu no final do seu comentário o sentimento geral:

“Povo culto é povo questionador, e isto nenhum político quer, pois não se elegeriam e a mamata acabaria”. 

Aos leitores:

viajo hoje, sexta-feira, para ir a um casamento em Visconde de Mauá, no Rio, e só volto no domingo. Não sei se lá será possível conectar a internet.

Por isso, não sei quando conseguirei fazer a moderação de comentários. Pretendo descansar um pouco, depois de passar várias semanas, incluindo fins de semana, direto no computador, que fica ligado das 9 da manhã às 11 da noite, e também precisa de uma folga.

Bom feriadão a todos. Deixo com vocês um instigante artigo do Cristovam Buarque que vale a pena ler.

Todo ano, tão certo como acontece no Carnaval, na Páscoa e no Natal, as manchetes sobre os resultados do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) se repetem:

Folha: “Enem expõe desigualdade entre públicas e privadas _ Entre as 20 instituições mais bem colocadas no exame, 15 são particulares”.

O Globo: “Enem mostra a falência das escolas públicas nos Estados”.

Como mudar este quadro?

O senador-professor Cristovam Buarque, aquele eterno sonhador que sonha de olhos abertos, tem uma proposta: obrigar suas excelências, os políticos eleitos pelo povo, a matricular seus filhos em colégios públicos.

Ah, mas eles não vão querer, dirá o leitor mais cético ou realista, como queiram, com toda razão. Mas, que a idéia é muito boa, não tem dúvida. Se este projeto por milagre fosse aprovado, eles certamente se preocupariam mais em oferecer nas escolas públicas um ensino de qualidade para seus filhos.

Educação pública passaria a ser, de uma hora para outra, prioridade nacional.

Como não custa nada sonhar com um futuro melhor para o país, o Balaio publica abaixo com exclusividade este artigo escrito pelo meu amigo Cristovam Buarque. 

O leitor vai encontrar nele bons argumentos para defender sua proposta de colocar os filhos dos eleitos nas escolas públicas onde estudam os filhos dos seus eleitores. Quem sabe, desta forma, um dia possam mudar as manchetes de todo ano sobre o Enem.

O que os amigos do Balaio pensam deste projeto? Tem alguma chance de ser aprovado? Se os leitores/eleitores se manifestarem, talvez suas excelências possam se tocar para, pelo menos, colocar em discussão a escola pública. Nunca é demais sonhar _ e fazer alguma coisa para mudar a realidade.

Artigo para Blog do Kotscho

 

Cristovam Buarque

 

 

Meu pai e minha mãe não eram católicos praticantes, mas meu irmão e eu estudamos em colégios religiosos: maristas.

Além da proximidade da escola em relação a nossa casa, a principal justificativa é de que as vagas nas poucas escolas públicas já estavam preenchidas com os filhos das pessoas influentes, especialmente os deputados, senadores, vereadores, seus apadrinhados, ricos e bem conectados.  

Ainda mais: as escolas religiosas eram baratas, os professores, missionários sem família nem salário. Não pagavam aluguel, nem impostos; os equipamentos eram apenas quadro negro e um simples laboratório de química e física.

Hoje, quando se propõe que os eleitos deveriam colocar seus filhos na escola pública, onde estudam os eleitores, a idéia é considerada demagógica.

Em 40 ou 50 anos, desde que a população pobre migrou à cidade e colocou seus filhos na escola pública, a parcela rica, inclusive os parlamentares, migraram para a escola privada.

A partir daí, a escola pública foi abandonada, entregue aos municípios.

Em pouco tempo, consolidou-se a ideia de que a apartação era legítima: ricos que podem pagar têm o direito de estudar em escolas particulares de qualidade; pobres, que não podem pagar, ficam em escolas ruins, precárias, sem equipamento, com professores mal pagos e desestimulados.

Quando se considera demagógica a ideia de fazer com que filhos de pobres e ricos, de eleitores e de eleitos, estudem na mesma escola, é porque se considera essa apartação legítima. Isso lembra o discurso de quem era contra a Abolição da escravatura, há 300 anos.

Quando, depois de 300 anos, surgiu a idéia da Abolição, ela foi vista como demagógica, impossível, injustificável.

Os argumentos então eram muitos. Primeiro, como considerar negros com direitos iguais aos brancos? Como fazer funcionar a economia sem escravos? Como tirar dos senhores o direito à propriedade que eles tinham comprado?

Pouco a pouco, a idéia virou realidade, ficou aceita e possível. Terminou acontecendo. Os proprietários foram desapropriados; os negros tiveram, é certo que apenas na lei, os mesmos direitos; e a economia não parou, ao contrário, adquiriu uma nova dinâmica.

O mesmo vai acontecer com a idéia da escola igual para filhos de eleitores e de eleitos. Terminará aceita, e trará um inegável impacto positivo na educação pública e, a partir daí, na democracia social ainda incompleta no Brasil.

Além disto, é uma maneira de comemorar os 120 anos da República: não é uma República plena aquela que tem uma escola para os eleitos diferente da escola dos seus eleitores.

 

 

                                     Brasília-DF, 29 de abril de 2009

 

 

139 thoughts on “Filhos das excelências nas escolas públicas

  1. Kotscho – demais amigos,

    bom dia !!

    Esse artigo, ao mesmo tempo em que parece demagógico, é também fantástico !!!!!

    E, para que não houvese reclamação, poderia ser feito o seguinte: a lei é aprovada para passar a valer a partir do PRÓXIMO mandato parlamentar.

    Ou seja, os nobres parlamentares poderiam considerar como DIREITO ADQUIRIDO o fato de poderem ter seus filhos em escolas particulares.

    E, para os que se candidatassem a partir das próximas eleições, a regra do jogo já seria essa. Ou seja, não teriam do que reclamar, porque a regra já estaria estabelecida previamente, e, portanto, caso eles quisessem que seus filhos continuassem a frequentar escolas particulares, seria muito simples: bastaria abrir mão de concorrer aos cargos públicos.

    Afinal de contas, ninguém é obrigado a nada – viva a Democracia – e se as coisas estiverem muito ruins pra eles, é só usar a técnica Capitão Nascimento: Pede pra sair !!

    Brilhante !!!

  2. Quando eu tinha idade escolar, na nossa turma se dizia que os alunos de escolas particulares eram burros, e portanto os pais tinham que pagar pra eles passarem de ano. Eu sempre estudei em escola pública, e realmente naquele tempo, a escola pública era muito superior às particulares. Depois de 64, o ensino público deguingrolou, não sei se por influência dos gringos, ou por ineficiencia dos governos militares, que não souberam ver na educação a melhor via para o desenvolvimento do pais.

  3. Certa vez ouvi uma frase do Oswaldo Montenegro, com a qual concordo em número, gênero e grau: “O Brasil só vai ter jeito quando os políticos forem obrigados a matricularem seus filhos nas escolas públicas e a tratarem seus pais nos hospitais públicos!”
    Há pouco tempo li uma reportagem em que um político de outro país (desculpem, mas não lembro qual o país) tinha tido seu mandato cassado por ter matriculado seu filho em uma escola privada!
    Sonhemos, cidadãos, sonhemos!!!!! Pode ser que um dia alguma pessoa de fato honesta tome as rédeas desse país!

  4. Em muito boa hora esta carta do sen.Cristovão ,junto me a êle a questionar o atual governo ,a onde esta o ensino público de qualidade ? Uma nação sem um projeto de educação ,não tem futuro, já se passaram oito anos , vai acabar o segundo mandato ,e continuamos a esperar .Que ele ,o Lula não pode estudar,se entende ,agora vamos revolucionar estre país atravéz da educação , é pra onten .

  5. Tenho muito respeito pelo Sr. Cristovam Buarque, mas o problema da educação no Brasil não está dentro das escolas, mas sim fora dela. O desinteresse dos pais pela educação dos filhos (para a maioria a escola é um depositário de seus filhos para que eles possa trabalhar tranquilamente). Outro fator é a ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) que tirou dos professores e diretores a autoridade que eles tinham. O legislador confundiu direito com autoridade, ou seja, além de direitos deu às crianças e adolescentes uma autoridade que eles não têm condições de assumir. Por exemplo, no inciso III do artigo 53 do ECA, está estabelecido que a criança e o adolescente tem direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores. Que formação, que capacidade tem uma criança ou um adolescente de questionar critérios avaliativos, estruturados por pessoas com formação em pedagogia, dentro de diretrizes estabelecidas até mesmo por lei.

  6. A idéia é antiga e boa, mas vou mais além, deveriam também em problemas de saúde serem atendidos pelo SUS, andar de ônibus ou metrô e não ter direito a segurança privada….aí a coisa andaria …..

  7. Bom Dia a todos!!

    Deveriamos tambem impor que politico vivesse com salario minimo , pois são eles que consideram que o que definem da para viver!!!!!

  8. Não entendo porque declarar que essa proposta é demagógica, talvez o político que a tenha feito possa até ser, não sei…mas a proposta é perfeitamente legítima. Quero sugerir que incluamos nessa mesma proposta a obrigação dos nobres parlamentares servirem-se também exclusivamente dos serviços públicos de saúde. Uma pergunta: Porquê as nossas “queridas” emissoras de televisão não dão destaque a essa matéria? Que sabe se o fizessem tivéssemos a chance de discutirmos seriamente essas propostas.

  9. Com a criação do Fundeb a Educação já passou a ser prioridade nacional. O incremento de verbas para a educação é extraordinário, inclusive a melhora do salário dos professores. Existe agora até um piso salarial em todo o País, R$950,00. As melhoras já começam a ser observadas. Agora, não se pode, da noite para o dia, consertar a miséria secular que existe no Brasil. Os “estadistas” brasileiros que governaram desde a Proclamção da República, transformaram o Brasil na sociedade mais desigual do mundo. O pior é que esses ordinários safados lutam desesperadamente para voltar ao Poder.

  10. Achei genial! Só assim, à força, é que nossos parlamentares irão despertar para a realidade que muitos deles nem conhece, nem vive, nunca experimentou.

    Aprovado!

  11. Excelente a proposta!

    Começaríamos pela educação, depois a saúde.

    Como disse um leitor da Folha, mais ou menos nestes termos: no caso da saúde, tomada tal decisão, continuariam a morrer as pessoas menos favorecidas, mas ficaríamos livres, por outro lado, de muita porcaria.

    Grato,
    Claudio
    Belém

  12. O problema da imprensa brasileira é a proposital descontextualização para enganação.
    Um análise mais atenta não só aos resultados, mas à realidade das escolas brasileiras, poderia mostrar para a população uma informação mais próxima do real:
    1. A escola privada é, por natureza, seletiva. A escola pública é de todos, não fazemos seleção alguma para ingresso das crianças e adolescentes nas instituições de ensino. Temos um número altíssimo de alunos, mas poucos estudantes. Á universalização do ensino é, sem dúvida, obrigação dos Governos, mas para o cidadão deveria ser, apenas, um direito. Temos nas classes públicas brazileiras milhares de alunos que, no momento, não estão interessados em escola, mas são obrigados a frequentá-la. A função da escola é ensinar, porém é impossível ensinar quem não quer aprender. Existem várias falácia da educação, umas tantas defendidas por Buarque, que dizem que a escola tem que ser “assim e assado e coisa e tal”, mas a verdade é que ninguém motiva ninguém, e no final, saem-se bem as escolas que se preocupam menos em agradar e mais em ser profissionais.
    2. Temos professores que, muitas vezes, recebem mais para trabalhar na pública que na privada, mas fazem questão de oferecer aos alunos da rede pública um ensino público.
    3. As associações de professores vivem pregando aos quatro cantos uma briga pela chamada escola de quallidade, mas não criam elas mesmas uma escola para mostrar qual é essa escola de qualidade. Ficam no caô, no discurso vazio. E não poderia ser diferente. Os sindicatos são classistas, representam apenas um elemento do processo educativo, os professores. Quem disse que só os professores evem opinar sobre educação?
    4. A mídia, a Globo, principalmente, porque tem interesse em divulgar seu TELECURSO, canta glórias ao ensino a distância. Não é de todo mau não, mas, pera lá, o ensino a distância é plenamente justifiável no Acre e no Amazonas porque sabemos da configuração geográfica desses dois estados, porém em Sergipe, isso é um absurdo! Não se justifica formar um professor a distância no menor estado da Federação, totalmente interligado por rodovias. Resultado vai para sala de aula um professor, supostamente formado em matemática, para lecionar no ensino médio, mas que não sabe resolver uma equação.
    5. Isso sem contar as politicagens, os jeitinhos, são tantas histórias cabeludas que seriam capazes de arrepiar cabelo de careca.
    6. As administrações públicas também são um horror. Visite uma Secretaria de Educação de qualquer estado ou município brasileiro, quase sempre estão abarrotadas de gente que não se entende, cada uma tem uma tese mirabolante, mas pouca ação.
    7. Quanto aos eleitos matricularem seus filhos nas escolas públicas, é proposta antiga, não só na educação, mas na saúde também. Todo eleito deveria utilizar exclusivamente os serviços públicos. Mas, pasmem, os próprio professores e representantes sindicais, com raríssimas exceções, não matriculam seus filhos na escola pública, por que será?

  13. Excelente idéia, não foi proposto nada igual nunca antes na história deste país..e que as excelências não ganhem mais passagens aéreas, mas sim de ônibus para que desfrutem de nossas maravilhosas estradas,, e também não recebam mais carros oficiais , para que usufruam do magnifico transporte público de nossas cidades, afinal , eles merecem..
    Este Cristovam Buarque é demais, vou mudar pra Brasília, só pra ter a honra de votar nele..
    Cristovam Buarque para Presidente,
    Fausto De Sanctis para presidente do supremo – Fora G. Mendes,
    Protógenes pra chefe da polícia federal..

  14. Bom Dia a tdos!

    Até concordaria com o Senador… mas vamos com cuidado! Muitos deputados e senadores tem filhos em idade universitária e sob esse argumento muitos tentam (ou transferem) os seus filhos para a UnB a partir de uma Faculdade particular em sua “base eleitoral”.

    A questão principal para melhorar a qualidade de ensino continua sendo a questão salarial! Apesar do piso nacional aprovado pelo Congresso, muitos Estados nem isso praticam.

    Aqui em São Paulo um professor da rede estadual (há vários anos nas mãos dos governos tucanos) pagam cerca de R$ 700,00 para vinte horas de trabalho.

    Não custa lembrar que há a alguns anos (final da década de 70) os professores por vinte hora recebiam cerca de 5 salários mínimos e nessa época o salário já havia sido reduzido pela metade, pois na década de 60 equivalia a 10 salários minimos.

    Nas greves no final da década de 70, o então governador Paulo Maluf, lançou uma frase até hoje repetida por muitos: “professora não ganha mal, o problema é que ela é mal casada”.

    Ou seja, além de machista e preconceituoso, rebaixa a profissão de professor a uma categoria de trabalhos secundários e complementares!

    Foi o que aconteceu com a profissão de professor nos últimos. A isso, soma-se a tradicional pergunta feita em sala de aula: “professor o senhor trabalha ou só dá aula?”

    Na maior parte das vezes, os professores que atuam nas redes públicas, são os mesmos que atuam nas redes privadas, mas com resultados diferentes, devido às condições estruturais e de trabalho que oferece um lugar e outro. A isso se somam outras variáveis que valeriam teses e teses…

    abraços a todos,

    Ricardo Ogusku (professor)

  15. Realmente, se vingasse a idéia do Professor Cristovan Buarque tenho a certeza de que, em DOIS ANOS o ensino público sofreria uma reforma no real sentido da palavra e não essas pseudos reformas que estão sendo manejadas pelo governo, seja no âmbito federal ou no âmbito estadual.
    Mas…. será que chegaremos a presenciar esse acontecimento, ainda neste século?

  16. A RODA DA VIDA EM CIFRÃO.
    Aonde vai a elite, o interesse monetário vai junto. Isso não se dá da mesma forma com a excelência. Temos excelentes escolas públicas e escolas particulares de excelência. Mas que o interesse e verbas vão junto da elite, isso é verdade. Talvez (diante da apatia popular) esse seja um caminho para os olhos do poder se voltarem para o ensino público de qualidade.

  17. Talvez sejam necessárias medidas que forcem a busca por igualdade social em diversas frentes em um primeiro momento, para que essa igualdade seja alcançada com equilíbrio próprio e natural mais para frente. As desigualdades foram sempre muitas. O “laissez-faire social” não seria permitir que sobrevivam, como temos visto?

    Loucura ou não, acho realmente uma discussão válida. Ainda é um artigo, aguardo ansiosamente o projeto de lei.

  18. Enfim uma idéia lúcida partindo de um político. Sem querer estragar a inovação, eu que sou advogado militante, já a algum tempo ouço o falar das ruas e as pessoas vão ainda mais longe. Que tal se os canalhas, digo políticos eleitos ,fossem obrigados a matricular seu filhos em escola pública, a frequentar hospitais públicos e serem proibidos de ter segurança particular? Por quê por exemplo, a ministra que é funcionária pública pode se tratar no Eisten ou no Sírio Libanês e o povo comum tem de se virar(Morrer) na rede pública? aliás, já repararam que em hospitais públicos há mais seguranças do que profissionais de sáude? Aprovação dessa lei já!!!!!!

  19. Ao invés de inventar quotas demagógicas e autorizar funcionamento de centenas de cursos superiores aparentemente sem critério algum de excelência, apenas para detonar um mercado de trabalho já selvagem, por que não oferecer aos alunos da rede pública um preparatório de qualidade , via ensino á distância ? Já está provado que o ensino á distância funciona e bem,desde que feito com seriedade.

  20. Quisera poder votar em Cristóvão Buarque para senador. Este homem público é uma reserva moral em meio ao ambiente podre que toma conta de Brasília. Como a saúde e outros serviços destinados aos pobres, a educação é tratada com desdém, propositalmente, pelos políticos. Não há qualquer interesse em melhorar a educação, pois, eleitor instruído tem aguçado o seu poder de discernimento. Desta forma, não votará em qualquer um. Apesar de avanços como o Prouni, que levou muitos brasileiros pobres aos bancos da universidade, ainda há uma revolução a ser feita na educação neste país. Certamente ela não se concretizará pelas mãos de pessoas que nunca experimentaram a pobreza e a exclusão social. A pele dessa gente é fina demais.

  21. Parabéns pela observação !
    é comico o que encontramos no Brasil !
    Governantes que administram bem os tesouros da nação ,
    e a nação propriamente dita …
    acho que esqueceram desta parte….
    rsrsrsrs

  22. Acabo de perder a esperança de ver meu filho estudar numa escola pública. Por 2 motivos : 1) se a escola pública for de boa qualidade, quem vai conseguir matricular o filho lá ? Resp. : os parlamentares e a quem eles indicarem, mas claro, sempre sobra uma meia duzia de vagas pros menos favorecidos. 2) EU NÃO IA QUERER VER MEUS FILHOS EM COMPANHIA DE FILHOS DE PESSOAS DE CARATER DUVIDOSO.Mas que a ideia parece um bom castigo, isso parece.E se meterem esses na cadeia ? Via de regra reformariam a cadeia ?Nada disso funciona enquanto um professor não ganhar salário suficiente pra trabalhar e se dedicar à uma unica escola publica por vez.

  23. pois he,como explicar os filhos de ricos e parlamentares que estudam em uma faculdade publica,estou falando da USP,amigos, filhos de pobre nao conseguem entrar na USP,salvo raras excecoes ,porque filhos de pobres tem que trabalhar durante o dia para ajudar a familia certo?

    prestam vestibular na USP,porem nao conseguem entrar,mas os filhos dos ricos e parçamentares entram,todos sabemos porque eles conseguem entrar.

  24. Uma idéia simples e bem objetiva!

    Ah!O que seria da nossa vida sem os sonhadores…

    Acho plenamente executável a idéia!Mas para isso o povo teria que fazer pressão. O nosso povo na realidade em muitos casos são tão alienados, que entendem que o fato de o governo oferecer uma escola pública não passa de um favor. Não conseguem ainda perceber que aprender, vai muito além de estar matrículado na escola, é preciso ferramentas e profissionais que dispertem em nossas crianças e adolescentes a paixão por aprender, pois quando a paixão é despertada o próprio aluno passa a exigir cada vez mais da escola e do profissional da educação.
    A família tem uma responsabilidade muito grande em acompanhar e exigir as melhores práticas.

    Agora plagiando aquela propaganda chefem os olhos e imaginem: Nossos ilustres políticos chegando à uma reunião de pais e mestres na escola pública e torcendo o nariz para toda aquela degradação e falta de preparo. Imaginem a cena deste mesmo político sentando naquelas cadeiras quebradas e sujas e à sua frente um professor que muitas vezes nem sabe pronunciar o português corretamente. Isso não tem preço.

    Para isso o nosso povo deveria lutar e exigir e isso não ocorre a muito, muito tempo.

    Abraços e se precisarem que eu assine embaixo é só dizer.

    Gisele Késsia

  25. Ai, quanto blá blá blá. O Lula só tem a quarta -série do ensino fundamental e é Presidente! Estudar pra que? O exemplo não vem de cima? E depois a petezada critica o FHC por ser Professor, Doutor, intelectual e mais um monte de adjetivos.
    Decidam-se, patetas hipócritas!!!!!!!!

  26. Bom dia Ricardo!
    Bom dia amigos balaieiros!

    Bom dia…ou boa tarde…talvez boa noite! Não sei que horas isso vai para o ar…

    Muito boa essa idéia! Excelente por sinal…talvez encontre-se algumas dificuldades em CONVENCER os nossos querídos representantes sobre a viabilidade disso, mas já é ao menos um INCENTÍVO para que ELES olhem a situação do ensino público no Brasil.
    O mesmo caso do nosso sistema penitenciário…se por acaso algum dia um desses senhores milagrosamente for preso, devería também desfrutar dos confortos que o bandido comum desfruta.
    Faz sentído tudo isso, até mesmo na questão da saúde…POR QUE NÃO????
    Por que eles também não poderíam se beneficiar dos sempre prestatívos, rápidos, e eficiêntes, além de agradabilíssimos atendimentos públicos de saúde?
    Afinal…esse é o PAÍS que eles REPRESENTAM…nada mais justo.
    Aí então com certeza eles prestaríam um pouco mais de atenção às diferenças explícitas entre o que eles utilizam, e o que o cidadão comum, (que paga os seus salários…portanto o seu chefe) tem de utilizar.

    Bem Ricardo e meus amigos!
    O importante é propôr as idéias, e lutar para que sejam ao menos debatídas por eles.
    Temos mesmo que buscar sempre uma forma mais justa para todos.

    Um abraço!

    E bom passeio Ricardo.

    Robson de Oliveira nosbornar@ig.com.br

  27. foi se o tempo que professor batia em aluno com regua na batata da perna (ou panturrilha no caso de um romario ou ronaldo ), como dona BetY no primeiro ano primario ao bater em mim acabou nosso romance porque ela nao saba mas eu estava apaixonado por ela , SE VC NAO SE APAIXONA PELA SUA PRIMEIRA PROFESSORA VAI SE APAIXONAR POR QUEM ?
    NO TERCEIRO ANO NO Grupo Escolar jÁ MAIS CASCUDO AOS 9 ANOS E SABENDO ESCOLHER AS MULHERES EU SO LEVAVA O APAGADOR NA CABEÇA E SAIA COM ACABEÇA BRANCA QUASE TODA AULA . MAS TUDO BEM A PROFESSORA ERA VELHA E FEIA E MEU A DVOGADO QUE SENTAVA AO LADO NA ÉPOCA DIZIA INCLUSIVE QUE ELA ERA SAPATÁO, OS A DVOGADOS SABEM TUDO DE FONTE LIMPA MES MO TENDO 9 ANOS NA ÉPOCA
    HOJE MUDOU , ALUNOS MATAM OS PROFERSSORES A TIROS NA PORRADA E A ESSA APROVAÇAO CONTINUADA É A MAIOR BOBAGEM ESSA SEMANA AINDA FALEI COM UMA AMIGA VICE DIRETORA DE UMA ESCOLA , QUE ME FALOU O FRACASSO DO PROJETO, TEM QUE FALAR COM A DILMA E O GOVERNADOR BUARQUE DE HOLANDA ELES RESOLVEM RÁPIDO
    EU PAREI DE DAR AULAS PORQUE COMO SOU MAIS ALTO E MAS BONITO QUE O GEANEQUINE AS ALUNAS DESCOBRIAM MEU ENDEREÇO NA SECRETARIA E IAM BATER NA MINHA PORTA., DEI SORTE PODERIA ESTAR MORTO POR UM ALUNO CIUMENTO JA QUE A S NAMORADAS DELES NAO ME DAVAM SOSSEGO ALEM DO QUE FICAVAM MEIO GRAVIDAS SEMPRE ….
    MAS DIRIA AO MINISTRO QUE ACABE COMA APROVAÇAO CONTINUADA OU SO TEREMOS GENTE QUE ESCREVE ÇAUDE COM Ç ABITÇAO SEM H E ASSIM POR DIANTE INESCRUSIVE ESCREVENDO CEGURANÇA COM C
    OUTRA COISA ESSE NEGOCIO DE PARAR O BLOG PARA IR EM MAUA NAO PODE …. MAUA NAO É MAIS O PARAÍSO HIPPIE DOS ANOS 70 , NAO SE FAZEM MAIS PURPLE RIZE OU SUNSHINES COMO ANTIGAMENTE O PESSOAL DA USP NAO TEM E NUNCA TEVE A MESMA FORMULA QUE ÉRA USADA NA UCLA PORTANTO BOBAGEM IR A MAUA SO TEM CACHOEIRAS E COM ESSA SECA TAMBEM NEM TEM COGUMELOS NA REGIAO AS QUEDAS ESTÁO PREJUDICAS BASTA OLHAR NOSSO CARTÁO POSTAL AS CATARATAS DO IGAÇU MELHOR MESMO AINDA É O BAIXO LEBLON OU O BAIXO CLERO

  28. Concordo com o cara ai que diz que parte do problema é fora da escola! Educação (e não instrução) vem de casa! Não adianta nada a criança estudar na escola mais top, se chega em casa e não tem EDUCAÇÃO de verdade! Ah..e o Estatuto da criança e do adolescente tb contribui pra isso, como disse o amigo ai em cima..dá às crianças poder de contestar coisas que nenhuma criança do mundo tem condiçoes de opinar ou decidir!

  29. CArta aberta ao Senador Almeida Lima,

    Sou aquele cidadão que hoje pela manhã (28/04) cruzou com Vossa Excelência no eixão. Você estava em um maréa preto, desfrutando das benesses que o cargo de senador lhe permite. Eu, que tenho acompanhado pela imprensa a farra das passagens e outras malandragens que vossas Excelências fazem com o dinheiro público, revolvi demonstrar a minha indignação e coloquei a mão para fora da janela do meu carro e fiz um gesto de negativo com o dedo polegar.

    A reação de Vossa Excelência foi típica de um coronel! Mandou que seu capanga, ou melhor, motorista encostasse perto do meu carro, abaixou os vidros e fez aqueles gestos obscenos, enquanto me xingava de “cabra safado” e outros adjetivos que não fica bem, se colocados no papel. Eu retruquei dizendo que “aquele não era modos de um parlamentar que preside a Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional tratar um cidadão”. Se é que Vossa Excelência do alto de seu pedestal compreende a extensão do significado dessa palavra.

    Para me intimidar, anotou a placa do meu carro. De certo, para rastrear meu endereço e enviar capangas para me dar uma lição.

    Onde já se viu! Um mero eleitor interpelar uma excelência na rua. Que ousadia. Não pode ficar impune!

    Contudo, digo a Vossa Excelência, o que não pode ficar impune é a sacanagem institucional que vocês fazem com dinheiro suado que milhares de brasileiros pagam de impostos. Dinheiro que seria mais útil se fosse empregado na construção de escolas e para melhorar o sistema de saúde, só para simplificar.

    Ao invés disso, serve para sustentar reizinhos como Vossa Excelência que sem a menor compostura é capaz de ofender e perseguir um cidadão, pelo fato, dele criticá-lo.

    Vivemos em uma democracia Senador, onde o povo anda cansado de ver seus representantes se envolverem em tantos escândalos e atos ilícitos. Não se engane em pensar o contrário!

    Warley Pereira
    Jornalista

  30. Concordo plenamente Sen Cristovam Buarque, mas, complemento trazendo à baila uma outra área: A da saúde. Gostaria que V Sa comentasse a respeito. Saúde pública nos estados da federação, traçando um paralelo com a Saúde dos mais abastados. Hospitais com pacientes em corredores e sem o mínimo de assepssia….etc. etc. Gostaria ler.

  31. A veja não mente,nem o Zoghbi,são todos inocentes.
    Voa Zoghbi!
    Enquanto pode?
    http://www.claudiohumberto.com.br.
    Costas largas:
    No Senado, poucos acreditam que João Carlos Zoghbi agisse
    sozinho, sem a cumplicidade de pelo menos três senadores
    influentes.
    Dinheiro a rodo:
    A corregedoria do Senado recebeu a confirmação de que a
    Contact, de Zoghbi, era comissionada pelos quatro maiores
    bancos privados do País

  32. Além disso, os polliticos para se candidatarem a algum cargo público, deveriam somente usar o transporte público e suas dignissimas esposas receber tratamento de saúde pela rede pública (SUS).

    Tem que ser pré-requisito obrigatório.

    Quem sabe assim, as coisas melhoram.

  33. Continuação: Senador, me desculpe! Não quero deixar a impressão de que a educação tem menor importância, aliás, é o esteio de um povo e necessita de ampliação e modernização, principalmente no tocante à pesquisas e o ensino básico nas periferias onde muita violências e drogas campeiam. Quanto ao ensino superior, é como V Excia relatou.

  34. Se os filhos dos parlamentares eleitos estudassem na Escola Pública e considerando a separação nítida e profunda citada pelo autor, é bem possível que as condições materiais passassem por nova inversão: o público voltaria à qualidade e excelência conhecidas pela História e a discriminação se voltasse às particulares, confecionais e outras, desde que atendessem à população, como no passado. Tudo porque quem determina as relações sociais pelo poder político vê-se como absoluto em sua própria época e não admite compartilhar condições otimizadas com a maioria, mesmo que precise dessa maioria para se eleger. Tal sentimento de valorização não considera o país e a população, mas a si mesmo e como também se sente absoluto e merecedor do que o conjunto não tem, não vê qualquer problema que a discriminação exista. Considera-se e sente-se melhor que todos e merecedor dessa diferença. Não creio que essa aprovação sairia. Apesar do bom exemplo da Lei Áurea de 1888 e do que se julgava impossível de acontecer, nossa época de acentuadas diferenças sociais econômicas não suportaria tal alteração de “status quo”. Tal projeto, penso, não seria aprovado como Lei.

  35. Excelênte. Deveria ser uma questão moral e ética, que todo politico e funcionário público tivessem seus filhos em escola pública. Desta forma quando algum politico fosse falar da qualidade das escolas públicas e todo suposto investimento na educação, podessem falar com propriedade, conhecimento. É e justamente o contrário, nossos politicos não conhecem a escola pública, nem as péssimas condições que nosssos professores são obrigados a trabalhar, se quer pode mensurar a questão salarial do docente; pois seria uma afronta a moral. Belo artigo, deveria ganhar mais força na impressa. Todos deveriam ler e opinar. Grato,

  36. Concordo plenamente com Giuliano em seu comentário das 08:44.

    apenas para complementar, deveríamos incluir nessa regra também o serviço público de saúde: todos os ocupantes de cargos públicos, sejam eletivos ou não deveria obrigatoriamente utilizar os serviços de saúde do SUS para si e seus familiares. o SUS ia virar uma maravilha.

  37. Desde que me entendo por gente em minha idade escolar que ja vai longe. existiam problemas de todas as formas, e parece que nada mudou nestes últimos tempos, no entanto observando melhor nossas condicões podemos entender que nosso povo tem certos dotes bastantes exarcebados, como por exemplo, somos campeão de acesso a internet, somos campeão disto daquilo. nossos jovens ganham prêmios em invencões eletrônicas, criam softs sofisticados de jogos eletrônicos, são desenhistas reconhecidos no exterior de revistas de quadrinhos famosas, quem são estes jovens? de onde eles sairam? onde se esconde as escolas de onde sairam estes jovens, parece que somos um povo privilegiado, mesmo com tantas adversidades, agora imaginam se tivessemos escolas de qualidades, se houvesse igualdade, se exitisse responsabilidades, de nossas autoridades, entendo que precise ser feito muitas ou alguma coisa para emlhorar não só as escolas neste pais, mas…para isto precisamos LUTAR e não falar protestar somente, somos cidadãos brasileiros e pagamos impostos, e impostos pesados, então os políticos tem a obrigacão de nos ouvir, isto não acontece porque somos parados reclamantes, passivos e fouxos. eles não mudam nada sem que se tenha muita luta, o senador Cristovão brilhante em seu artigo, tem razão, precisamos parar de sonhar e acordar para a realidade, nada se faz sem LUTA.

  38. Se a escola Pública esta sucateada, isso se deve aos péssimos políticos que freqüentam os tenebrosos corredores do Congresso Nacional. Essa canalha para faturar um por fora, ajudaram a desvalorizar a laboriosa classe dos professores brasileiros, bem como, desmotivaram o jovem a gostar da escola. Tudo isso em favor dos patrões do ensino privado, os quais cobram caríssimo uma vaga nas suas instituições, beneficiando aquele que os pais têm boa condição financeira. Por essa razão, o famigerado ENEM verificou que a escola particular o ensino é mais valorizado. Quem não tem dinheiro neste país, será mão de obra barata para uma elite desumana e exploradora como aqui existe.

  39. Gostaria de dizer que não cho que a proposta seja tão demagógica assim, acho que quando o assunto é colocado em pauta há sempre uma pressão pública que pode possibilitar a execução de alguma mudança.
    Porém, fiquei realmente impressionada com este post que surgiu 3 dias depois de eu ter pensado muito sobre o assunto e ter feito o seguinte comentário no Blog do Barbeiro para manifestar minha revolta sobre o mesmo assunto, segue o comentário:

    “Uma Resposta para “Final do Jornal”

    1.
    1
    Camila Lima:
    27 Abril, 2009 as 18:41

    Boa noite Heródoto, gostaria de comentar sobre nossos nobres e “democráticos” parlamentares e suas atitudes admiráveis.
    Gostaria de dar uma sugestão de atitude a eles.
    Querem aumentar seus salários e continuar recebendo benefícios do governo, certo?
    Pois bem, acredito então que no mínimo os parlamentares e sua família deveriam ser obrigados a usufruir de serviços públicos, como educação e saúde. Afinal, se são responsáveis por isso e não os utilizam quer dizer que assinam em baixo da própria incompetência, e funcionários que assinam a própria incompetência não merecem aumento de salário, não acha?
    Gostaria que nossos parlamentares seguissem o exemplo da minha mãe, que é diretora de uma escola pública e faz questão de que minha irmã estude na escola administrada por ela, a fim de provar sua competência perante a comunidade que atende (apesar de muitas vezes não poder contar com os recursos do governo). Nossos deputados e senadores também deveriam provar um pouco do seu trabalho com a própria família.
    Fica aqui meu desabafo e um exemplo a ser seguido em cargos de poder público, minha mãe, a Mônica Martinez que trabalha na prefeitura do Taboão da Serra dirigindo a escola Rui Barbosa onde minha irmã estuda.”

    Que bom que há mais pessoas que pensam como eu, e, principalmente, temos alguma representação no senado que faz proposta deste gênero. Parabéns Kotcho pela divulgação e Cristovam pela atitude.

  40. Salve Cristovam Buarque !!!

    Como sempre, as pessoas à frente de seu tempo, normalmente são tratadas como sonhadoras, demagogas ou de outro mundo.

    Eis mais um clássico exemplo nesse contexto.

    Salve Cristovam BRASILEIRO Buarque !!!!!

  41. Estudei todo o primário, hoje Ensino Fundamental, na década de 60,em Escola Pública no Rio de Janeiro de excelente qualidade. Naquele tempo, se ” levasse bomba” o aluno repetia o ano ou iria para uma escola particular . Depois de 3 visitas a sala do diretor levava suspensão e após algumas suspensões por mau comportamento, desrespeito, violência, etc era sumariamente expulso e não adiantava reclamar com o bispo. Os professores e diretores eram respeitados porque na época educação se recebia em casa e a esola ensinava de verdade.

    A escola pública desgringolou após a primeira reforma educacional que acabou com os 6 anos de primário, exame de admissão, 4 anos de ginásio e 3 anos de Científico ,Clássico ou Curso Técnico para dar lugar à universalização do ensino. Boa idéia que jogou o ensino público no chão, porque para universalizar foi preciso abaixar o nível e a qualidade do que era ensinado para que todos pudessem aprender.

    Hoje em dia, pode-se dizer que já existe a universalização do ensino. AGORA é a hora de qualificar o ensino público novamente.

  42. Uma nação forte e soberana só se faz com educação de qualidade. Qualquer pessoa sabe disso mas, sabem disso também os politicos que obviamente não quer igualdade do saber pois, quem sabe tem o poder em suas mão e disso eles não abrem mão. E nós todos aceitamos,já acostumamos com nosso jeito acomodado de ser em que tudo está bom. Até quando meu Deus, até quando?

  43. Seria ótimo que o ensino fundamental fosse igual para todos. A implantação desse sistema custaria pouco e nossas crianças teriam uma base perfeita. O que se ve hoje são alunos de 8ª série que não sabem ler e escrever. Como fazer um ensino médio e mesmo uma universidade sem ter o mínimo de conhecimento. O professor e senador Cristovam tem toda a minha simpatia por este projeto que deveria ser rapidamente debatido e se tornar realidade para o bem desta nação tão desprovida de educação.

  44. Kotscho,

    o nosso senador Cristovan Buarque tem uma “proposta”, mas vc sabe se já foi escrito algum PL? Você acha que você conseguiria uma cópia dele, na íntegra?

    Caso o projeto de lei exista, poderíamos tentar mobilizar uma “galera” pra brigar pra que esse projeto entre pelo menos na pauta.

    DUVIDO que passe, mas ia ser legal ver um projeto desses indo a plenário.

    Você consegue entrar em contato com o Senador, Kotscho ?

    Abraço

    Giuliano

  45. Cristovam Buarque quase sempre está equivocado. Ele é uma pessoa e político tão equivocado que o resultado de seu governo foi devolver Joaquim Roriz a Brasília por mais 8 anos.

    As filhas de Cristovam estudaram em escola pública?

    Elas, parece, já terminaram o ensino médio. Então Cristovam não corre mais o risco de ter que cumprir a lei que ele próprio quer aprovar para toda a sociedade.

    E as escolas de Brasília no governo Cristovam? O que aconteceu com elas? Quem mora em Brasília sabe. Nada mudou. Tal qual um Roriz, Cristovam foi mais um político a sabotar o ensino público.

    O mandato de Cristovam está acabando. Por ter fugido do PT, a legenda que o ajudou a se eleger por duas vezes a cargos majoritários, Cristovam, segundo as previsões aqui em Brasília, corre seríssimo risco de não se reeleger. Nem para deputado federal.

  46. Eu defendo essa idéia em discussões políticas há vários anos, e acho que deveria ser inclusive inelegivel o político que não usasse tabém os serviços públicos de saúde e transporte.
    Queria ver qualquer desses figurões da nossa política enfartado no corredor de um pronto socorro público esperando uma guia.

  47. Discordo completamente da idéia.
    Sou completamente a favor de melhorar as escolas públicas, só acho que do ponto de vista moral o Estado não deve obrigar uma criança a estudar em determinado lugar. Para mim parece que estão tentando educar os pais dando um castigo para os filhos.
    Educação pública de qualidade é dever do Estado, melhora-la é o mínimo que os políticos deveriam fazer. Agora, o fato de serem incopetentes (para dizer o mínimo) não pode cair em cima dos filhos (que sofreriam restrição na sua liberdade de escolha de onde estudar). O Sen. Cristovam sabe muito bem que existem diversas correntes de educação. Eu sempre nos chamados colégios “construtivistas”. Então se meu pai fosse político eu seria obrigado a ter outra formação?
    Me espanta também que proibir o cigarro seja considerado um desrespeito as liberdades individuais, mas obrigar crianças a estudar em determinada escola não o seja.

  48. Curioso é que o próprio Estado não se utiliza dos serviços que ele mesmo cobra (e caro) pra prestar.

    Muito lúcido o raciocínio por tras da idéia: fazer o homem público sentir na pele as deficiências colossais de um dos mais caros e ineficientes welfare states deste planetinha. E fazer o deputado percebr como nomeações políticas ao invés de técnicas destroem um sistema cujo objetivo deveria ser o de servir à população e não ao populismo.

  49. Concordo plenamente com o Senador Cristovam e vou além. O mesmo deveria ser feito com a saúde. Por que os eleitos pelo povo não são obrigados a utilizar os mesmos recursos que a ele devolvem?
    A Dona Dilma, o Vice presidente José Alencar, o Presidente Lula, e todos os demais políticos independentemente de partido, quando adoecem procuram os melhores (e mais caros) hospitais particulares.
    Nunca encontrei com nenhum deles (desconsideremos época de campanha eleitoral) em um posto de saúde da rede pública ou em qualquer um de nossos péssimos hospitais da rede pública.
    Enquanto nossos representantes também não forem POVO, jamais entenderão nossas necessidades.

  50. Hahaha…e os lobistas dos magnatas donos de escolas particulares?? como ficam??por que vcs acham que nunca tem esforço para melhorar as escolas públicas? acham mesmo que é só por falta de investimento??

  51. Eles não só devem matricular seus filhos em escolas públicas como também devem frequentar e fazer seus check-ups nos hospitais da rede pública. Com todo respeito à doença de Dilma (espero sinceramente que ela se recupere), mas será mesmo que ela teria detectado o problema tão no início se fosse em uma consulta do sus? E será que teria sido tão prontamente resolvido?
    Verba, o nosso país tem. O que falta é RESPEITO.

  52. O DIREITO SE ACHA NA LEI,
    Na constituição a mesma que em um dia o prolixo decano,
    redator chefe do STF, afirma que é nossa LEX MITOR, (lei maior)
    e no julgado seguinte dependendo da CLASSE dos envolvidos renega
    a mesma CONSTITUIÇÃO, isto que o redator é o guardião da mesma.
    NÃO NA RUA.
    Duas décadas e decano ainda não consegue traduzir;
    Art. 1º Parágrafo único. Todo o poder emana do povo
    Parece-me que o povo está com MIN.JOAQUIM BARBOSA
    E TRIBUNAL NÃO É ARENA DE ARRANCA-RABO DE CLASSES

    Primeiro colocaram dez toureiros na arena, e o MULATINHO só,
    para ser crucificado, acharam que seria MAIS uma barbada,porém,
    não perceberam, que pela desvantagem numérica, já fazia do
    MULATINHO o vencedor.
    O povo não gosta de covardia?
    A “thurma” do Arminio que ganha ACIMA DO TETO estabelecido na
    Constituição, AFIRMA que tal PRIVILÉGIO é autorizado (CNJ) Conselho
    Nacional de Justiça, cuja presidência é do Min.GILMAR MENDES.
    Isto não um PRIVILÉGIO de Classe!

  53. Olá, Kotscho

    Adorei o artigo e aproveito para dizer que seu painel de mosaico BURITIS está aqui no atelê Ravenna. A moldura só chegará após dia 5 de maio. Não fiquei com seus contatos, como tel. e endereço para a entrega. Por favor, entre em contato comigo. Tel. 2592-5495 / 9210-4330 para combinarmos o dia da retirada, ok??
    Abraço e aproveite essa maravilha que é Visconde de Mauá.

    Edu Mello

  54. Olá Kotscho,
    Ano passado esteve em visita ao Brasil um ex-Ministro de Educação da França (esquecí o nome) e fez um comentário interessante. Segundo ele, no nivel elementar de educação, deveria ser proibida a escola particular. As crianças em formação deveriam conviver com todas as classes sociais para que tivessem uma formação humanística e social mais aberta e menos elitista. A criança em escola particular já cresce com os valores da “elite” e certamente sua visão de mundo será enviesada e equivocada. O projeto do Cristovan é excelente sob esse ponto de vista. Mas como não podemos obrigar todos a matricularem seus filhos em escola pública, um bom começo seria obrigar os políticos, funcionários públicos, militares, juizes e todos com função pública a matricular seus filhos em escolas públicas. Tenho 67 anos, sempre estudei em escola pública no interior de São Paulo, conseguí ingressar no ITA e sou grato a essa chance que tive. Abraços.
    Mario Tokoro

  55. É admirável à esperança a que se firma Cristóvam Buarque. Esperemos que a iniciativa desperte, no mínimo, reflexão entre os magistrados e sociedade. O descaso conferido ao ensino público é impressionante.
    Por falta de dinheiro, estudei em escola pública no Ensino Fundamental e Médio e, por consequente despreparo, não consegui ingressar em uma universidade pública. Tive de arcar com os gastos de uma instituição privada, que cobra os olhos da minha cara.
    É uma pena que a única ferramenta de instrução a que dispõe um jovem de periferia esteja entregue às traças.

    Abraços Kotcho!

  56. Quando eu era bem pequeno, lembro que o pessoal que estudava viviam imersos nos livros e cadernos as voltas com o exame de admissão.

    O objetivo de todo estudante era passar neste exame ainda em primeira época, na segunda época não ficava tão brilhante, mas era uma conquista.
    O pessoal ralava. Como se estudava naquele tempo, e sem as facilidades de hoje.

    Ser jovem era ser feliz, não é como agora tem essa felicidade artificial puramente sintética. a felicidade da balada..

    Pegando o pessoal pensante que está no governo e mesmo os cabeças de outros partidos, vemos os estudantes naquela época, gente boa ou gente maluca, todos estudantes.

    A escola pública minguou, com ela a coragem da juventude, não a coragem emanada do ímpeto, do lampejo, do topete, mas a coragem mirada para além do horizonte, aquela que o sujeito chama as responsabilidades, o comando, o controle.

    Isso vem da forja; a escola.
    Hoje escolas não são feitas para formar, agora no máximo, certificam, capacitam a fazer.
    Desenvolver raciocínio, nem pensar, quem pensa argumenta contra argumenta, não querem gente assim. Querem os que agem, não os que reagem.

    Vive-se o momento, qual o prefeito que hoje toca uma obra pra ser inaugurada depois das eleições? E pode ser obra de saneamento que se não der para entregar os cabras não tocam.
    Qual deles pensa no depois de amanhã?

    Dizer que os filhos de algum poderoso, um fidalgo, deve estudar em escola pública é dizer que eles devem se ferrar também. É o tal do pelomenos (escrevo tudo junto).

    “Nossa escola é ruim, mas pelomenos o filho do Dr. Beltrano que é concunhado do Ministro Sicrano estuda lá.”.
    Assim não resolve!

    Tem culpa e a palavra é essa culpa, os professores. Como alguém que estuda, e não é pouco o que se estuda, pode se sujeitar a dar aula em condições de periculosidade e beirando o insalubre?
    Professores correm riscos, sofrem ameaças, alguns apanham, não tem material didático e quando tem é impreciso.

    Antigamente, lembro muito bem disso, se o giz estava empedrado o professor pedia para trocar, a escola trocava.

    Qualquer professor que fosse ameaçado ia parar na sala do governador para contar a história. Era o governador que queria saber, e resolvia.

    Muitos alunos eram contra o sistema, mas nunca contra o professor, nem o cachorro da tia que vendia doce na porta da escola rosnava para professor. O professor era “O PROFESSOR”.

    E hoje o que, por exemplo, uma APEOESP faz além de periodicamente bloquear a Av Paulista e reclamar do auxílio coxinha?

    Nas ruas não é raro escutar alguém dizendo “trabalho e dou aula”. Dar aula não é trabalho?
    É o ponto de mínimo na profissão.
    Os professores têm que dar um basta.

    O professor Buarque, não é sonhador, o que ele diz não fica no campo do desejo e da abstração, sua fala rica é essencialmente concreta quase binária.
    É ou não é.
    Ele dá a fórmula da formação social do Brasil, da força da raiz da brasilidade.
    O brasileiro não pode mais olhar para fora e perguntar entre suspiros como eles fazem, temos que dizer que o que é feito aqui é melhor.
    Só a escola faz isso.
    Tenho ciência da dívida impagável que tenho com aqueles que ajudaram na minha formaçao.
    Que Deus os abençoe, e gostaria que também o Brasil os abençoasse.

  57. Eis uma proposta digna de ser estudada visando a melhoria do ensino básico e, a partir daí, a educação como um todo.

    Embora possa dar margem a uso demagógico, a proposta visa obter a atenção da classe política para com a educação no Brasil.

  58. Acho a idéia genial. Complementaria com outro artigo: teriam também, que fazer tratamento de saúde na rede pública (SUS).
    Veriam como que, num passe de mágica , nosso sistema precário de saúde pública se transformaria no melhor so planeta.

  59. Não li nenhum comentário falando de experência própria, vou dar meu depoimento: Minha filha tem hoje 19 anos e meu filho 13 anos, tive muitas dificuldades para colocá-los em escola particulares, consegui agora o meu filho de 13 anos e lhe digo; É muto diferente, todos os dias tem trabalho para fazer em casa, pesquisas, livros são indicados para ler e fazer prova, tem reforço escolar, valorizam as datas folclóricas com pesquisas e festas, em fim, meu filho está tendo experiências jamais vistas na escola pública. Quanto ao comentário do Carlos Roberto de 10:15 pergunto? O ECA não existe também para os professores das escolas particulares?

  60. Prezados, conclui uma parte de meus estudos em escolas públicas, de muita qualidade, lá pelos idos de 1976 e seguintes.

    Entretanto, penso que a proposta é inconstitucional, e por vários motivos:

    1) Vivemos em um estado democrático de direito, e não em estado de direito democrático, e tal prática levaria a nítida ofensa à liberdade do cidadão em suas escolhas;

    2) Para tanto, precisaríamos efetivamente melhorar a escola pública, pois do contrário estaríamos penalizando os filhos dos políticos, os quais, em idade escolar, não tem culpa alguma em relação às atitudes de seus pais. “Viajando” pelo Direito, citamos que, pela CR/88, a pena não pode passar da pessoa do acusado.

    Atenciosamente.

    Vlader Mendes

  61. Cristovam Buarque “é o cara!” Cada vez mais me sinto recompensado em ter votado nele.
    A citação feita pela Simone (9h48) da frase do Oswaldo Montenegro “mata” a questão. Não deve ser coincidência que a mãe do Oswaldo era excelente professora de Português – foi professora de um de meus filhos, em Brasília.
    Lembrando ao Fungaba (10h15) que o governo federal vem fazendo sua parte, quanto à Educação pública: estabeleceu piso salarial para os professores (O Estado de São Paulo até agora não efetivou seu pagamento); fundou inúmeras escolas técnicas; abriu dezenas de novos cursos nas universidades federais; criou o Prouni; o Fundeb; melhorou o Provão e o Enem etc, etc…Os governos estaduais é que não têm feito nada para melhorar a Educação. Veja-se São Paulo: tem um dos piores índices de rendimento escolar. Serra, Covas, Geraldo, Paulo Renato, Aloisio Nunes, Chalita governam o estado há quase 20 anos, e o resultado aí está: zero em Educação. Diga-se de passagem que o Paulo Renato, como ministro da Educação do governo FHC, sucateou o que pôde as universidades públicas, ajudou muito as particulares, inclusive, escancarando a abertura indiscriminada de novos cursos superiores, até de Medicina – falo com conhecimento de causa, fui professor durante 36 anos – A determinação desse grupo em não gastar em educação pública tem como mote o que já foi dito por muitos neste post: para que melhorar um serviço que só serve ao pobre? Essa é a ideia desse grupo, mas não é a do PSDB: em Ribeirão Preto, por exemplo, a escola municipal paga um salário até decente para seus professores e o ensino tem uma qualidade muito superior ao do estado e o prefeito era do PSDB. Daqui para a frente não se sabe, porque a pobreza local elegeu uma prefeita do DEM (PFL), ou seja, da elite. É essa falta de consciência do eleitor brasileiro que levou Deus a nos poupar dos cataclismos da natureza.
    Educação, simplesmente, para uma nação, é tudo! Mas requer vontade, capacidade e principalmente amor pelas pessoas e pela pátria!

  62. ”Não há excesso de liberdade se aqueles que são livres são responsáveis. O PROBLEMA É LIBERDADE SEM RESPONSABILIDADE.
    Ninguém gasta o dinheiro dos outros com tanto cuidado como gasta o seu próprio. SE QUISERMOS EFICIÊNCIA E EFICÁCIA, SE QUISERMOS QUE O CONHECIMENTO SEJA BEM USADO, ISSO PRECISA SER FEITO POR MEIO DA INICIATIVA PRIVADA. (Milton Friedman ) .

    Tanto faz ser pública como privada, o que importa é a eficiência. No Brasil, os professores são campeões absolutos no grevismo. Não há um ano que não tenha uma greve geral no sistema. O ensino deve ser público e gratuito sim, mas, público não significa necessariamente estatal. Uma escola privada, com professores contratados via CLT rende muito mais e, este sistema pode operar com alunos da escola pública por meio de bolsas.
    O que a escola privada não pode fazer é controlar a violência dos alunos problemáticos, pois isto é função exclusiva do poder público.

  63. Acho a proposta do senador inteligente e justa. É revoltante ver uma escola destinada aos ricos e outra aos pobres. Os políticos e os grandes empresários deveriam colocar os filhos na escola pública sim, porque aí, quem sabe, eles tomassem vergonha na cara e resolvessem equipá-las melhor, diminuir o número dos alunos por sala e pagar bem os professores…

  64. Senhores, desde que me entendi, as escolas públicas sempre apresentaram esse problema. No colégio estadual que eu estudei há muitos anos atrás, havia um percentual grande de filhos de pessoas importantes, só na minha turma. Agora, que as coisas degringolaram, já não é mais nenhuma novidade, principalmente se for filho de algum figurão politico. Hein???

  65. No final da década de 60, nos EUA, descobriu-se que o ensino público consumia muito dinheiro e obtinha resultados pífios. Muitos Estados foram adotaram o esquema de Friedman, o resultado foi o melhor possível; 70% mais eficiente e 50% mais barato.

    ”Desde essa época (anos 60)Friedman já vinha se preocupando com a questão educacional. A falência do ensino público (que consegue conjugar péssima qualidade e altos custos) americano levou-o a propor um esquema simples e de enorme repercussão social. Simplesmente tirar o Estado da educação. O dinheiro que hoje é mal gasto nos estabelecimentos públicos de ensino deveriam ser convertidos em cupons para cada aluno, de tal forma que, com esses recursos, seria possível pagar a mensalidade de uma escola privada. Caberia aos pais escolherem o melhor colégio para seus filhos. A competição que naturalmente se estabeleceria entre as escolas garantiria uma melhoria constante do ensino. Os pais também passariam a interferir mais no processo educacional, exigindo melhores cursos e qualificação dos professores, pois poderiam facilmente mudar seus filhos de colégio.”

    Lembrando que nos EUA não há um ECA e, a maioridade penal se dá antes dos 15 anos, ou seja; se um aluno agredir um professor, ele poderá simplesmente ir em cana, na hora. E, como se sabe no mundo inteiro – menos no Brasil- uma pena aplicada no momento do delito, no flagrante, é 100% eficaz.
    Qualquer penalidade aplicada muito tempo depois do delito é inútil…

  66. Para inaugurar escolas públicas, hospitais, conjuntos habitacionais, esses ditos “representantes do povo”, não perdem tempo. Eles vão mesmo. Agora, colocar seus filhos em escolas públicas, nem pensar. Seria bom, também, que esses senhores, em caso de necessidade, recorressem ao serviço público de saúde das suas cidades.

  67. Caros leitores, sou professor a 10 anos e leciono em escola pública. Por incrível que pareça o problema é muito simples de resolver, é só seguir os modelos utilizados nas escolas particulares, que se diga a verdade não estão lá aquelas coisas também, salas com máximo de 20 alunos, estudo sistematizado e organizado de forma dinâmica estilo vestibular, e outros modelos a serem estudados, pois o que se segue nas escolas públicas são programas baseados em fórmulas estilo coitadinhos, carentes, etc. Alunos de escolas públicas têm a mesma capacidade de qualquer outro, mas infelizmente são menosprezados e tachados de incapazes e a vida que segue…

  68. Sim, a lei seria aprovada, e com justiça, caso essa aprovação não dependesse de quem depende. Mas a gente sabe que eles não dariam um tiro no próprio pé. E eu iria mais longe: gostaria não só que os filhos dos políticos fossem obrigados a estudar nas escolas públicas, como também seria de grande satisfação que os políticos fossem obrigados a utilizar os mesmos serviços públicos que disponibilizam a nós, seus eleitores. Dessa forma, eles só poderiam se locomover por meio dos transportes públicos (os maravilhosos ônibus e trens que temos à disposição), tratar seus problemas de saúde pelo SUS, depender dos mesmos (de)serviços de segurança que nós e, melhor ainda, ter o valor de seus salários definidos no mesmo patamar que os nossos, além, é claro, de depender da soma do mesmo tempo de serviço que nós para poderem se aposentar. Isso sim seria a realização de um grande sonho brasileiro!

  69. Caro amigo Kotscho, eu já dei inúmeras sugestões sobre o problema alunos X escolas, ricos X pobres na escola e professores X governos com seus salários.
    Eu acho que precisa ser feita uma remodelação geral a começar pela esola funadamental, mas antes gostaria de dar minha opinião sobre o assunto proposto.
    O politico realmente deveria obrigatóriamente ter seus filhos educados em uma escola pública por uma razão muito simples, se seu filho não estivesse indo bem, ele teria que comparecer às reuniões de professores e ficaria sabendo das mazelas que sofre o ensino.
    Estaria em contato direto sem interferências com a realidade nua e crua.
    Mas a minha idéia em se relacionando com os problemas das escolas públicas e sua possível solução, seria:
    Que se cobrasse mensalidades de alunos tidos como ricos comprovadamente nas escolas públicas em sentido geral seja nas faculdades públicas federais e ou estaduais.
    Um exemplo claro é que a USP não seria mais tão disputada pois os ricos que estão acostumados com esta mamata teriam que pagar para frequentá-la.
    Com a verba obtida com a cobrança, poderia-se aplicar na recuperação do ensino de segundo grau, melhorando as condições operacionais didáticas e ensejando uma possibilidade de se obter melhores salários para os professores além de alavancar cursos de aperfeiçoamento para os mestres.
    Sabemos que escolas de segundo graus tem problemas graves de dotação de verbas para a melhora dos instrumentos didáticos pedagógicos e esta verba poderá também atender a esta necessidade.
    Com isto melhoraríamos a escola de segundo grau obtendo os instrumentos necessários para isto.
    Isto em breves pinceladas, mas há mais coisas que podem melhorar este processo e os políticos que não pensam em matricular seus filhos em escola pública passariam a pensar mais sériamente sobre o assunto.
    De um ex-professor de escola técnica estadual SP.
    Obrigado pela oportunidade e apreciação.

  70. Estão tentando modificar á lei da aposentadoria compulsória para possibiliatr que o honorável chegue á presidencia do STF.

    Pobre povo brasileiro,pobre nação indigena, que levou um crau,deste individuo.

    É preciso repetir,assim é impossível continuar?

    A revista ISTOÉ antecipou sua edição que circularia a partir do próximo sábado por causa de reportagem do jornalista Mino Pedrosa sob o título “

    O esquema VIP no Judiciário”. Está dito abaixo do título:
    “Documentos do STJ mostram como o ministro do Supremo Tribunal Federal

    Carlos Alberto Direito solicitava à Receita Federal e a companhias aéreas

    privilégios para a mulher, filhos, nora e amigos”. Tais privilégios eram concedidos nos embarques e desembarques no aeroporto internacional do Rio. A revista conseguiu cópias de 12 ofícios do STJ emitidos entre fevereiro e dezembro do ano passado. Era possível a familiares e amigos do ministro viajarem a Paris “numa classe superior à determinada pela passagem e voltar de Miami sem passar pelos trâmites impostos pela Receita Federal aos cidadãos comuns”. (publicado no site baiano (www.politicalivre.com.br) do jornalista Raul Monteiro.

  71. Giuliano, vc é o cara comungo da mesma idéia que vc e diria mais, que fosse assim tambem na saúde e em outras áreas que não estou me lembrando. Assim evitaria que o governo distribuisse esmola ao povo.
    ESSA SIM SERIA A DESCRIMINAÇÃO POSITIVA. PARABENS.

  72. Interessante observar que em um país tão grande é fácil verificar que pensamentos são semeados e assumem certa unanimidade violenta. Dizer que a escola pública é ruim por causa dos governos é uma dessas primícias. Não estou dizendo que o governo não seja imune de tal acusação, contudo, a questão não se resume a isso apenas e que tal afirmativa mais é demagogia do que realidade. A nível Brasil estamos vendo um grande empenho com respeito à educação, não vou entrar no mérito da qualidade,mas está havendo um enorme acesso ao ensino superior, temos o PROUNI, a expansão de campus universitários tanto de entidades estaduais como federais, muitos projetos com a participação das instituições de ensino, enorme quantidade de faculdades, métodos de avaliação tanto de instituições quanto dos alunos(ENEM, provões e outros), a expansão dos Institutos Federais, pressão do governo para um piso salarial decente para os professores, embora que em muitos estados já paguem mais que o definido pelo governo federal. Tudo isso não havia na época citada pelo ex Ministro. Tínhamos qualidade, porém o acesso era restrito. Eram poucas unidades e não havia uma cobrança por parte da sociedade e do mercado de trabalho por tamanha qualificação como temos hoje. Era uma outra realida. Sustentávasse a família apenas com o primário. Hoje, para ser gari tem que ter ensino médio para se obter um desempenho acima dos demais além mesmo de saúde e preparo físico. Antigamente era profissão para desqualificado. Hoje, quase todos os bairros têm escolas públicas. Não termina os estudos quem não quer: supletivo presencial e através de provas; ensino diurno e noturno; ensino por correspondência; ensino via internet ou vídeo aulas; telecursos; há uma série de recursos para se estudar nos dias atuais e de acesso a maioria das pessoas. E até aquelas que não possuem condições são assistidas por ongs e outras entidades, de tal forma que o pobre, em alguns casos, tem mais oportunidade que outros. Por exemplo: a classe média baixa tem que fazer das tripas coração para pagar cursinho prevestibular para seus filhos, ongs fornecem aulas gratuitas para comunidades carentes. Filhos da classe média baixa que os pais se sacrificaram para pagar escola particular “fraca” não têm direito a cotas nas universidades e nos Institutos Federais, pobre da escola pública tem. Trago a realidade para meu universo próximo: na cidade que resido, Parnamirim – grande Natal, as escolas municipais possuem melhor estrutura física que a grande maioria das escolas particulares; todas são bem construídas, reformadas, arejadas, espaçosas, quadras cobertas, bibliotecas, brinquedotecas, salas de vídeo, uma excelente estrutura. Os professores da rede pública do fundamental e infantil ganham mais que os da rede particular, fazem mais cursos de qualificação e são subsidiados na formação superior, muitos até se graduam gratuitamente. Há departamentos da prefeitura para darem apoio aos pais e alunos com problemas de aprendizado, apoio de psicólogos, psicopedagogos e outros profissionais gratuitamente para os alunos da rede pública. Porém o ensino não tem qualidade. Como explicar? Isso, como explicar que a pior escola do Brasil, a que teve pior resultado em uma das últimas avaliações do governo possui mais de 90% de seus professores com nível supeior completo? É uma escola da cidade de Baraúnas no RN. Logo a má qualidade do ensino não se resume apenas na culpa do governo e nem que a má escola é a pública, pois a particular, inclusive as famosas, como os maristas da vida, não são bem lá essas coisas, pois as avaliações internacionais testam que o nosso ensino, de forma geral, é ruim. Vamos deixar de demagogiar, pois essas sementes pegam fácil em qualquer solo, contudo, não passam de erva daninha.

  73. Gostaria de acrescentar que, aqui, aluno da rede pública ganha: fardamento, material escolar, livros, transporte, merenda, refeições e bolsa escola. Não acredita? Mas é verdade!!!!

  74. Caros amigos, assim como o Sr. Cristovam Buarque, eu tambem frequentei Colegio Marista – por vinte e poucos anos, mas como professor, assim como muitos anos mais em escolas publicas. Eu conheco a verdade de la e de ca. Ate porque fui estudante nos anos cinquenta do Colegio Pedro II, no Rio de Janeiro, onde fiz o ginasial e o colegial.
    No final dos anos 60, em plena Ditadura, o Ensino Publico ainda era superior ao Ensino Particular. E muito! Ate que o “Governo” da Revolucao(gulp!) resolveu agir no Ensino. E surgiu a famigerada Lei de Diretrizes e Bases da Educacao!
    O Prof. Ricardo Ogusku (que escreveu antes de mim) falou sobre salarios. E verdade que ganhava-se bem mais ate o fim dos anos sessenta – o professor publico estadual no Rio ganhava um salario equivalente ao de um capitao, para cada um dos dois cargos que podia exercer – os R$950,00 basicos instituidos pelo Governo atual para todo o Brasil e um excelente passo, mas e apenas o comeco, se pretendemos ir mais longe, ou estabelecer comparacoes.
    Para responsabilizar o malfadado ensino de hoje, entretanto, nao basta o salario ainda muito baixo do professor de primeiro e segundo graus; e necessario repassar os “erros” que foram cometidos, sobretudo, durante aquele periodo revolucionario. Na verdade, nao houve erros, houve producoes maquiavelicas, visando premeditadamente a erosao do ensino. A Lei de Diretrizes e Bases do Ensino foi o ponto de partida..
    Para dar uma pequena ideia do que aconteceu com a Educacao no Brasil a partir da Lei de Diretrizes e Bases, faz-se mister lembrar de um programa de TV, entrando ja por altas horas da noite, nos anos oitenta (ja nao me lembro nem de quando, nem de onde exatamente), em que o entao Senador Jarbas Passarinho e anteriormente Ministro da Educacao, Coronel Jarbas Passarinho, respondendo a pergunta que lhe fora feita sobre o que se ganhou com a implantacao da Lei de Diretrizes e Bases da Educacao, repondeu: “Nos conseguimos acabar com o “magister dixit”.
    Isso mesmo. Nunca mais me esqueci disto, porque percebi ali que o que acontecera na Educacao fora premeditado. Ele se vangloriava de que tinham acabado com a ascendencia, a autoridade, a lideranca do professor… liquidando com qualquer possibilidade de criacao de condicoes para aprendizado e Educacao.
    O recem-falecido Reitor do Colegio Sao Bento, Dom Lorenzo, uma vez afirmou que aquela Lei de Diretrizes deveria ser inteiramente revogada e que se retornasse ao sistema de Ensino anterior. Que nao se fizesse nenhum remendo na Lei de Diretrizes a fim de utiliza-la, pois ela era “como tecido podre e, se remendado, iria romper adiante”. As consequencias desta sua opiniao estao expressas nos resultados do Sao Bento no ENEM.
    Instado sobre o que aconteceria com as geracoes que haviam estudado sob a Lei de Diretrizes e Bases, se elas nao seriam geracoes perdidas, Dom Lorenzo saiu-se com uma maravilha do raciocinio que o caracterizava: “Estas geracoes ja estao perdidas; voce acha melhor continuarmos perdendo as proximas, ou salvar as outras daqui para a frente?”
    Sei que alguem podera dizer que a mesma Lei rege o ensino publico e o privado. E verdade – mas nao muito, porque quem e professor sabe que a Educacao e, talvez, a unica coisa altamente elitizante. Que ela elitiza pelo saber. E assim, infelizmente, tem que ser. Enquanto as escolas privadas recebem alunos com melhor respaldo, com ascendencia e condicao social privilegiadas, capazes de criar um ambiente mais propicio ao ensino, as escolas publicas recebem um grande numero de alunos, a maior parte talvez, socialmente menos aquinhoados, sob todos os aspectos – raros exemplos sao os que conseguem desenvolver bom potencial dentro delas; ate porque, face a forca do nivel que o grupo impoe, nao ha espaco para bons ensinamentos e o consequente bom aprendizado. Ha, no setor publico, imenso numero de alunos que la apenas vao para cumprir pseudo-compromisso com o nada mais absoluto.
    E sao acobertados pela Lei que rege o ensino no Brasil. Sao julgados A, B, C, D… em Conslhos de Classe, teleguiados e que ninguem sabe avaliar (e nao e mesmo para ser avaliado).
    Para que haja ensino de verdade, ha de haver julgamento e selecao capazes de reconhecer o quanto de aprendizado se aquinhoou – nem todos sao capazes e uteis dentro deste ou daquele nivel que se pretende atingir. Nao deve interessar problemas outros, somente o quinhao apreendido. E a prova, somente ela, ainda que sendo um pessimo elemento de medida, e o melhor de que se tem noticia. Entao, auferindo 1, 2, 3, 4… e que se estabelece padroes aceitaveis, corretos e justos para admitir quem e como estara nesse ou naquele nivel de Educacao. Tudo o mais gera o que se tem hoje.
    Aos alunos que nao se saem bem no que se chama de Ensino Academico, faz-se necessaria a progressao dentro de escolas profissionalizantes. E o Governo atual, ainda bem, se esmera, com bastante argucia, em construir muitas delas durante este mandato – o que nenhum Presidente fazia ha tempos. So que elas tem de ser administradas e direcionadas com firme proposito objetivo.
    Estou convencido, hoje como antes, de que somente uma decisao cabal, sob nova Lei, grandemente transformadora no ensino, podera levar a Escola Publica ao nivel de excelencia que teve. Mas sem politicagem, fanatismo, ou traicao a Patria.

  75. “Conheço muitos que não puderam quando deviam, porque não quiseram quando podiam” (Alcofribas Nasier, ou François Rabelais).

    Esse Cristovam…. Na contra-mão dos “muitos”…. Cristovam é o “cara”… Cristovam, não desista… “tudo chega com o tempo para quem sabe esperar”. Do mesmo Rabelais, bem antes do “quem sabe faz a hora não espera acontecer”. Esperar é, também, saber. Viva Cristovam! Incite-os.

  76. Não sei, mas acho que a proposta não viraria lei e, se virasse, na minha opinião seria inconstitucial. Em miúdos, a lei proíbe os filhos dos parlamentares de frequentar escolas particulares, proíbe um ser humano livre de obter um serviço lícito, pelo qual pode pagar. Em outras palavras, é o tipo de lei perigosa, que restringe direitos. Não soa bem para mim.
    Certamente, tal lei seria um estímulo para os parlamentares promoverem a melhora na escola pública, mas acharia melhor uma lei que oferecesse e efetivasse uma melhora na escola pública, independentemente de quem estuda nela.

  77. Daí a tal famigerada frase, formulada por político e ex-Ministro da Educação no Brasil: “No Brasil, os alunos fingem que estudam, os professores fingem que ensinam e o Estado finge que fiscaliza”. Acresça-se: os politicos fingem que governam para o povo.

    Tá no IG, agora.

    Quinta, 30 de Abril de 2009

    Desabafo sobre a declaração do imposto de renda

    “Neste momento, agora, empresários, lojistas, operários, trouxas, TROUXAS estão pagando o imposto de renda. Estão pagando imposto de renda para gente que não tem vergonha na cara mandar amigos sirigaitear em Miami, Paris, Roma, aonde quer que seja. E não vai lhes acontecer nada, porque este é um povo estúpido que não reage.”
    Trata-se do desabafo de Luiz Carlos Prates, comentarista do Jornal do Almoço, exibido na RBS de Santa Catarina.

  78. Vossa excelencia, Cristovao Buarque (excelencia porque finge nao ser politico, o senador-professor), é realmente bom em frases de efeito e factoides. Esse é o lado bom da coisa. Ao falar coisas como plebiscito para fechar o congresso, obrigação da escola publica para filhos de politicos e outras baboseiras, dá voz a indignação do povo e de certa forma gera pressão para maior fiscalização da casa. Por outro lado é notoria sua incapacidade de conseguir resultados praticos e beneficios para o povo. Nao é por falta de oportunidade. Foi governador. Ministro. Senador. Está a nao sei quantos anos no circulo do poder. Que bom seria se tivesse a mesma habilidade como gestor e promotor de bem estar social como a que aparenta ter como criador de frases de efeito e ideias utopicas. É sempre mais fácil criticar e apontar o dedo. Difícil é fazer as coisas certas e conseguir resultados de verdade.

  79. Acho que somente tendo que ter os filhos matriculados em escolas públicas, ter-se-ia uma educação de qualidade. Que a idéia se estendesse tambem para os serviços de saúde pública, como tambem, segurança pública. Poderiamos enfim acreditar que estamos num Pais democrático e que atendemos a Carta Magna, isto é, todos iguais perante a Lei.
    JB

  80. È país onde o torto se diz Direito!

    País sério é outra coisa minha gente!

    È por sentenças como abaixo, quando o presidente da
    Suprema Corte é anunciado, lá é aplaudido,já aqui,Min.Direito
    faz o que é de conhecimento público e não fica nem vermelho.

    Para: bigbiquei@hotmail.com
    Three Brothers Sentenced to Life Prison Terms for Conspiring to Kill U.S. Soldiers
    Tue, 28 Apr 2009 19:03:43 -0500
    Three brothers who were convicted of plotting to kill members of the U.S.
    military during an armed attack on a military base were sentenced today to
    life prison terms.
    Traduções Google.
    Três Irmãos Condenado à vida Prisão Termos de conspirar para matar soldados E.U.
    Tue, 28 abr 2009 19:03:43 -0500

    Três irmãos que foram condenados por planejar para matar membros de
    os E.U. militar durante um ataque armado contra uma base militar, foram condenados hoje à prisão vida.

  81. Peço aos leitores deste blog que leiam com atenção a explanação feita pela Luciene.Ela retratou muito bem a situação do ensino e seus pincipais problemas.Porem,discordo do item 3,quando ela diz que só os professores opinam sobe educação.Aqui no estado do RJ e na prefeitura, os professoes nunca são consultados sobre os caminhos da educação.Tudo é imposto pelos secretários da pasta.

  82. O problema não está na escola pública. O problema está no sistema educacional que se tem por base a mentira. Só se preocupa com a estatistica. Em mstrar que todos estão na escola não importa o resto. No sistema educacional atual não precisa estudar, basta frequentar a escola e esperar o milagre que os professores são obrigados a realizar. Nesse sistema somente o professor é execrado e responsabilizado pelas mazelas das teorias de gabinete.

  83. Chamo atenção de que MEC e docentes , já que não reclamaram da prova do Enem, concordam em algumas coisas, tais como:
    1) Uma das coisas da mais alta relevância na vida é saber o jogo-da- velha. Coisa que os estudante mais fazem quando falta docente. Portanto, quando mais o docente faltar, melhor é desempenho no Enem.
    2) É uma vergonha que os alunos da rede pública erre uma que aborda um das coisa que mais é ensinada nas nossas escolas, especialmente pública, que é ideograma chinês.
    3) Como num país de colaoteiro, ainda tem gente que não sabe que quando se fala num problema que envolve uma possibilidade duma prestação ser paga com atraso, essa só pode ser paga com atraso.

    Que alguns estudantes discordam de tudo isso, sei. Mas, esses são tidos como os imprestáveis e que não merecem qualquer consideração ou respeito de nenhum desses dois.

  84. E, se no vestibular s[o for cobrado apenas migalhas do se estuda em 12 anos de escola pública e quase tudo que é ¨ensinado¨, truques, pegadinahs e decorebas, em três mês de pré-vestibular, vai acontecer o quê? E se o dono do pré-vesitublar ainda for amigão de todos que quase sempre estão nessas bancas? Tem gente que só otário por são feitos de otários? Por que será que estudante da rede pública quando consegue ingressar por uma brecha fora das provas, como cota, é melhor do que os ourtros? É possível que estava despreparado para fazer curso superior ficar exclente do dia para noite, ou só meia noite?

  85. Acho a ideia brilhante porem incompleta, nossos “produtivos” parlamentares deveriam ter de usar também nosso sistema unico de saude, nosso transporte coletivo e assim por diante.
    Pois é muito fácil descobrir um ganglio axilar e correr para o Hospital Sirio-Libanes, retirá-lo, imediatamente implantar cateter para quimioterapia e ser assistido por excelentes profissionais para se atingir a possibilidade de cura de 90%.
    Gostaria de saber como seria a situação pelas vias normais da saude, certamente esse paciente, receberia seu tratamento com a doença extremamente avançada, com a possibilidade de cura invertida em relação a outra situação, 10% com muita sorte.
    Isso que chamam de país, democrático, é uma vergonha.

  86. A medida da proposta realmente seria bastante interessante.
    Quanto a má qualidade de ensino nas Colégios Públicos principalmente no Rio de Janeiro merece aluguns comentários.
    Começando pela secretária de “dese”DUCAÇÃO deste Estado.
    Qual é a sua formação profissional,na área, sua capacidade para que gere uma habilidade para ditar as normas de Ensino no Estado? A sua capacidade é política, está afinadinha com eles. Suas habilidades estão em mascarar a realidade em aparecer na mídia dizendo que está trabalhando para a melhoria do ensino. Será que ela recebe os R$ 500,00 e poucos como os docentes do Estado? Ela se arrisca à violência física diária que os professores sofrem?
    Outro ponto. Como os professores podem ensinar e os alunos aprenderem se estes ficam no Colégio 5 tempos por dia.
    Para mim não existe verdadeiro ensino de meio expediente.
    Alunos de Colégios bem classificados no ENEM comentaram que eles estudam de manhã e na parte da tarde o Colégio proporciona estudo dirigido. Assim vai.
    Os alunos dos Colégios Estaduais são tão inteligentes quantos os das escolas particulares, então porque a disparidade.
    Aí vem alguns comentários a este assunto e colocam a culpa no preparo dos professores. Não sabem que a grande maioria dos bons professores de Colégios particulares também são professores dos Colégios públicos?. O que acontece então?
    Básicamente MELHORIA SUBSTANCIAL EM SUA REMUNERAÇÃO.
    Não serão os R$ 950,00 propostos pelo Sr. Cristovam Buarque para o piso dos professores para uma jornada de 40 horas diárias.
    Sabe quanto custa mensalmente um curso de aperfeiçoamento, R$ 200,00 no mínimo. Serão pagos com os R$ 950,00. A isto já me referí quanto escreví para aquele Sr. Senador em seu site.
    E mais, se existem professores ruins no Estado, esquecem os menos avisados, que estes profissionais passaram por concurso público. Então a culpa é dos que elaboram um concurso medíocre que não avaliam e seleciona corretamente os pretendentes ao cargo.
    Falar de Educação no Brasil é igual a falar de Futebol. Todos sabem, todos metem seus bedelhos. Por que não se forma um grupo apolítico, não de teóricos da educação que vem com idéias mirabolante, experiências alienígena e que desconhecem, na verdade, os problemas da Educação Nacional.
    Duvido que isto aconteça.
    Povo culto é povo questionador e isto nenhum político quer, pois não mais se elegeriam e a mamata acabaria, bem como à farra das passagens aéreas e tantos outros desmandos e falcatruas a que, infelizmente, estamos acostumados a presenciar e a sofrer com eles.
    Renan

  87. Só entrei na escola regular aos 12 anos, vindo da roça. Por incentivo de minha mãe me dediquei com afinco e sempre obtive boas notas. Conclui o 2º grau aos 22 anos. Não havia ensino superior na minha cidade, continuei estudar, fazendo outros cursos médio, até que chegou na cidade os primeiros cursos superiores, de licenciatura. Passei no primeiro vestibular e me tornei professor de ciências físicas e biológicas. Concursado professor estadual, exerci direção de órgão regional de educação e posteriormente subsecretário de estado da pasta. Muito estudei e mais me dediquei à educação pública, falo do tema com convicção. Estudei outros cursos, hoje exerço a advocacia. Sou apaixonado por escola, seja estudante, seja professor.

    Concordo de forma relativa com Cristovam Buarque, quem muito admiro, mas acho que como político esconde a verdade. Nosso maior problema com a educação pública é aquela parcela de professores, hoje concursados estáveis e que se sentem “inamovíveis” de seus postos, até que a aposentadoria chegue. Esta parcela não possui conteúdo (para simplificar) a ensinar. Não há mecanismo que consiga exigir desta, qualidade de ensino. As lutas da classe (talvez pudesse ser diferente) são sempre por maiores salários, os quais, para esta parcela, são melhores que a contraprestação. O professor desinteressado fica no mínimo 25 anos fazendo de conta que ensina, enquanto pelo menos três gerações (se levarmos em conta cada 08 anos para o ensino fundamental) ficam a mercê do esforço pessoal para conquistar melhor aprendizagem. Certamente se os políticos fossem obrigados a mandar seus filhos para as escolas públicas, talvez deixassem de pensar nos professores apenas como eleitores e formadores de opinião nas eleições e, pela qualidade de ensino, criassem mecanismos de avaliação permanente do desempenho profissional, construindo a escola pública que tanto desejamos. A diferença principal entre a escola particular e a pública não está exatamente na remuneração dos profissionais, mas no controle de qualidade do exercício profissional, inexistente na escola pública. Outras categorias profissionais, em especial as liberais, como médicos, advogados, psicólogos, dentistas, até o mecânico de automóvel, o técnico de eletrodoméstico, etc., etc., a sociedade seleciona naturalmente, entretanto, professores de escola pública temos que engolir qualquer um, em nome do direito adquirido pela estabilidade do concurso público.

    Pelo que tenho observado do Ministério da Educação e de algumas medidas do Governo Lula, parece que o assunto vem recebendo tratamento especial. A exigência do aumento de vagas nas faculdades públicas já foi um grande avanço. Sou crítico ferrenho das faculdades públicas oferecerem apenas 30/40 vagas para uma turma de um determinado curso, enquanto as particulares oferecem 80/100, em média. Em termos de ensino superior, quem fala para 30 estudantes, também pode falar para 100 e ser plenamente entendido. O tema eu defino como preguiça de corrigir provas, trabalhos, etc..

    A questão é complexa e não estou fazendo um artigo. É apenas uma pitada de pimenta para dizer: avaliem os professores, tiram-lhes a malfadada estabilidade de servidor público.

  88. Creio ser uma proposta demagógica, pois para isso o povo teria que votar em pessoas éticas para ocupar o parlamento.
    A sociedade deveria exigir do executivo a aplicação de melhores recursos para o ensino, tanto para a parte material como para o corpo docente, com melhores salários e cursos de atualização pedagógica. O resto são meras firúnculas.

  89. gostaria que os leitores observassem o resultados das escolas paulistas no ENEM, é uma vergonha, agora entendo porque os paulistas e paulistanos adoram a tucanada…porque não tem senso critico e capacidade de olhar além da viseira imposta pela sociedade/imprensa e sei lá mais quem…acorda BRASIL!

  90. Todas as escolas devem estar na mão da iniciativa privada, e, principalmente, os professores sendo sócios. O Estado tem dinheiro suficiente para pagar a mensalidade daqueles que não tem recursos, comprovadamente. Os que tem recursos, pagam a mensalidade. Quem não tem, o Estado paga.
    Qualquer empreendimento na mão do Estado, leia-se políticos, é um desastre.

  91. Já defendo há tempos, que todo candidato, durante a campanha, REGISTRE NO CARTÓRIO ELEITORAL ALGUMAS DE SUAS PROPOSTAS OBJETIVAS,ACEITANDO SER PENALIZADO COM SUA CASSAÇÃO SE DESCUMPRIR QUALQUER DELAS, e que esta seja uka das propostas pétreas. Para isto nem precisamos de leis, basta exigirmos isto do candidato, que ao fazê-lo não poderá ser questionado em nenhum tribunal, pois passará a ser sua vontade expressa.
    Por exmplo: Um candidato a prefeito diz que vai asfaltar todas as ruas de sua cidade, se terminado o mandato não o fez, perde o direito de se candidatar a qualquer cargo, e por aí vai.
    Vamos exigir isto de nossos candidatos. Vamos criar, nós mesmo o PROCON eleitoral.

  92. Depois da Folha de São Paulo ter inventado uma ficha falsa do DOPS acusando a Dilma de ter tentando seqüestrar Delfin Neto, nos tempos da ditadura, A revista Veja se adiantando um ano e meio para as eleições de2010, começou a guerra de difamação contra a possível candidata petista.
    A Capa da Veja dessa semana, faz acusações levianas, contra ela. Acusando-a de usar o câncer, uma questão íntima e delicada, como propaganda de campanha eleitoral.
    Nos últimos dias venho acompanhando o noticiário na net e na TV. Dilma e nem o Lula nunca usaram essa questão como arma de propaganda. Quem veio pela primeira vez com essa História foi a FOLHA, ao dizer que a ministra estava com câncer, como pessoa pública, a mesma informou a sociedade, tentando inclusive demonstrar que nada mudava em sua vida. A Estória do uso político surgiu com o blogueiro da Veja, Reinaldo Azevedo, que fez inúmeros artigos atacando a ministra e o Lula, de uma forma raivosa e irracional, coisa típica do mesmo. Quando essa estória estava apenas sendo explorada pelo blogueiro ultraconservador, estava tudo bem. Reinaldo Azevedo já era conhecido por sua militância anti-Lula, e desmoralizado como estava, por defesas polêmicas em favor do ministro do supremo Gilmar Mendes, a Dona da DASLU etc. Isso não gerava nenhum desconforto.
    O problema foi a Veja, revista de repercussão nacional, participar abertamente dessa campanha difamatória, leviana e de muito mau gosto. A acusação da mesma, dizendo que a Dilma está usando o Câncer para fins políticos, é uma jogada arriscada, pois pode simplesmente desmoralizar a revista, pois transforma um drama humano em jogo político. A impressão que tive foi que a Veja tentou abafar de uma forma grosseira e deselegante a invenção da Folha da tão falada Ficha do DOPS, tentando tirar a atenção do público, para uma questão de cunho pessoal.
    A estratégia adotada pelos setores conservadores da Mídia, de antecipar os ataques faltando um ano e meio para as eleições, além de mostrar para sociedade a guerra suja que a direita prepara para o período eleitoral. Pode ser muito arriscada, pois pode criar nojo na sociedade e se voltar contra a própria mídia e capitanear simpatia dos eleitores para Dilma Roussef.
    Espero que a mídia conservadora retorne ao seu equilíbrio, trazendo para o palanque político as grandes questões nacionais, como a reforma política, dos impostos etc. contribuindo para o debate e para a consolidação de projetos que devem ser debatidos pela sociedade. Seria melhor forma da mesma contribuir para democracia:)

  93. Quanto ao SUS, Diego Mainardi escreveu o seguinte;
    Dilma Rousseff fez bem em procurar um hospital particular. Seus hematologistas e seus oncologistas podem receitar-lhe o MABTHERA, como acontece nos Estados Unidos e na Europa. OS MAIS DE 10000(dez mil) PACIENTES COM LINFOMAS QUE TODOS OS ANOS RECORREM AOS HOSPITAIS PÚBLICOS BRASILEIROS, POR OUTRO LADO, NÃO PODEM CONTAR COM O REMÉDIO PORQUE ELE É CARO DEMAIS PARA O SUS: UM FRASCO CUSTA 8000 REAIS. O que aumenta mesmo, nesses casos, é só a possibilidade de morrer.

    Diz ainda o Mainardi: um brasileiro com linfoma que toma MabThera tem mais chance de sair inteiro do lado de lá do que um brasileiro com linfoma que é atendido pelo SUS e não toma MabThera. Há brasileiros mais inteiros e brasileiros menos inteiros.

  94. 01/05/2009 – 11:56

    Enviado por: Luiz Paulo G de Resende

    … Concursado professor estadual, exerci direção de órgão regional de educação e posteriormente subsecretário de estado da pasta. Muito estudei e mais me dediquei à educação pública, falo do tema com convicção. Estudei outros cursos, hoje exerço a advocacia. Sou apaixonado por escola, seja estudante, seja professor.

    A questão é complexa e não estou fazendo um artigo. É apenas uma pitada de pimenta para dizer: avaliem os professores, TIRAM-LHES A MALFADA ESTABILIDADE DE SERVIDOR PÚBLICO.

    É isso Luiz Paulo. CLT na moçada…O resto é fácil!

  95. 30/04/2009 – 19:09

    Enviado por: Aliz
    ”…tratar seus problemas de saúde pelo SUS, depender dos mesmos (de)serviços de segurança que nós…”

    Cara Aliz. Leia o meu post das 20:04. Observe o que é realidade.

  96. Lembro de, há algum tmepo, quando soube do projeto do Cristovam de obrigar, por força de lei, que filhos de deputados, senadores e etc estudassem em escola pública, postei em meu blog o seguinte comentário:

    “Eu posso não gostar do senador Cristovam Buarque, tenho diversas discordâncias com as posições dele e em muitos casos o acho um belo de um oportunista mas, agora, tenho que aplaudir.

    Claro, é um projeto de lei inconstitucional, fere a liberdade de escolha, sem falar que filho de deputado, senador e etc, por mais que tenha um pai salafrário, não pode ser responsabilizado por ter nascido na casa em que nasceu.

    Mas o projeto é de uma coragem e lucidez poucas vezes vista.

    O ensino público no país é uma lástima, é simplesmente ridículo e fora algumas poucas escola modelo pelo país, a franca maioria das escolas públicas são um lixo.

    Este projeto deve ser divulgado amplamente, deve cair na boca do povo!

    Até parece que qualquer agente público matricularia seus filhos em escolas que eles mesmos ajudam a dilapidar, só em sonho! Mas ao menos, se tal obrigatoriedade fosse cosntitucional, fosse legal, com certeza TODAs as escolas públicas mudariam da água para o vinho porque se os “agentes públicos” pouco se importam com o filho do joão, da maria e do josé, sem dúvida iriam se preocupar com os seus próprios, matriculados nas mais caras e de elite escolas do país.

    Não sei a quantas anda este projeto mas é fantástico e merecia um amplo debate público. ”

    Mantenho a mesma opinião. A proposta pode até ser demagógica, não nego a possibilidade, mas sem dúvida tem méritos.

    Minha mãe e meus tios (seus 3 irmãos) estudaram boa parte de suas vidas em colégio público e tinham um excelente padrão de vida – meu avô, seus pais, era alto funcionário do Banco do Brasil e, pra que conhece, sabe que ha anos o BB pagava excelentes salários, mesmo para sustentar mulher e quatro filhos, já hoje… – e meu pai e suas irmãs (também eram 4) no total, eram paupérrimos, meu avô era funcionário da Imprensa Nacional e cursou apenas até o segundo grau, e estudaram em colégio público e todos hoje são graduados, meu pai é engenheiro com várias especializações.

    Todos eles vieram de escola pública, quando esta tinha qualidade. Eu, por outro lado, estudei sempre em escola particular, salvo com meus 5 anos, em Cabaceiras, interior da Paraíba, onde morei com 5 ou 6 anos. Só tinha uma única escola, pública, eu era mais alfabetizado que a professora. É triste mas a mais pura verdade, a realidade do país.

    Enfim, a proposta do Cristovam é boa, é fantástica e jamais será aprovada. MAs pelo menos, saindo na mídia, de alguma forma, surgindo como proposta séria, adotada por outro, memso que só para anunciar e denunciar o que temos hoje, já é um avanço.

  97. Kotscho,

    Sou cética.. Acho a proposta completamente utopica.. ingenua mesmo.. Em outras palavras acho a proposta demagógica..

    Temos que lidar com a realidade .. o abandono das escolas públicas muitas vezes não está na sua estrutura física, material, e mesmo no seu macro-planejamento, mas na falta de valorização dos profisissionais da educação.
    Profissionais que ganham mal, que não tem condições nem tempo para aprimorar as pesquisas necessárias para seu aperfeiçoamento acadêmico, que as vezes não tem um computador pessoal.. nem acesso a uma biblioteca decente.. e isto acontece com muitos professores deste enorme Brasil…
    Os professores ensinam em salas superlotadas, mal ventiladas, cheias de alunos hiper ativos, hiper problemáticos e hiper violentos….os professores vivem assustados e muitas vezes ameaçados!!

    Ora senhores, as escolas públicas onde os filhos das excelências nesta utopia estudariam, com certeza teria segurança reforçada, as salas não estariam superlotadas, e teria laboratórios especiais para servi-los, e talvez até ar-condicionado!!!..

    È muito fácil criarmos teorias, o problema é implementá-las… a escravidão na concepção de navios negreiros, nos pelourinhos onde os escravos eram açoitados, realmente não existe mais….. mas pergunte a um nordestino que vive na miséria da seca e do abandono das palatifas, pergunte ao desempregado e aos excluidos se eles são realmente livres?pergunte aos sem terra o que eles são no contexto social??
    A escravidão continua sim, com outros formatos, com outras abordagens com outras faces, fantasiadas de democracia. .

  98. Boa noite Ricardo!
    Boa noite amigos balaieiros!

    Bem…como já postei sobre o assunto, agora vou comentar fora dele.
    Eu aliás vou PERGUNTAR…

    Por que é que o Presidente tem que responder alguma pergunta dando a sua opinião sobre um assunto que acabou de gerar uma ENORME POLÊMICA, e nessa sua opinião dizer que acha natural que um parlamentar permita sua esposa viajar às nossas custas???
    Podía muito bem se ISENTAR desse comentário infelíz, deixando a Câmara com os problemas dela, ou então dizendo que o povo ajudou a sanar esse inconveniênte…mas não…para a alegría de sua assessoría mandou ver.
    Me desculpem meus amigos petístas, dos quais alguns eu prezo muito, mas isso não é exatamente a linguagem que o povo aceita.
    Nesse episódio, o nosso célebre chefe da nação desperdiçou uma excelente oportunidade de ficar quieto.

    Até que falou bem quando se referíu ao perrengue no suprêmo
    Mas agora esse comentário?

    Bem…aguardemos o próximo…

    Abraços

    Robson de Oliveira nosbornar@ig.com.br

  99. Nada como sugerir bobagens e mais bobagens e não abordar realmente o que leva o ensino público a ser tão fraco em muitos estados e municipios. Moro num estado rico, São Paulo, mas a educação pública está abandonada a muito tempo. Péssimos secretários de educação seguindo a idéia tucana, de que os pobres não podem ter um boa educação, porque vão querer tirar o lugar dos ricos, mais os desvios de verbas para entidades religiosas e acupunturistas, levaram a situação atual. Ainda assim muitos municipios paulistas, no ensino fundamental, que é de competência municipal, conseguem proporcional um boa educação pública.
    A elite tucana com o apoio da sua mídia continua separando o Brasil em Casa Grande e Senzala…

  100. Gente não vamos viajar na maionese, que besteira pensar que o simples fato de os politicos pôr lei terem de usar as escolas publicas para o ensino dos seus filhos. Como se isso fosse resolver o nosso problema.So vamos sair desta cantilena quando os pais se envolverem mais neste processo e junto com professores e demais setores envolvidos da sociedade e cobrarem as melhorias que tanto queremos.Aposto que a maioria dos blogueiros que escrevem aqui no Balaio não tem filho em escola publica. Eu estudei em escola publica, meus tres filhos estudaram e estudam em escola publica.O sistema de ensino é lamentavel, poderia ser melhor se o governo estadual estivesse preocupado pois em 16 anos de governo tucano tudo ficou igual e olha que eles estão ai desde antes da internet, as pessoas e a sociedade evoluiram ja o sistema.Com tudo isso eu sou privilegiado pois sai da escola publica e consegui pagar faculdade, e meus dois filhos saem da escola publica pra estudar no cefet-guarulhos, pra nós antigos, escola técnica federal, que ficou os 8 anos do governo do Dr. FHC sem investimento, e que só agora graças ao peão Lula recebe a devida atenção valor e reconhecimento.Como diz um amigo meu de doutor em doutor o Brasil afundou, pôr isso pais e mães façam uma visita a escola publica do seu filho.

  101. A demagogia é falar em solução para todos os problemas, como segurança, desemprego, combate a corrupção, reforma agrária etc e tal… Todas as propostas tornam-se meras promessas de campanha.

    Por isso, concordo em genero, numero e grau com o Senador Cristovam Buarque: os politicos e seus filhos em todos os niveis devem estudar os cursos regulares em escolas publicas, a valer a partir do próximo mandato. A regra deve ser definida, sempre antes do jogo começar.

    Por favor, senador, candidate-se a presidente da republica, para que possamos colocar as propostas da educação e cidadania em foco no pais e não continuarmos na terra do faz de conta e de Alice no país das maravilhas…

    Conte comigo e todos os não ignorantes!

  102. O ex-prefeito da Ilhabela, Manoel Marcos, pedia para a classe média usar os serviços públicos, para que estes serviços pudessem ser melhorados. Estudei em escola pública nas décadas de 60 e 70, e foi no regime militar, com o início da universalização da educação que a escola pública começou a decair, antigamente tínhamos que prestar concurso para ingressar no ginásio, que seria a 5ª. Série, as crianças mais pobres só faziam primário. A classe média educada brasileira não gosta de se misturar com o povão. Moro num bairro longe do centro, ficaria mais fácil se os meus vizinhos de classe média colocassem seus filhos numa escola pública, teriam ônibus escolar na porta de casa, mas eles não colocam porque a escola não tem qualidade, nem de alunos e nem de ensino, a reclamação é que o pobre brasileiro não tem higiene, não educa os seus filhos em casa … “Meus filhos vão estudar com marginais”? É o questionamento de um pai de classe média. Meu vizinho foi morar na Austrália e sua filha está matriculada numa escola pública, mas aqui no Brasil ele não quer que ela se misture, mesmo no pré-primário, diz que não há higiene.
    Na minha época, além do concurso para ingressar na escola pública, as classes eram divididas conforme as notas dos alunos, e os meninos eram separados das meninas, os mais inteligentes eram colocados na mesma classe. No Costa Manso, escola pública do Itaim, bairro de classe média alta paulistana onde estudei, estudava também a filha do Gióa Junior, radialista e deputado estadual, a filha do Aldemir Martins, que foi um artista plástico muito conhecido, a filha do médico do bairro, do professor, do dono da farmácia, da lavanderia. Quem estuda no Costa Manso hoje em dia?

  103. VAMOS CRIAR, NÓS ELEITORES, O PROCON ELEITORAL

    Não precisamos de nenhuma lei, mesmo porque se dependermos de leis para isto, e, como são eles que as votam , nunca a teremos.

    FUNIONARÁ ASSIM: ( se alguém tiver sugestões as coloque aqui )
    1º- O candicato vem lhe pedir o seu voto
    2º- Você solicita-lhe as suas propostas registradas em cartório
    3º- Você verifica no cartório, no saite do cartório, a veracidade do registro.
    4º- Se suas propostas lhe forem simpáticas, lhe dá o voto.
    5º- Em seu mandato, o seu candidato, descumpre uma das propostas, registradas.
    6º- Você ou qualquer outro eleitor, aciona o ministério público eleitoral, ou você mesmo, pede a cassação do mandato do
    VAGABUNDO.

    Acho que é por aí…

  104. Algumas propostas pétras: ( obrigatórias )

    Para candidatos ao Executivo ( Prefeiutos, Governadores, Presidentes )
    -Esta de matricularem os filhos em escolas públicas
    _Em caso de saúde se tratarem pelo SUS
    – Manterem um saite, mensalmente atualizado, em que esteja o balencete, com os contratos feitos, quem executa as obras , número de funcionários, salários dos mesmos, etc, etc

    Para os candidatos dos lefislativos:

    – Esta de manterem os filhos em escolas públicas
    -Se tratarem pelo SUS
    – Manterem um saite, mensalmente, atualizado com suas atividades parlamentares, ete, etc.

    É isto aí…e pelo menos nós eleitores mais conscientes só votemos em candidatos façam este registro.

    VAMOS PEGAR OS MALAS. EM SUAS PRÓPRIAS ÂNSIAS DE SEREM ELEITOS.

  105. …no período da campanha, nós membros ativos deste PROCON ELEITORAL, vamos pro Orkut, concientizar ao povão que exijam o registro das propostas.
    Se 1000 de nós postarmos 30 mensagens por dia, nas páginas do orkut, , são 30 000 mil postadas em cada dia, quase um milhão por mes, em cinco meses são 50 milhões. Os cabas vão ter que serem muito criativos para sairem desta.

    PRA AMARRAR ESTES MALAS TEMOS QUE SER MAIS MALAS DO QUE ELES ( no bom sentido )

  106. É a idéia mais espetacular que tenho lido nos últimos anos.
    Além do ensino e da saúde propor acabar com a IMPUNIDADE PARLAMENTAR e por na cadeia os políticos corruptos, além de devolverem aos cofres públicos o produto do roubo

  107. A questão da educação pública é simples. A descentralização e a pulverização do ensino de primeiro e segundo graus não funcionou. Então, que se federalize esses níveis de ensino, assim como acontece com o ensino de nível superior. Os governadores fracassaram nesta questão. Só resta, então, o suporte do governo federal. Estão aí o Pedro II, as escolas técnicas federais e as escolas militares (de formação de praças, sargentos e oficiais) com ensino de excelência. A via é a federalização. Não vejo outra solução no curto prazo. É isso.

  108. Correção do comentário 13:36

    Com 1000 engajados no processo de postar 30 mensagens no orkut todos os dias, teremos não 50 milhões em 5 meses mas sim 5 milhões, porém se fizermos isto virar uma corrente, E ATÉ MESMO UMA CULTURA DO ELEITOR, de mensagens e e-mails poderemos até mesmo engajar 100% de nosso eleitorado.
    Eles, os candidatos, deixaram de distribuirem aqueles santinhos com aqueles sorrisos falsos, e sim suas propostas refistradas em cartório, dando direito ao eleitor de pedir a sua cassação caso , fuja de seus compromissos.

    È XEQUEMATE NOS VAGABUNDOS.

  109. Quando a princesa Isabel assinou a lei Áurea, faltou assegurar aos negros um amparo legal para sobreviverem. Com a lei assinada e sacramentada, os negros foram simplesmente expulsos das fazendas, não foram aceitos nas colónias e a única alternativa que lhes restou foi caminhar pelas estradas em pequenos grupos, vivendo de esmolas ou fazendo trabalhos braçais em troca de comida, sem poderem se alojar nas fazendas durante as tarefas.
    Atualmente, os aposentados estão sendo marginalizados, ficando invisíveis aos olhos de nossos representantes

  110. PARA PENSAR:

    Na Educação Infantil, é muito comum que a mesma professora que leciona na escola particular no turno da tarde, leciona na escola pública pela manhã. Talvez os pequeninos ricos prefiram o turno da tarde para não terem que levantar da cama tão cedo.

    Na esfera pública a Educação Infantil é mantida pelas Prefeituras.

    A partir da quinta série até o Ensino Médio, os mesmos professores que lecionam pela manhã na escola particular, lecionam à tarde e à noite na escola pública.

    Talvez os adolescentes ricos tenham natação, judô, línguas, etc, etc, à tarde, por isso prefiram frequentar a escola pela manhã.

    Na esfera pública, é responsabilidade da Prefeitura até o nono ano e do Estado o Ensino Médio. O Ensino Técnico, Tecnológico e Superior é de responsabilidade Federal.

    No Ensino Superior público os professores dedicam-se exclusivamente à docência (Dedicação Exclusiva – DE) e possuem Doutorado ou PhD na sua maioria. Enquanto isso, os das faculdades particulares, geralmente fazem “bico” dando aulas. Poucos possuem Mestrado ou Doutorado, embora muitos se denominam Dr, talvez porque sejam advogados (o que é ilegal…).

    Quais são os cursos de maior procura nas universidades particulares?

    Aqueles cursos de bacharelado e graduação que atendem 60 – 80 alunos por turma. O Ensino à Distância também tem grande demanda.

    Quais os cursos que fazem sucesso nas universidades públicas?
    Aqueles cursos de bacharelado, graduação e pós-graduação, presenciais, que necessitam de professores qualificados e laboratórios bem equipados.

    Então, qual o real motivo da inversão do acesso ao ensino superior público, já que é consenso que só quem estudou nas melhores escolas particulares passa no vestibular em Universidade Pública???

  111. COM O PORTUGUÊS CORRIGIDO

    Meu colega, meu ex-reitor e meu ex-governador Cristovam Buarque, inclusive meu vizinho de quadra residencial,

    Manoel Correia de Andrade, grande geógrafo nordestino e teu professor (ele confidenciou-me isto), disse-me uma vez que você sempre foi muito esperto e inteligente. Sabia pegar as “coisas no ar” e tens um senso de oportunidade fantástico; portanto tens o dom de ser um bom “provocador”.

    Com todo respeito à você e a opinião dos demais comentaristas do balaio o teu artigo não diz nada. Pois não precisamos mais de provocações; todos os dias somos provocados pelas frágeis ações das autoridades e pelas besteiras “empurradas” pela Rede Globo e pela revista Veja, sem falar da pouca densidade de grande parte da imprensa brasileira.

    Cristovam, e eu já encaminhei-lhe um e-mail neste sentido mais detalhado, precisamos ter uma política e um projeto de educação nacional. Ele elaborado e dialogado com a base social daria suporte e seria um guia de ação para todos nós.

    Deves começar com um texto (texto-guia inicial) contendo diagnóstico, análise e sugestão de proposta de política e projeto de educação nacional, elaborado pelos competentes assessores legislativos que o senado federal tem. Depois este texto é submetido às plenárias populares estaduais, regionais e nacionais, culminado com uma grande seminário aqui em Brasilia.

    Após aprovado o texto-guia inicial nas plenárias populares ele torna-se uma referêcia para a implementação da política e projeto de educação nacional. Com ele em mãos pressionamos os poderes públicos e a iniciativa privada para executá-lo.

    Enquanto ficarmos apenas com provocações e sugestões pontuais não avançamos na mobilização nacional, pois não temos um guia e não sabemos para onde vamos.

    Deves “usar” todos os meios a tua disposição no senado federal e executar esta sugestão, em vez de ficarmos discutindo a resolução que diminui a cota de passagens e a proibição de não financiar as viagens de parentes e namoradas com dinheiro público.

    Quero ver você fazer uma densa e boa análise do Balanço Geral da União – BGU de 2009 (a ser entregue em dezembro de 2008) e dos anos anteriores (2003 à 2008) (referente a educação do país) que o Presidente da República, por obrigação constitucional, apresenta às suas ações e as submete todo ano a análise do Congresso Nacional.

    Quero ver você usar a estrutura institucional colocada à tua disposição no senado federal como suporte deste trabalho de mobilização da educação nacional. Não quero mais artigos provocativos na imprensa. Quero densidade. Quero proposta de política e de projeto de educação nacional.

    QUERO UMA PROPOSTA DE POLÍTICA E DE PROJETO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARA O BRASIL. Nada mais. E deixe de nos provocar pois já somos demais provocados diariamente.

    Um abraço fraterno,

    Junior

  112. Este governo tem dificuldades com a questao do ensino no Brasil.
    Uma corrente interna deseja implantar um programa de ensino nos moldes Comunista,outro nos moldes Socialista e uma terceira corrente é Democratica e Convencional.Dessa forma as decisões e propostas tem sido ambiguas, e desemcadeiam uma especie de Ensino Hibrido algo bastante semelhante ao famoso ” Samba o Crioulo Doido”.
    O governo que afaga o Terceiro Setor ( Religioso) com propostas de ensino espiritual e produz Cartilhas Marxistas para o MST.

  113. …continução….Dessa forma o governo Lula vai “empurrando com a barriga” os reais problemas com a educação no pais.Ha mais preocupação ideologica voltadas, para as questões de ensino no governo atual, do que preocupação com formação Tecnica/Cultural.
    No ensino superior a coisa descamba para a já irritante questão de Cotas Raciais garantindo o acesso de não brancos nas Universidades Federais. O governo fnge não entender que não exite raça branca ou negra..a Raça é apenas Humana ou Animal.

  114. Por fim , como o Presidente não tem Formação Academica nehuma , todos ficam como que “pisando em ovos” ,quando o assunto é Educação.Assim , melindrados, os responsaveis pela implantação de melhorias no setor,não acumulam a coragem necessaria para, se e quando preciso for, colocar o “Sino no Pescoço do Gato”.
    È só!
    Quem tiver ouvidos , que ouça!

  115. Penso que não precisa impor que ninguém frequente qual escola mas a qualidade é fundamental na escola pública para que todos possam competir com pelo menos uma igualdade de condições e aí conseguiria a vaga no mercado de trabalho o que estivese melhor preparado. Além de que com uma educação melhor teríamos uma sociedade melhor e conseguente todos sairiam ganhando. Sempre faça uma perguntinha básica, de onde vêm todos os parlamentares que povoam as casas legislativas deste Brasil, por acaso vêm de outro lugar, senão da nossa sociedade? Precisamos mudá-la para que a coisa entre nos eixos. Se bem que muita coisa mudou e penso que a tendência apesar dos pesares é de melhorar…Um grande abraço para você Ricardo e todos os frequentadores do melhor boteco do Brasil…(Boteco do balaio)…

  116. Eu continuo com uma pulga.. não posso nem dizer aonde. Digamos que os resultados do Enem estejam certos, porquanto, no Brasil só tem idiota que nem sabe o jogo-da-velha, onde encontraram os gênios que fizeram as provas?

  117. Caro Ricardo, como vai?

    Esta questão é muito relevante e deveria ocupar mais a imprensa.
    Eu estudo as relações públicas e privadas na área da saúde e posso te dizer que isso também ocorre nesta área e é fruto do modelo adotado após o golpe militar de 64, que mudou o rumo (para pior) de muita coisa que estava sendo construída e teve consequências que até hoje ainda são difíceis de serem entendidas.
    No caso da saúde, há um texto ‘clássico’ (na área) do Faveret Filho e Oliveira, chamado ‘universalização excludente’, em que observam que a classe média e setores melhor remunerados deixam de ter como referência o sistema público de saúde e passam a optar pelo privado, que começa a ganhar autonomia financeira beneficiado pelo surgimento e difusão de mecanismos de financiamento como seguro saúde, medicina de grupo e etc. Entretanto, nosso desenho de sistema de saúde (que foi fruto de muita luta do movimento sanitário e outros), inspirado no modelo inglês, de acesso universal com predomínio do setor público, na prática, fica com a cara do americano, onde o setor público atua somente para grupos que não podem ter acesso a serviços privados via mercado.
    O sistema privado de saúde, na minha opinião, deveria complementar o sistema público, mas no nosso caso ele concorre, principalmente nos serviços de média complexidade. Enfim, este é um complexo debate.
    Esta proposta do Cristóvão Buarque é antiga, mas merece voltar sempre ao debate. Salvo engano, o Oded Grajnew também propôs isto: que os filhos das autoridades dos três poderes frequentassem escolas públicas e a rede SUS.
    Em 16/03/2009, no caderno Cotidiano da Folha de São Paulo, foram publicadas várias matérias interessantes que falam sobre as vantagens trazidas pela ‘mistura’ de alunos de diferentes níveis sociais. Há, inclusive, uma pequena entrevista da atriz Andréa Beltrão, em que ela explica porque preferiu matricular seus filhos na rede pública. O link é para a entrevista é http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1603200903.htm
    Para aqueles que se interessarem pelo texto que citei, a referência completa é FAVERET FILHO, Paulo e OLIVEIRA, Pedro Jorge de (1990) “A Universalização Excludente: Reflexões sobre as tendências do Sistema de Saúde”.
    Ricardo, um grande abraço e parabéns pelo seu blog. Acompanho sempre.
    Nanda

  118. Ops, a referência foi incompleta….segue novamente.

    FAVERET FILHO, Paulo e OLIVEIRA, Pedro Jorge de (1990) “A Universalização Excludente: Reflexões sobre as tendências do Sistema de Saúde”. Planejamento e Políticas Públicas (IPEA), junho, nº3, pg 139-161.

  119. Reconheço que , durante a eleição de 2006 eu acabei entrando na “onda” que a imprensa criou e divulgou de que o Cristóvam so falava de Educação. Reconheço o erro. Ele falava de tudo,e conomia, desenvolvimento, futuro – através da educação. Esse tema é mais do que oportuno e essa proposta, se um dia aceita, com certeza influenciaria a educação no Brasil. Precisamos recuperar a escola pública para nossos filhos e netos. Temos que ficar atentos antes que os políticos entreguem também a saúde, a segurança, a previdencia etc etc etc

  120. SENADOR PAULISTANO MOSTRANDO SERVIÇO, NÃO É UMA GRACINHA O PITCHUCO DO PAPAI -rsrsrsrsrs

    REPASSANDO, postado no Blogue do Ancelmo Gois :

    Enviado por Bernardo de la Peña – 1.5.2009| 8h37m
    O roqueiro e a ministra
    Em dose dupla
    Papai Eduardo Suplicy circulava ontem pelo Senado com o filho Supla que esteve na Casa entrevistando senadores para seu programa na MTV.

    Com cabelos mais espetados do que nunca e de sapato branco, o roqueiro se divertiu foi com a senadora Marina Silva. A ex-ministra, que é do Acre, disse que na Amazônia cabeleira igual a dele só a de alguém que esbarrou num peixe elétrico.

  121. Que maravilha ver os parentes próximos desses pilantrões em escolas públicas, não por retaliação, mas para que eles sofram na pele a realidade dos estudantes brasileiros que são humilhados e, como acontece a maioria das vezes, não têm nem direito a merenda que os governos se lhes oferecem, porquê quase sempre essas merendas são surrupiadas pelos que lá trabalham, como tem constantemente acontecido. Será que eu estou sonhendo ou é outra armadilha desses politicos de meia-tigela. Se assim for, não sei o que mais faremos para nos livrar dessa “gripe suina”, de Brasilia.
    RF

  122. Esse Supla é um saco. Por que esse velhote não se manca e deixa essa vidinha de lado? Também, com o povo brasileiro sustentando esse marmanjo palhaço, que vive saracoteando pelo mundo a fora, posando de artista. Esse cara só tem talento para ser feio que só…
    RF

  123. Há anos defendo esta tese do senador Cristovam: a de que os titulares de cargos eletivos e públicos deveriam ser obrigados a usar os serviços públicos de Educação e Saúde para si e suas famílias. Não podem dizer que seria um ônus do cargo, pois a eles cabe melhorar tais serviços. Disputa cargos quem quer, e esta deveria ser uma das condições para servir ao povo – que é o que todos desejam ardentemente, certo?

  124. O candidato do PT, ainda que não seja a Dilma, vai vencer a eleição contrariando prognósticos de muitos “urubus” de plantão/carteirinha que não admitem segundo a denominação destes mesmos que o “semi-analfabeto, cachaceiro, e etc… e etc…) coneguiu dar uma lição de administração e gerenciamento economizando em torno de R$ 200.000.000.000,00 (bilhões)
    em meio a toda maracuataia que ainda existe. Esses “urubus” são pessoas que não estão comendo no tacho que raparam durante outros governos.
    Cuidade gente: “TÁ RUIM, MAS TÁ BOM”!
    Ah, e tem outra: ETA “ADMINISTRADOR BOM” o semi-analfabeto!
    Volnei Paulo Lazzaretti – Professor e Relações Públicas

  125. Ola para todos,
    Meu nome e Marcia brasileira e sou casada com um estrangeiro,bom que isso tem a ver com o assunto vcs saberam agora,meu esposo diretor de uma companhia suica me pergunta coisas do brasil e eu nao sei responder,para comecar quando eu entrei na escola tinha 7 anos ,porque quando minha mae me levou aos 6 a diretora disse tadinha deixa ela ficar mais tempo em casa o ano que vem ela volta,nasci em 71 entrei na escola 78 numa cidadizinha de sao Paulo interior,nunca estudei historia so estudei geografia e so do Brasil,na 5 serie tinha historia e geografia so do Brasil,foram anos de nao saber nada do mundo,que passava a onde ficava o continente africano etc.Ao que gostaria de chegar e tem alguem contemporanio a minha pessoa que ja passou por isso?Gracas a Deus eu sai do Brasil estudei e hoje sou formada por Le Cordon Blue,falo 3 linguas e quero ver as pessoas do meu pais que vivem em pequenas cidades ter mais direito a informacao e a um ensino melhor,ninguem merece sair do Brasi para ser culto.

    Brigada
    Marcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *